Quotidiano

Febre primaveril

© Nastasia Herold© Marina HaderPhilipp disse-lhe que ia ao café habitual, jogar às cartas com os suspeitos do costume. E como era provável que bebesse uma ou duas cervejas, era capaz de passar a noite em casa de um amigo, ela não precisava de esperar por ele.
Mas, na verdade, Philipp nunca teve a intenção de ir jogar às cartas. Passou a noite toda a preparar os vários utensílios, mosquetões, cordas grossas e, obviamente, a árvore. Depois deitou-se para dormir um par de horas. Mas agora, às duas e meia da manhã, já está novamente bem acordado. O seu melhor amigo está quase a vir buscá-lo, para o ajudar na sua missão noturna.


Juntos carregam tudo para o atrelado, e partem, em direção ao sul. Não falam muito durante a viagem, ambos sabem o que é preciso fazer, que cada movimento deve ser perfeito, de outra forma teria sido tudo em vão. Um pouco antes da vivenda branca começam a andar mais devagar, desligam o motor e deixam o carro rolar os últimos metros. Entram na propriedade, que conhecem na perfeição. Realizam o seu trabalho em silêncio e ainda antes da alvorada voltam a partir sem serem vistos...

© Marina HaderO que dá a impressão de ser uma ação nos limites da legalidade é, na verdade, uma tradição inofensiva, que tem raízes sobretudo em partes da Suábia bávara e da Alta Baviera. O trabalho que Philipp realizou com o seu amigo durante a noite, e que pode ser apreciado por todos após o nascer do sol do dia 1 de maio, é uma arvorezinha de maio para a namorada de Philipp, Julia. Esta, quando abrir a janela depois de se levantar e descobrir a arvorezinha, ficará bastante contente, pois uma árvore de maio é uma expressão de grande afeição: quem está apaixonado (mas ainda não está casado e, por isso, ainda se encontra na fase de candidatura) «planta» ao amado ou à amada* uma arvorezinha de maio na noite do primeiro dia do mês. Uma árvore de maio [Maibaum, em alemão] destas, também chamada de «Moala» em bávaro, é, em regra, uma bétula jovem, ainda suficientemente leve para poder ser bem levantada e colocada. Os seus ramos são enfeitados com pequenos laços de papel colorido, sendo que a extensão desta decoração de papel, juntamente com o tamanho da árvore, é considerada um indicador da dimensão da afeição e do amor. Assim, não é raro que esta situação conduza a inveja ou até a escárnio entre as jovens senhoras e os jovens cavalheiros de uma aldeia.

Muitas vezes, um coração enfeitado com um nome na árvore de maio identifica a eleita. É que, quando não existe nenhum nome na árvore, pode facilmente acontecer que alguém que não tenha querido ter todo o trabalho com a arvorezinha ainda a roube antes do nascer do sol e a plante sem rodeios para a sua própria amada. Por esta razão, é recomendável plantar a arvorezinha de maio apenas um pouco antes do nascer do sol.

© Marina HaderMas não é apenas de forma privada que são colocadas árvores de maio em muitas regiões da Alemanha. Em inúmeras vilas e aldeias, todos os anos, por ocasião do primeiro de maio, é colocada pelas autoridades municipais uma árvore ornamentada no centro da povoação, habitualmente nas cores branca e azul. Muitas vezes, a colocação da árvore de maio é também acompanhada de uma festa própria, isto é, com cerveja e danças tradicionais populares. Na maior parte dos locais estas árvores ficam de pé o ano inteiro – são desmontadas apenas um pouco antes do dia 1 de maio seguinte, para então poderem ser colocadas de novo.

As pequenas arvorezinhas de maio, por sua vez, ficam de pé apenas até ao dia 1 de junho: nesse dia a destinatária volta a desmontá-la. E se a destinatária da arvorezinha de maio também estiver afeiçoada ao plantador da sua árvore, este recebe em troca, pelo seu esforço, um convite para almoçar ou jantar – e, na maior parte dos casos, também um beijo. E se alguém plantar uma arvorezinha de maio à mesma pessoa durante três anos seguidos, no quarto ano elas devem casar-se; pelo menos é isso que exige a tradição.

* Na realidade, são sobretudo os homens que plantam arvorezinhas de maio às mulheres. Como é óbvio, qualquer outra combinação é admissível no que toca a plantar estas árvores. Por motivos de legibilidade, neste artigo concentro-me na combinação mais habitual.
Marina Hader,
que cresceu no campo, na Baviera, só aprendeu à distância a apreciar devidamente as curiosidades e os costumes da sua bela terra natal.

Copyright: Tudo Alemão
Abril de 2016

Este texto é uma tradução do alemão.

     

     
     

    Migração e integração

    A migração altera culturas

    rumbo @lemania

    © rumbo @lemania
    … el portal para jóvenes nómadas

    FuturePerfect

    © Future Perfect
    Hitsórias para amanhã - hoje, em todo o mundo

    Goethe-Institut Portugal

    Bem-vindo
    à nossa
    Homepage!