Estudar

A vida de estudante – uma experiência igual em todo o mundo?

© Raquel MagalhãesResidência universitária em Paderborn | Foto: © Raquel Magalhães

Confesso: não gostei de andar na faculdade. Ao contrário do que os mais velhos diziam que ia ser, não foram os melhores anos da minha vida. No entanto, a partir do meu semestre de Erasmus, a minha relação com os estudos superiores tornou-se muito mais fácil.

A universidade de Paderborn concentra-se num complexo de vários edifícios, na sua maioria ligados entre si. Cada um deles está identificado com uma letra gigante no exterior, com as quais os alunos gostam de tirar fotografias. Quase todos posam ao lado da inicial do seu nome, mas, caso essa letra não exista (não há edifícios suficientes para cobrir todo o alfabeto), a letra C é a grande favorita e os alunos deitam-se nela como se fosse uma lua em quarto crescente.

Não posso levar a minha mochila?

© Raquel MagalhãesNo interior, a universidade de Paderborn é um mundo. A todas as horas do dia vêem-se estudantes a correr de um lado para o outro, a estudar nas mesas disponíveis nos corredores ou a ir para a biblioteca. Os alunos alemães aplicam-se nos estudos desde o início do ano. Quase todas as mesas da biblioteca estão ocupadas todos os dias, a todas as horas, entre Setembro e Julho.

A biblioteca da universidade de Paderborn é um espaço quase sagrado, onde reina o silêncio e onde não entram sacos nem mochilas, para que nenhum livro seja levado sem a devida autorização. Já na biblioteca de Ciências da Comunicação, no Porto, a bibliotecária tem dificuldades em manter a ordem e impedir que os alunos se juntem apenas para conversar e não para estudar. Durante a minha primeira visita à biblioteca da universidade de Paderborn tive um choque, pois fui obrigada a deixar todos os meus pertences à porta, no chão, no meio de montes de mochilas e casacos. No entanto, os alunos alemães já estão tão familiarizados com este sistema, que não há roubos nem objectos desaparecidos.

O campus - uma cidade dentro da cidade


Como Paderborn tem um campus universitário a sério, com as residências a poucos metros de distância, a universidade acaba por ser uma pequena cidade dentro da cidade. Além da cantina, com uma variedade enorme de pratos que não existe em nenhuma universidade portuguesa, há ainda um pub irlandês, onde os alunos podem ir petiscar, conviver e, claro está, beber uma cerveja ou duas. E, para que ninguém precise de se deslocar à baixa de Paderborn a não ser para sair à noite, a universidade tem também à disposição um cabeleireiro! Não num edifício mais ao lado, mas mesmo dentro da universidade, para que os alunos possam mudar de visual entre a aula de História dos Media e a de Semiótica da Comunicação.

© Raquel MagalhãesE por falar em aulas, também a forma como estas são dadas é muito diferente. Em quase todas as disciplinas que tive, o professor distribuía uma compilação de textos no início do ano, e a cada semana tínhamos de ler um artigo ou um excerto de um livro para discutir na aula seguinte. Um sistema que, confesso, não é o meu favorito, mas ao qual me habituei rapidamente. Ao contrário do que se passa em Portugal, pelo menos na faculdade onde estudei, os tutores têm um papel quase tão importante como os professores e estão disponíveis para ajudar os alunos no que for preciso. Para obter equivalência a uma das cadeiras, tive de preparar uma apresentação que consistia em dar a aula sozinha. Não o teria conseguido fazer sem o apoio do tutor, que me ajudou a compreender o texto e os tópicos que teria de abordar na apresentação.

Todas estas diferenças foram, inicialmente, um choque. Mas afinal a maior parte delas foi melhor em relação a Portugal e facilitou-me a integração numa cidade absolutamente desconhecida. É por isso que o semestre que passei na Alemanha foi o melhor de toda a minha licenciatura.
Raquel Magalhães
nasceu no Porto há quase 23 anos. Estudou no Colégio Alemão do Porto e licenciou-se em Ciências da Comunicação, tendo escolhido o ramo de assessoria. Durante o curso fez Erasmus durante 6 meses na Alemanha, em Paderborn. Actualmente vive em Lisboa, é assistente editorial na Literal Azul e está a tirar o mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação, no ISCTE.

Copyright: Tudo Alemão
Abril de 2014
Língua original: Português.

     

     
     

    Migração e integração

    A migração altera culturas

    rumbo @lemania

    © rumbo @lemania
    … el portal para jóvenes nómadas

    FuturePerfect

    © Future Perfect
    Hitsórias para amanhã - hoje, em todo o mundo

    Goethe-Institut Portugal

    Bem-vindo
    à nossa
    Homepage!