Meine Schwester Sara

Resumo

A minha irmã Sara

Ruth Weiss
Meine Schwester Sara
Augsburg: Maro-Verlag, 2002
257 S.
ISBN 3-87512-260-7
Livro de bolso: Deutscher Taschenbuchverlag, 2004
Para maiores de 14 anos de idade




Pouco depois de terminar a 2ª Guerra Mundial, Sara Lehmann, de quatro anos de idade, chega de barco à África do Sul, acompanhada de outras crianças órfãs provenientes da Alemanha. Ela é adoptada e carinhosamente acolhida pela família de boérs Leroux. O pai está encantado com a linda filhinha loura e de olhos azuis que encomendou, sobretudo com o seu puro sangue alemão, muito cortejado pelos seus compatriotas. Devido à chegada tardia da documentação da menina, o pai só posteriormente se apercebe que Sara é uma criança judia. Como rigoroso pai de família, membro da igreja reformista e do governo de apartheid bem como dos Broeredbondes, torna-se-lhe impossível continuar a nutrir amor por esta criança, privando-a de imediato de qualquer tipo de afecto, sem porém a esclarecer sobre o motivo da sua mudança de atitude.

A tarefa de se ocupar de Sara recai no irmão mais velho, Jo. Ao arrumar a casa, já velho e com leucemia, Jo encontra uma fotografia de Sara o que o leva a narrar a história da sua vida.

O romance descreve a vida de Sara, os seus conflitos com o sistema do apartheid, as suas experiências no seio da família, na escola e na universidade. Apenas muito mais tarde – durante um processo em tribunal onde era acusada de infringir a lei do apartheid – é que Sara vem a ter conhecimento das suas origens judias e a sua história sofre uma viragem trágica.

Rolf Annas, 2011
tradução de Fernando-Cesário de Almeida

    Comentário

    Ruth Weiss: Meine Schwester Sara
    (A minha irmã Sara)

    Este romance juvenil, editado em 2002 pela editora Maro Verlag, é, sem dúvida, também recomendável para adultos. Ele é baseado em factos históricos e cobre basicamente o período que vai de 1948, ano em que o Partido Nacional chega ao poder na África do Sul, até à revolta no Soweto, em 1976. Porém, como a história só nos é contada em 2000, também se transmitem ao leitor algumas informações sobre o fim do regime apartheid, na década de noventa. Um painel histórico e um glossário com explicações sobre expressões sul-africanas, pessoas e instituições que muito ajudam o leitor no seu processo de familiarização com a matéria.

    “A minha irmã Sara” é o romance com mais sucesso de Ruth Weiss. Nos últimos anos foi selecionado como leitura escolar nalguns dos Estados Federados da Alemanha. Com reduzida sentimentalidade e sem pretensões instrutivas, o romance é feliz na sua abordagem do tema racismo e no estabelecimento de um elo de ligação entre a perseguição dos judeus na Alemanha e o sistema de apartheid na África do Sul.

    Ruth Weiss problematiza, por um lado, a importação de ideias nacional-socialistas para a África do Sul, como mostra o exemplo das crianças órfãs inocentes. Na realidade, em 1948, chegou à África do Sul um grupo de 83 crianças com idades compreendidas entre os dois e os catorze anos a fim de levar para o povo dos Africaner “sangue fresco, germânico e ariano”. Por outro lado, a sua principal intenção foi mostrar ao que conduz o racismo, quando tanto Sara, que nasceu judia, como também a população negra do país, devido às suas origens, são tratados por forma diferente e considerados como seres inferiores. A amplitude de consequências desta discriminação torna-se nítida no momento em que Sara, que não se sente culpada e não compreende porque é tratada por forma diferente, motivada pelo seu apurado sentido de justiça, se torna ativista no movimento antiapartheid e é obrigada a fugir da África do Sul. O conflito entre Sara e o seu pai adoptivo chega ao cúmulo de este a denunciar à polícia, por ter tido relações com o seu namorado negro e assim violado as leis do apartheid, e de, no processo em tribunal, se pronunciar em seu desfavor.

    O patriarca Dr. Zacharias Leroux é o chefe da família. O que ele diz, transforma-se em ditado, o mesmo acontecendo com a política racista por ele seguida no exercício da sua função de secretário de estado. A sua crença na educação cristã-nacionalista e na autenticidade do apartheid, é para ele baseada em valores divinos e irrefutáveis. Assim sendo, o facto de denunciar a sua própria filha, foi apenas uma coerente consequência dos princípios por ele seguidos.

    Interessante também é a estrutura do romance. A narração é feita segundo a perspectiva do irmão Jo, que já velho e ao arrumar a sua casa, depara com uma fotografia de família na qual também se encontra Sara. Durante um dia conta a história da sua vida, estreitamente entrelaçada com a sua própria história até ao relacionamento amoroso, impedido de ser consumado, pelo facto de ela lhe ter confessado demasiado tarde que sempre esteve apaixonada por ele.

    O romance não tem um happy end. Morrem três dos protagonistas. Primeiro, o namorado de Sara, o jovem e promissor escritor Adam Simunya é abatido pela polícia. Depois, são Sara e o seu pai que morrem durante a revolta no Soweto. Apenas na morte, como vítima do conflito causado pelo apartheid, estão ambos de novo juntos, no momento em que são identificados pelo irmão Jo, na câmara mortuária.

    Seguramente, é  a própria autora Ruth Weiss que no romance, como psicanalista, afirma: “Podem-se transmitir valores errados às pessoas, sobretudo quando se trata da juventude … e podem-se matar pessoas quando estas, como seres humanos, são carimbadas de seres desumanos e classificados de escória parasita” (pág. 184). Não só para incentivar um debate entre alunos escolares sobre valores como também para relembrar os adultos no seu comportamento social e na abordagem do tema com os seus próprios filhos, este romance tem uma importante função a cumprir, E, simultaneamente, a sua leitura é ainda muito arrebatadora.

    Rolf Annas, 2011
    tradução de Fernando-Cesário de Almeida

      Links

      dtv: Ruth Weiss – Meine Schwester Sara   deutsch

      Informações da editora com biografia, bibliografia, ecos de imprensa e ajudas para a interpretação

      dtv: Unterrichtsmodelle   deutsch

      para descarga gratuita: modelo didático destinado a professores, sobre „Minha irmã Sara“; requer-se registo (gratuito)

      literaturzirkel.eu   deutsch

      excerto do áudio-livro, retrato do narrador Matthias Werner

      WOZ – Die Wochenzeitung   deutsch

      Relatório da autora sobre as suas visitas a escolas alemãs e as conversas que aí tiveram lugar sobre o seu livro