7 perguntas para...

©
Karin Bakke de Araújo

bakke@aclnet.com.br


Como você chegou à tradução?
A tradução do alemão para o português sempre me fascinou pelo fato de as duas realidades linguísticas conviverem na minha vida. Sempre considerei o português minha língua de chegada, pelo fato de ter sido o idioma de minha formação cultural mais abrangente. Enquanto atuava como secretária executiva trilíngue, tendo contato diário com falantes nativos do alemão e seus textos, surgiu a oportunidade de traduzir o livro Parlament und Regierung im neugeordneten Deutschland, de Max Weber. Como seu texto não era exatamente a minha especialidade, solicitei que houvesse uma revisão de uma autoridade no assunto. Para minha alegria, o revisor elogiou o meu trabalho, acrescentando não ter reparos a fazer. A partir daí, fiz mais algumas traduções, sem que essa atividade fosse o centro de minhas preocupações, devido a outras obrigações profissionais e pessoais. Esses trabalhos publicados incluem o livro Palavras de paz, de M. Gandhi (a partir do texto Worte des Friedens publicado em alemão), Pais, escola e educação sexual, de Hans Zulliger e o poema Todesfuge, de Paul Celan. Mesmo sem poder me dedicar majoritariamente à tradução, participei regularmente, por mais de uma década, do grupo de estudos tradutórios conduzido pelo Prof. J. Keller no Goethe-Institut São Paulo. Atualmente, prestes a terminar meu doutorado, estou considerando a possibilidade de me dedicar a trabalhos tradutórios do alemão para o português no âmbito das humanidades, com ênfase em literatura.

Sob quais critérios você busca um texto para traduzir?
Considerando que “a vida é a arte do encontro”, tenho deixado que os textos me procurem, desde que me seja possível entendê-los. Certa vez, não aceitei traduzir um texto de Immanuel Kant por não me sentir capaz de fazê-lo.

Para você, o contato com o autor da obra é importante? Justifique.
Não necessariamente, embora reconheça que um contato com o autor possa ser muito útil para tirar dúvidas em textos mais pessoais.

Qual obra traduzida por você se distanciou mais da cultura brasileira?
Não saberia citar nenhuma, pois todas as obras, principalmente as literárias, são, sobretudo, a representação da vida, que, na sua essência, é igual em todas as culturas.

Em uma tradução, qual dificuldade linguística já levou você ao desespero?
Nenhuma. Nunca me senti desesperada diante de um problema de tradução. É claro que há dificuldades a serem superadas, mas há sempre uma solução, mesmo que algo se perca no meio do caminho. Por exemplo: a palavra Vorlesung não tem um correspondente perfeito em português. Nenhuma palavra dará a ideia de um auditório numa faculdade com um professor lendo um texto com um grande público de alunos interessados e atentos tomando notas. As variantes aula palestra, aula expositiva, preleção não têm o mesmo sabor, o mesmo contexto cultural. Do mesmo modo, como traduzir pão de queijo para o alemão, se eles nem sabem que gosto ele tem? Mas Käseteigbrötchen seria uma solução inventiva e teríamos que nos contentar com isso.

Autor(a) ou livro alemão preferido:
Difícil nomeá-lo entre tantos, mas menciono Os Buddenbrooks, de T. Mann, sobre o qual cheguei a fazer um trabalho acadêmico.

Qual livro gostaria de traduzir e por quê?
Os livros de Herta Müller seriam um grande desafio, sem excluir os livros do pós-guerra como os de Heinrich Böll e Wolfgang Borchert. Aliás, em literatura nada se exclui.

  ©
Obras traduzidas do alemão para o português:

Celan, Paul
Fuga fúnebre / Paul Celan. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010. 5 p.
ISSN 1981-2558
Título original: Todesfuge


Zulliger, Hans
Pais, escola e educação sexual / Hans Zulliger. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1996. 13 p.
ISSN 1415-7128
Título original: Eltern, Schule und sexuelle Aufklärung


Weber, Max
Parlamento e governo na Alemanha reordenada / Max Weber. Petrópolis: Vozes, 1993. 172 p.
ISBN: 85-326-1002-1
Título original: Parlament und Regierung im Neugeordneten Deutschland


Gandi, Mahatma
Palavras de paz / Mahatma Gandi. São Paulo: Cidade Nova, 1990. 88 p.
ISBN 85-7112-039-0
Título original: Worte des Friedens