Revista


O museu como tragédia, como clínica
Entre 2015 e 2017, o Goethe-Institut São Paulo organizou a série de encontros denominados Episódios Museais, reunindo curadores de museus e independentes para discutir o futuro dos museus. O texto a seguir, fracionadamente, relata os encontros como exercícios de análise institucional, ao interpretarem e questionarem as ações e devires do trabalho museológico.

Sul como crítica
Será que o Sul Global pode ser uma categoria que produz uma crítica da política econômica de produção e circulação de conhecimento?

Humboldt Spezial: Episoden des Südens

Esta edição especial da Revista Humboldt - Episódios do Sul fecha o projeto realizado pelo Goethe-Institut na América do Sul durante três anos.


„The Other Way Around“ em Essen

Em última instância, tudo o que condiciona nosso pensamento e nossa existência se encontra num estado de instabilidade. Questões são colocadas, debates iniciados, as próprias associações são questionadas criticamente. Lilly Busch reporta sobre a Trienal do Ruhr, em Essen.

NOVA(S) PERSPECTIVA(S)

A descolonização do pensamento é uma das metas declaradas dos “Episódios do Sul”. O projeto do Goethe-Institut na América do Sul reúne vozes diversas e torna visíveis as perspectivas do Sul Global. Durante a Trienal do Ruhr, artistas, sociólogos e historiadores da arte encontraram-se no espaço cultural PACT Zollverein, a fim de dialogar com objetos, abordando o tema tanto pelo viés da arte quanto pelo da música.


UTOPIAS NA SELVA

O projeto de residência “Utopias na Selva”, em Chocó, na Amazônia colombiana, convida artistas a se envolverem com a região e com a população local. Alguns dos residentes Residentinnen und Residenten vor.


Um caminho no Sul
A Treze de Maio e um retrato do Brasil

A historiadora Patrícia Oliveira passeia pela memória desta rua no bairro do Bexiga, na cidade de São Paulo, para lembrar o quanto o lugar é importante fonte de conhecimento sobre a trajetória dos negros e imigrantes na construção do país.

Existe algo como um feminismo global? Quais são os temas relevantes para as mulheres em diferentes regiões do mundo? E como é a relação entre as ativistas de distintas gerações? Sobre isso fala a filósofa ítalo-americana Silvia Federici em entrevista.

Foto: Luigi Novi CC-BY-3.0

O escritor queniano aborda seu coming out não apenas do ponto de vista sociopolítico, mas também e sobretudo sob um prisma muito pessoal.


Musa Michelle Mattiuzzi
Jota Mombaça

“É preciso oferecer algo que seja tão potente que torne possível transpor esse enorme abismo entre a elite culta e uma população sem instrução.”

Die Goethe-Institute in Südamerika sind mit mehreren Projekten an der documenta 14 beteiligt. Dazu gehört auch das in Rio de Janeiro ansässige Residenzprogramm Capacete, das Künstlerinnen und Künstlern einen zehnmonatigen Aufenthalt in Athen ermöglicht. Sechs der Residentinnen und Residenten berichten über Athen und ihre ersten Erfahrungen vor Ort.

Atlas de artistas
SOBRE FRONTEIRAS E CARTOGRAFIAS FICTÍCIAS

É possível imaginar um mundo a partir de uma perspectiva espacial e geográfica diferente? Alguns artistas criaram seus próprios mapas, usando uma variedade enorme de métodos: lugares que emergem através dos sons, países sem fronteiras ou cartografias inventadas.


Foto de Arjun Appadurai: Wikicommons Attribution 3.0 Unported (CC BY 3.0)
Arjun Appadurai:

“Percebi que a questão relevante eram ricos versus pobres”

documenta 14
Entre improvisação e brilhos distantes

Os Goethe-Instituts da América do Sul participam da documenta 14 através de vários projetos. Faz parte deles o programa de residência Capacete, com sede no Rio de Janeiro, que proporciona a artistas uma permanência de dez meses em Atenas. Oito deles relatam sobre Atenas e suas primeiras experiências por lá.


Grada Kilomba
Quando as palavras se deslocam do inconsciente colonial

A psicanalista e crítica cultural Suely Rolnik entrevista a artista portuguesa Grada Kilomba, cujos trabalhos integram a 32ª Bienal de São Paulo.

Em entrevista, o filósofo camaronês fala sobre xenofobia, nacionalismo, o lugar do estrangeiro, os perigos de “culturas únicas” e espaços de articulação para a diferença.

Geopolítica da arte: o lugar do Sul na cena mundial

Fruto da necessidade econômica de um mercado saturado no Hemisfério Norte ou resultado de um interesse real pelo genuíno, a arte do Sul vem ocupando cada vez mais espaço na cena internacional. Mas até que ponto essa inserção em um curcuito hegemônico significa de fato autonomia e independência?


América do Sul pós-colonial

Em pleno século 21, certos processos coloniais continuam evidenciando a face mais obscura de nosso passado: o racismo, o patriarcado e a submissão do outro como formas de opressão vigentes. Neste contexto, os estudos pós-coloniais se converteram não apenas em uma ferramenta de conhecimento, mas num bastião de resistência.


Sebastian Schoepp em entrevista: arriscando ser mais como o Sul?

Quando os alemães ou outros habitantes do Norte da Europa falam em Sul, eles normalmente estão se referindo ao Sul da Europa. E vislumbram sobretudo a crise que assola esta região. Esse reducionismo de pensamento aos mercados financeiros dificulta entender o que o Norte pode de fato aprender com o Sul..


Jogos do Sul: artes visuais, esporte e cultura indígena

Artistas e especialistas brasileiros e europeus tentam traçar em Palmas, durante os Primeiro Jogos Mundiais Indígenas, um panorama dos efeitos gerados por megaeventos esportivos na vida da cidade. Projeto propõe também questionamentos acerca das Olimpíadas de 2016, que acontecem no Rio de Janeiro..



Sangue

A escritora brasileira Veronica Stigger escreveu, a convite do Goethe-Institut, um ensaio para o site do projeto "Episódios do Sul". .

Nomeada curadora da 10ª Bienal de Berlim, em 2018, Gabi Ngcobo fala sobre o pós-colonialismo e a importância de revisitar a história.

Novas Diasporas Senegal: Daniel Lima e Raquel Borges

O coordenador e a diretora de produção do Episódio Novas Diásporas falam sobre a etapa do projeto que acontece no Senegal, situando essa nova estação com relação ao episódio anterior, realizado no Haiti.

Helen Sebidi: “Salvador sente saudades da África”

Uma conversa com a artista sul-africana Helen Sebidi, um dos destaques da 32ª Bienal de São Paulo.




Peter Sloterdijk e Laymert Garcia dos Santos em diálogo

Em São Paulo, o filósofo alemão Peter Sloterdijk encontrou-se com o sociólogo brasileiro Laymert Garcia dos Santos. Ambos debateram a respeito do conceito de “Sul”, bem como acerca das inúmeras reflexões e interpretações sobre o tema. Leia abaixo trechos do debate.


Suely Rolnik: A hora da micropolítica

Em entrevista, a psicanalista, teórica, crítica de arte e cultura analisa os contextos que levam ao atual desmoronamento dos governos de esquerda na América Latina, fala sobre a noção de "inconsciente colonial-capitalístico" e comenta a importância da resistência micropolítica que vem proliferando na sociedade brasileira.


re:publica 2015: O futuro vem do Sul

Encontro em Berlim, com ampla presença brasileira em sua última edição, reúne participantes do Sul global para discutir os espaços de inovação digital em diversos lugares do mundo.


“Eu achava que sabia onde fica o Sul“

Como encontrar novas perspectivas com relação à arte, à ciência e à cultura sem carregar visões eurocêntricas? Como possibilitar uma descolonização do pensamento? Com o projeto “Episódios do Sul”, os Institutos Goethe na América do Sul experimentam novas visões sobre a arte e a cultura e apontam para novos direcionamentos no diálogo entre os países do Sul global.


Um Sul sem Norte

Marina Fokidis e Solange Farkas conversam sobre os múltiplos sentidos do Sul, para além do espaço geográfico.


O céu às avessas: o conceito de Sul na literatura do Sul

O Sul literário é resultado de uma dialética colonialista, que opõe esclarecidos a selvagens, brancos a negros, civilização à barbárie?


Não existe o pós-colonial!

Que forma tomam os fantasmas coloniais? Como a colonialidade está presente na relação das corporalidades marcadas pela geopolítica da racialidade? – pergunta Jota Mombaça.


“A Europa e sua posição no mundo futuro” a partir de uma perspectiva do Sul