50 anos Goethe-Institut Porto Alegre

Brechtiana

Mirna Spritzer durante a encenação de
Mirna Spritzer durante a encenação de

                          "Só poderemos descrever o mundo atual para o homem atual na medida em que o descrevermos como um mundo passível de modificação"
(BRECHT, Bertolt. Estudos sobre Teatro. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1978)


Meus primeiros passos no palco em 1978 se deram na companhia de Bertolt Brecht e do Goethe Institut de Porto Alegre. Era a peça O casamento do pequeno burguês, com direção de Irene Brietzke para o grupo Teatro da Terra.

De lá para cá, tive a oportunidade e o prazer de aprofundar não apenas a relação com o teatro brechtiano, compreendendo como atriz e pesquisadora a dimensão de sua revolução ética, estética e política, como também a parceria pessoal e institucional com o Goethe Institut. Foram espetáculos teatrais como Mahagonny, Um homem é um homem, Happy End, Salão Grená, Noite Brecht e uma segunda versão de O casamento do pequeno burguês, de Brecht, todos com direção de Irene Brietzke. E ainda, Onde estão os meus óculos, de Karl Valentin, com direção de Miriam Amaral e Margarete e sua mãe, de Irene Brietzke. Todos com realização do Grupo de Teatro Vivo.

Foi também um mergulho profundo no gênero Peça Radiofônica – Hörspiel, com seminários, concursos de radiodramaturgia, produções internacionais e viagens de estudo. A presença profícua de profissionais da WDR, de Colônia, interagindo e promovendo trocas com os profissionais de Porto Alegre. Entre outras, produzimos a peça então inédita de Moacyr Scliar, A descoberta da América, Parte II, em duas versões, uma brasileira e uma alemã.

Em maio de 2013, recebemos em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, o 14º Simpósio da International Brecht Society. O Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - PPGAC e o Departamento de Arte Dramática- DAD, do Instituto de Artes da UFRGS, em parceria com o Goethe Institut Porto Alegre, SESC RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul, organizou e produziu o encontro que teve a duração de quatro dias e quatro noites. Espetáculos, intervenções urbanas, performances, conferências, workshops e comunicações marcaram a presença de pesquisadores, artistas e professores do Brasil e de vários lugares do mundo tais como Alemanha, Estados Unidos, Suécia, China, Japão, Inglaterra, Uruguai, Chile, Argentina e Espanha.

Tendo com tema central O Espectador Criativo: Colisão e Diálogo, o Simpósio buscou debater e problematizar o legado de Brecht para a cena contemporânea. Apresentar as múltiplas influências do dramaturgo, diretor, teatrólogo e homem de seu tempo, Bertolt Brecht, e discutir o novo papel do espectador como co-criador do espetáculo, através de sua obra, foi a marca deste encontro.

Que legado é este que se espraia por tão diferentes manifestações que incluem além das artes cênicas, o cinema, a literatura, a história, a sociologia, a performance art, as artes visuais, o rádio? Como avançar na análise das artes cênicas tendo como perspectiva a idéia brechtiana de que a arte é antes de tudo, movimento, reconhecimento de seu tempo e de seus artistas?

O Simpósio teve ainda a publicação de Anais de Comunicações registrados na Página do PPGAC/UFRGS e do livro com as conferências principais.

Pesquisadores e artistas tão diversos como Miguel Rubio Zapatta, trazendo exemplos de ações teatrais de seu grupo Yuyachkani, Ingrid Dormien Koudela, Nikolaus Müller-Schöll, Jorge Dubatti e Hans-Thies Lehmann. Este último, então presidente da International Brecht Society, reconheceu na cidade de Porto Alegre e na parceria UFRGS/ Goethe Institut, potencial para sediar e iluminar o Simpósio de 2013 como polo irradiador para a América Latina. Também nós nos reconhecemos como uma cidade brechtiana, seja pela história do Departamento de Arte Dramática da UFRGS, seja pela presença de grupos que viram na obra do dramaturgo, material para entender e provocar o mundo.

Confira a divulgação do 14. Simpósio da International Brecht Society

Hoje, em 2015, me vejo mais uma vez no palco do Goethe Institut de Porto Alegre, atuando em espetáculo da jovem dramaturga alemã, Mariana Salzmann, Língua Mãe. Mameloschn. E é desse lugar, desejado e privilegiado que desejo longa vida, outros 50 anos ao Goethe Institut de Porto Alegre.

Mirna Spritzer
Atriz. Professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFRGS.
Links relacionados