Nómadas

Adepto procura clube: Parte 2 – Faz-se luz

Marco Franco© Mattis Weber

Mais uma vez, para lembrança: Eu, um entusiástico adepto de futebol do oeste da Alemanha, vivo agora em Lisboa e estou à procura de um clube de futebol que me transmita um sentimento de «casa», que ao fim de semana me alegre ou entristeça em comunhão com milhares de adeptos, que antes de um jogo me faça sentir tensão e depois orgulho ou desilusão.


Na semana passada relatei a minha experiência no estádio do Sporting, o Estádio José Alvalade XXI. Podes voltar a ler o texto aqui. Hoje escrevo sobre o Benfica e tomo a decisão: qual dos clubes ganhará um lugar no meu coração?

Benfica, clube do mundo

No domingo, dia 14/04/2019, algumas nuvens arrastam-se sobre o Estádio da Luz, no bairro lisboeta de Benfica. Está um clima agradável e suave. Em redor do estádio cheira a carne grelhada e a cerveja. Fumo de cigarro é soprado para o ar em cada canto, enquanto crianças jogam futebol em pequenos relvados ou competem no «FIFA» em consolas montadas para a ocasião no anel exterior do estádio. De grandes caixas negras sai uma música ruidosa e pesada. Reina uma atmosfera de festa popular. Cerca de 55 mil pessoas afluem ao estádio neste dia. A grande maioria veste de vermelho e branco, as cores do Benfica. De braço dado, afinam as gargantas para o jogo.

© Mattis WeberO Benfica é o maior clube de Portugal. Não são poucos os adeptos para quem o clube tem o estatuto de religião. O que na igreja é o «ámen», é aqui o «e pluribus unum». «De muitos, um», é o que significa, traduzido do latim, ou então, «a união faz a força». É o lema do clube e, sem dúvida, uma mensagem fantástica. A forma como esta variedade e abertura exibida para o exterior também corresponde à realidade, é algo que podemos deduzir muito bem de alguns números. Segundo um estudo da UEFA, 47 % dos portugueses são adeptos do Benfica. É a maior percentagem de adeptos em qualquer país da Europa! No total, o Benfica tem cerca de 231 mil sócios (dados de dezembro de 2018). Em termos numéricos, isso torna o Benfica no segundo maior clube do mundo! Só o FC Bayern de Munique tem mais sócios. Quando o Benfica marca um golo, em termos estatísticos não é só quase um em cada dois portugueses que festeja, mas também muitas outras pessoas em todo o mundo – especialmente nos países em que se fala português.

A lenda Eusébio

A estrela do futebol e herói nacional de Portugal, Eusébio, é um bom exemplo da ligação entre dois países de língua portuguesa: nascido em Moçambique, chegou ao Benfica após alguns desvios e tornou-se, desde então, venerado nos dois países. Encontro-me agora em frente à sua estátua de bronze, que o clube fez erigir junto ao estádio em homenagem à pessoa e ao futebolista Eusébio. Os adeptos acotovelam-se à sua volta e deixam-se fotografar de sorriso rasgado ao lado ou por baixo da sua representação sobredimensionada. Eusébio é um dos mais famosos e melhores jogadores de futebol que Portugal já teve. A sua morte, em 2014, resultou num luto nacional de três dias. Olho respeitosamente para ele, lá em cima, e deixo os meus pensamentos circularem pela sua movimentada vida. Há alguns anos fiz uma apresentação sobre ele numa universidade alemã, na qual mostrei um vídeo com os seus golos mais bonitos, acompanhados por uma música triste de piano. E agora aqui estou, percebendo-me a ficar um pouco sentimental.

Mas a hora aproxima-se, pelo que o deixo novamente entregue às massas e me ponho a caminho do meu lugar. Antes do jogo converso algum tempo com um vendedor de cerveja. Ele conta-me que nos estádios portugueses apenas se serve cerveja sem álcool e que, desde então, os problemas com adeptos diminuíram. Imagino brevemente como seria se isso acontecesse na Alemanha, onde a cerveja é uma relíquia nacional. Provavelmente, a proibição de cerveja com álcool não seria realizável. Mas de certeza que faria bem a um ou outro «adepto».

Faz-se luz

© Mattis WeberO meu lugar fica situado diretamente atrás da baliza. A vista para o outro lado do campo é limitada, mas em compensação quase consigo ouvir a respiração do guarda-redes à minha frente. O Benfica joga contra o Vitória de Setúbal e ao fim de 60 segundos já vence por 1-0. O jogo torna-se enérgico, e o Benfica mostra claramente quem manda logo desde o início. O mais tardar depois do 4-1, na segunda parte, por intermédio de Seferovic, ex-Eintracht Frankfurt, torna-se claro para todos quem sairá do jogo como vencedor. Alguém do outro lado do estádio acende a luz do seu telemóvel, outro imita-o. Cada vez mais luzes cintilam, até todo o estádio estar envolvido numa luz branca. Para mim é o momento de me recostar e apreciar o espetáculo.

Ainda completamente arrebatado pelo verdadeiro fogo de artifício que foi o jogo do Benfica, abandono o estádio e deixo-me conduzir apenas pelo meu coração. Queridos adeptos do Sporting, perdoem-me, mas a partir de agora sou benfiquista!
Mattis Weber
Nascido na região do Ruhr e estudante no Hesse e em Braga. Como explorador do mundo, coloca o seu foco na sustentabilidade e na proteção da natureza. Atualmente aproveita o bom tempo e a atmosfera descontraída na pulsante capital de Portugal, Lisboa.

Copyright: Tudo Alemão
Junho de 2019

Língua original: Alemão.

     

     
     

    Migração e integração

    A migração altera culturas

    rumbo @lemania

    © rumbo @lemania
    … el portal para jóvenes nómadas

    FuturePerfect

    © Future Perfect
    Hitsórias para amanhã - hoje, em todo o mundo

    Goethe-Institut Portugal

    Bem-vindo
    à nossa
    Homepage!