Quotidiano

Sobre a estilização artística de produtos avícolas – uma tradição pascal alemã

© Franziska Mollitor© Franziska Mollitor«Mamã, como faço isto, mamã, como faço aquilo?» É assim que começam muitos dos telefonemas com a minha mãe. Em muitas coisas, a mamã é simplesmente melhor do que o Google. Declarações de rendimentos não são bem a sua especialidade, mas, por exemplo, em questões culinárias ela é simplesmente imbatível. Problemas com a receita XY – a mamã conhece a solução. É extremamente prático, se querem saber! Em sentido mais lato, a minha pergunta de hoje também tem que ver com problemas culinários: «Mamã, como é que esvazio um ovo de galinha?» E ela começa por rir-se.
Tradições dos dias de meninice

Desta vez não é bem para uma receita culinária que necessito da ajuda dela, mas sim para uma tradição alemã: pintar ovos para a Páscoa. Este divertimento começa logo quando as crianças são pequenas, mal elas consigam segurar num pincel. Assim, nos últimas dias antes da Páscoa colora-se, pinta-se e cola-se até não se poder mais, para se enfeitar toda a vizinhança com os ovos mais belos ou ornamentar a mesa do pequeno-almoço de forma garrida. Não há limites para a fantasia!

Saber esquecido

© Franziska MollitorEste ano, após uma longa pausa (admito que algures durante a puberdade perdi a vontade de pintar ovos da Páscoa), decidi finalmente voltar a aderir à cena dos ovos da Páscoa de forma criativa. Costuma dizer-se que devemos manter a nossa criança interior e, se bem me lembro, esta criança sempre gostou bastante de pintar ovos. Assim, saio de casa com o objetivo de comprar tintas. Isto coloca-me logo perante o primeiro problema: a seleção absolutamente esmagadora de tintas e de formas de pintar. Segundo a minha memória, metiam-me um pincel na mão, colocavam-me algumas tintas à frente do nariz e eu podia então expressar-me criativamente nos ovos (propositadamente) e nos outros objetos que me rodeavam (não tão propositadamente). Hoje em dia tenho logo de começar por escolher se os meus ovos serão de cor pastel ou vigorosos, marmoreados ou com degradê, em visual metálico ou com padrões. É um pouco opressivo, quando, como eu, se está apenas à procura de tinta «normal». Mas no fim acabo mesmo por conseguir decidir-me.

© Franziska MollitorEm casa deparo-me então com uma nova tomada de decisão: colorir os ovos na totalidade e depois comê-los como ovos cozidos normais ou antes esvaziá-los, soprando, e pendurá-los vazios, como decoração? Quero experimentar as duas coisas e começo pela parte mais fácil, a coloração completa. Os ovos crus nadam nos seus banhos frios sem problemas e ganham cores verdadeiramente belas. Estou entusiasmada! Tendo ganho coragem, sigo o conselho da embalagem de tinta e pinto padrões num ovo ainda não colorido com uma vela, antes de o deixar afundar em águas verdes. A cera impede a coloração e assim aparece um ovo verde com padrões brancos.

Prazer complicado: a mamã ajuda!

Esta variante de coloração revela-se bem à prova de idiotas. Motivada, abordo a próxima: a alta escola de pintura do ovo vazio. E logo dou por mim sentada, e algo perplexa, em frente à minha embalagem de ovos. Como tiro a clara e a gema de dentro da casca sem a destruir completamente? A primeira tentativa, fazer um buraco com uma faca afiada, fracassa rotundamente (aqui fica um conselho para os imitadores: é melhor colocar uma tigela grande por baixo do ovo, senão fica tudo bem nojento rapidamente). É então que, como se disse, a mamã entra em jogo. Até porque ela tem comprovadamente muitos anos de experiência em decorações pascais. Um telefonema e, depois de ter começado por rir-se de mim (ninguém disse que ela revela a sua sabedoria sem exigir tributo!), ela sabe imediatamente o que fazer: pegamos num perfurador de ovos, fazemos um buraco e alargamo-lo com uma agulha. Depois fazemos também um buraco no outro lado do ovo e sopramos vigorosamente até o conteúdo total estar dentro da já mencionada tigela. Tcharan, muito fácil. Após algumas tentativas falhadas, às tantas lá apanhei o jeito e, com aguarelas, posso pintar os meus ovos com coelhos, espirais e pontos coloridos, dando-lhes um aspeto pascal.

© Franziska MollitorAssim que estiverem secos prender-lhes-ei cordéis e pendurá-los-ei em ramos de amentilho acabados de comprar (já fazem totalmente parte da tradição pascal alemã). E depois terei de explicar à minha companheira de casa que nos próximos dias faremos muitas refeições de omeletes – temos de fazer alguma coisa sensata com os restos dos ovos esvaziados!
Franziska Mollitor,
acha que com 20 e muitos anos ainda podemos pintar ovos da Páscoa, pois as tradições têm de ser respeitadas. E pedir conselhos à mamã é sempre útil!

Copyright: Tudo Alemão
Abril de 2015

Este texto é uma tradução do alemão.

     

     
     

    Migração e integração

    A migração altera culturas

    rumbo @lemania

    © rumbo @lemania
    … el portal para jóvenes nómadas

    FuturePerfect

    © Future Perfect
    Hitsórias para amanhã - hoje, em todo o mundo

    Goethe-Institut Portugal

    Bem-vindo
    à nossa
    Homepage!