Acesso rápido:
Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)
Cut it out - Filme gegen Zensur | Rachel Leah Jones Rachel Leah Jones | © Philippe Bellaiche

Cut it out – Filmes contra a censura

Realizadores de 20 países produzem filmes contra a censura. Cada filme, com a duração máxima de 45 segundos, deixa uma marca de solidariedade a todas as pessoas dos países que sofrem de restrição da liberdade de imprensa e deixa um sinal de alerta, ao perigo da censura que também ameaça as sociedades liberais.

Por iniciativa do Goethe-Institut, realizadores renomados de 20 países, produzem filmes de curta-metragem de duração máxima de 45 segundos, contra a censura. Estes filmes deixam um visível sinal de solidariedade para as pessoas que vivem nos países em que a liberdade de expressão é limitada. Eles chamam a atenção ao perigo da censura que também é uma ameaça nas sociedades chamadas liberais.

No arranque internacional deste projecto, os primeiros 14 filmes serão publicados e difundidos por meios de comunicação de redes sociais. Outros filmes seguirão no decorrer das próximas semanas. O canal televisivo franco-alemão ARTE foi conquistado como parceiro media deste projecto.

Os realizadores envolvidos no projecto são oriundos de: Angola, Bósnia & Herzegovina, Brasil, China, Alemanha, Geórgia, Grã-Bretanha, Indonésia, Israel, Áustria, Filipinas, Polónia, Roménia, Rússia, Tailândia, Rep. Checa, Túrquia, Hungria, EUA e Vietnam.
O director de um museu é exonerado porque a sua abordagem não atende aos requisitos da historiografia nacional. Uma universidade liberal perde a sua licença sem uma justificação plausível. Uma entidade de apoio ao cinema, é forçada pelo Ministério da Cultura, a nomear professores que subscreveram uma lista de filmes considerados politicamente impopulares. Um jornalista investiga a suspeita de corrupção no estado e é confrontado com ameaças de um processo.
 

Nós somos os novos


Há muito tempo que eles são “velhos conhecidos” das autocracias clássicas - a supressão da dissidência política, opiniões divergentes, contraposições. No entanto enquanto isso, a censura é cada vez mais utilizada pelos estados, como um instrumento político-cultural que se diz democrático. Isto acontece com o recorrer a requisitos de nível superior, mas geralmente com intenções diferentes. David Kaye, relator especial da ONU para Liberdade de Expressão, disse no final de 2016: "Estou particularmente preocupado com a utilização, por parte dos governos, de razões legítimas para certas restrições - como da defesa da segurança nacional ou da ordem pública ou dos direitos gerais de personalidade - como porta-estandarte para colocar, opiniões ou críticas impopulares do Estado e de seus representantes, debaixo de fogo. "Perante imensos desafios políticos e sociais, tecnológicos e ambientais no mundo, a liberdade de expressão parece se tornar um bem dispensável aos olhos de muitas pessoas. Mas este ponto de vista primário, redutor é enganoso. A liberdade de expressão e a liberdade artística são indispensáveis para moldar o futuro. Elas são a base para processos de troca, sem os quais os grandes desafios, presentes e futuros, não podem ser alcançados.
 

O rei a caçar


Quando questionado sobre o fenómeno da censura, um dos realizadores participantes, Temur Butikashvili relembrou o príncipe, monge, diplomata e escritor, do século 18 na Geórgia, o Sultão-Saba Ordeliani, que escreveu a fábula "O rei e o pintor". Nela, o autor fala de um reino cujo governante, certa vez, desejou um autorretrato. Foi chamado um pintor que ficou desesperado perante tal responsabilidade, pois o rei era cego de um olho. "Se eu o pintar com os dois olhos saudáveis", pensou o pintor, "serei acusado de mentir. Porém, se o pintar com um só olho, irei provocar a sua ira - Estou condenado a morrer!" Enquanto o artista peleava com o seu destino, foi invadido por um pensamento! Ele pintou o rei, cuja paixão pela caça era bem conhecida, com uma espingarda na mão enquanto apontava e fechava o outro olho. Esse quadro satisfez o rei e manteve o pintor com vida.

Filmes

Cut it out - Filmes contra a censura | Geração 80 Cut it out - Filmes contra a censura | Geração 80

Geração 80

Angola | 2018 | Inglês

"Não olhes, senão vês."

A Geração 80 é um colectivo angolano formado por directores, fotógrafos, produtores e outros criativos que querem inspirar a nova geração. A Geração 80 já realizou os documentários El Último País (2017) e Do Outro Lado do Mundo (2016), além de curtas-metragens, comerciais e videoclipes.

Cut it out - Filmes contra a censura | Dan und Noit Geva Cut it out - Filmes contra a censura | Dan und Noit Geva

Dan e Noit Geva

Israel | 2018 |
Hebraico com l​egendas em inglês

"Os assassinatos são a forma extrema da censura" - George Bernard Shaw


Dan e Noit Geva são conhecidos como documentaristas por um olhar crítico sobre as realidades complexas em Israel. O resultado são filmes como Footsteps in Jerusalem (Passos em Jerusalém, 2013), Description of a Memory (Descrição duma Memória, 2005) e What I saw in Hebron (O que eu vi em Hebron, 1999). Dan leciona estudos documentários no Beit-Berl College e é pesquisador associado na Universidade de Haifa.
 

Cut it out -  filmes contra a censura | Mischa Leinkauf Cut it out - filmes contra a censura | Mischa Leinkauf

Mischa Leinkauf

Alemanha | 2019 |
Inglês

"Oprimido e trancado. Nunca cale a boca. "


Mischa Leinkauf nasceu em 1977 em Berlim Oriental. Artista de ação e cineasta que ganhou fama internacional depois de ingressar na ponte de Brooklyn em Nova York em 2014 com o seu colega Matthias Wermke e trocar as bandeiras nacionais por duas bandeiras brancas. O seu filme Symbolic Threats (Ameaças Simbólicas), que documenta as reações da mídia nas horas e dias que se seguiram, ganhou inúmeros prêmios.

Cut it out - Filmes contra a censura | Radu Jude Cut it out - Filmes contra a censura | Radu Jude

Radu Jude

Roménia | 2019 |
Romeno com legendas em inglês

"Não é possível encontrar a história reprimida em museus; tem que procurá-la em fotografias, ou nas obras de historiadores, ou em obras de arte ou em filmes."

Radu Jude, nascido em 1977, começou como assistente de direção de C. Costa-Gavras. A sua longa-metragem Aferim, premiada com o Urso de Prata na Berlinale 2015, lida com várias formas de preconceito. O seu filme mais recente, A comédia trágica I Do not Care if We Go Down in History as Barabrians (Eu não ligo se formos para a história como bárbaros), é um confronto com a cumplicidade romena no Holocausto e recebeu o principal prêmio  no Festival de Cinema de Karlovy Vary em 2018.

Cut it out – Filmes contra a censura | Jasmila Zbanic Cut it out – Filmes contra a censura | Jasmila Zbanic

Jasmila Zbanic

Bósnia e Herzegovina | 2018 | Sérvio com legendas em inglês

"A censura é a supressão de palavras, ações, pensamentos, idéias."

Jasmila Zbanic, nascida em 1974, estudou na academia de artes cênicas em Sarajevo. Em 2006, a sua estréia no cinema O segreto d'Esmas - Grbavica foi premiada com o Urso de Ouro na Berlinale. Fala das consequências da guerra na Bósnia, a sua terra natal. A sua segunda longa-metragem Na putu (á caminho) é uma exploração do fundamentalismo islâmico.

Cut it out - Filmes contra a censura | Haim Sokol Cut it out - Filmes contra a censura | Haim Sokol

Haim Sokol

Rússia | 2018 | Russo com legendas em inglês

"Onde os livros são queimados, nos tornamo-nos palavras."


Haim Sokol, nascido em 1973, estudou em Jerusalém e Moscou, onde agora vive e trabalha como artista de instalações e vídeos. O seu trabalho foi exibido muitas vezes na Rússia e também internacionalmente. A obra do Haim Sokol se move ao limite da fantasia, mas sempre à base de eventos históricos do séc. XX na Rússia e na europa oriental. Reflete sentimentos de alienação, isolamento e comunicação perturbada.

Cut it out - Filmes contra a censura | Shireen Seno Cut it out - Filmes contra a censura | Shireen Seno

Shireen Seno

Filipinas | 2018 | Inglês

"Que tal um beijo?"
- Rodrigo Duterte

Shireen Seno nasceu em 1983. No seu trabalho lida com a memória, a história e o surgimento de imagens e coloca isso no contexto da idéia abstrata de lar. O seu filme Big Boy (2012) ganhou o prêmio na categoria de melhor primeiro filme no festival Cinema Lima Independiente, e em 2018 recebeu o prêmio NETPAC de Melhor Filme Asiático pelo filme Nervous Translation (tradução nervosa).

Cut it out – Filmes contra a censura | EDWIN Cut it out – Filmes contra a censura | EDWIN

EDWIN

Indonésia | 2018 | indonésio

"Nós encorajamos a autocensura baseada nos nossos valores morais." -
 Painel de censura indonésio

Edwin nasceu em 1978 e estudou cinema no Instituto de Artes de Jakarta. o seu filme "A Noite da Girafa" (2012), para o qual também escreveu o roteiro, foi a primeira contribuição indonésia na  Berlinale depois 50 anos.

Cut it out –  Filmes contra a censura | Bence Fliegauf Cut it out – Filmes contra a censura | Bence Fliegauf

Bence Fliegauf

Hungria | 2018 | Inglês

"Nenhum dos nossos filmes reflete o clima político actual da Hungria.” 

Nascido em 1974, Bence Fliegauf nunca frequentou uma escola de cinema. Já ganhou numerosos prêmios com o seu trabalho, no qual aborda questões sociais e tabus dos nossos tempos. A sua longa-metragem "Just the Wind" sobre uma série de assassinatos de pessoas do povo Rom na Hungria, ganhou o Grande Prêmio do Júri no Festival Internacional de Cinema de Berlim de 2012.

Cut it out –  Filmes contra a censura | Rebecca Baron Cut it out – Filmes contra a censura | Rebecca Baron

Rebecca Baron

EUA | 2018 | Inglês

 “A minha obra frequentemente trata do não-dito ou do indizível.”

Nascida em 1968, Rebecca Baron explora nos seus líricos ensaios fílmicos questões relativas à sociedade contemporânea e à construcção da história. Participou da exposição internacional de arte contemporânea "documenta 12" e dá aulas no Instituto de Artes da Califórnia.

Cut it out –  Filmes contra a censura | Pimpaka Towira Cut it out – Filmes contra a censura | Pimpaka Towira

Pimpaka Towira

Tailândia | 2018 | Inglês

“Faço filmes para refletir o que penso sobre a situação na Tailândia.”

Nascida em 1967, Pimpaka Towira é a primeira mulher do cinema tailandês a conseguir ser internacionalmente reconhecida. A sua primeira longa-metragem One Night Husband (2003) estreou no Festival Internacional de Cinema de Berlim e foi exibida em muitos festivais de cinema nacionais e internacionais. Em 2007, filmou uma série de curtas apresentando cineastas e artistas que protestam contra a censura. O Ministério Tailandês da Cultura homenageou-a com o Prêmio Silpathorn nacional de 2009.

Cut it out –  Filmes contra a censura | Piotr Wysocki Cut it out – Filmes contra a censura | Piotr Wysocki

Piotr Wysocki

Polônia | 2018 | Inglês

“Usa o discurso do ódio para restringir liberdades civis.”

Nascido em 1976, Piotr Wysocki estudou na Academia de Belas Artes de Varsóvia. Nas suas curtas, videoinstalações, acções, performances e nos documentários, analisa os pontos fracos e as lutas de pessoas que são confrontadas com a realidade no contexto de condições culturais, padrões sociais, ou as desafia a entrar conjuntamente em ação. Seu curta Aldona foi exibido em vários festivais internacionais de documentários.

 Cut it out – Films against Censorship | Temur Butikashvili Cut it out – Films against Censorship | Temur Butikashvili

Temur Butikashvili

Georgia | 2018 | Georgiano c/ subtl. ingl.

"Obrigado e voltem sempre!"


Nasceu em 1961. Vários filmes de longa e curta-metragem, documentários e Telefilmes, que se distinguem pela mistura de um olhar astuto sobre a sociedade e de um humor muito individual. 2009, foi bolseiro do programa cultural de Berlin promovido pela DAAD.

 Cut it out – Filmes contra a censura | Rachel Leah Jones Cut it out – Filmes contra a censura | Rachel Leah Jones

Rachel Leah Jones

EUA / Israel | 2018 | Inglês

"O silêncio é traição."


Nasceu em Berkeley, cresceu em Telavive. Estudou sociologia e licenciou-se em Media Arts Production. Os seus filmes documentários trazem, geralmente, uma componente de crítica social: 500 Dunam On the Moon, Gypsy Davy und Roshmia. Participa em projectos Media progressivos em Telavive, Jerusalém e Nova Iorque. Sobre as suas qualidades mais importantes como realizadora diz: „Fome depois da complexidade, um pendor para a fúria, uma profunda inclinação para a verdade“

Cut it out - Films against Censorship | Ana Luiza Azevedo Cut it out - Films against Censorship | Ana Luiza Azevedo

Ana Luiza Azevedo

Brasil | 2018 | Português c/ subtl. ingl.

"Manifestos são suprimidos, eles querem um país de censura"
– Cristal Rocha, Brasil

Nasceu em 1959. Estudou Belas-Artes. Co-fundadora da produtora “Casa de Cinema de Porto Alegre”. Desde 1984 guionista e realizadora de cinema e TV. Foi premiada, variadas vezes, em múltiplos festivais internacionais de cinema, pela sua versatilidade. Entre os seus trabalhos mais importantes estão: Barbosa (1988), Ventre Livre (Liberation, 1994) e Antes que o mundo acabe (Before the world ends, 2009).

 Cut it out – Films against Censorship | Wang Wo Cut it out – Films against Censorship | Wang Wo

Wang Wo

China | USA | 2018 | Chines / Inglês

"Se somos mudos, perdemos a nossa voz."


Nasceu em 1967. Estudou Design gráfico e comunicação visual na Uni. Tsinghua. Desde 2008, é docente na Esc. De Cinema Li Xianting. Os seus filmes documentários e curtas-metragens, produzidos para alcançar um público numeroso, abordam temáticas sociais e políticas da actualidade. A Filmless Festival (2015) documenta a dissolução violenta, por parte de forças policiais, do 11º. Independent Film Festival de Pequim.

Cut it out – Films against Censorship | Anat Even Cut it out – Films against Censorship | Anat Even

Anat Even

Israel | 2018 

"A autocensura entre os cidadãos está crescendo cada vez mais".


Nasceu em 1960. Estudou Arte e Realizaçãonos EUA. Desde 1992 documentarista e produtora. Em 2001, ganha o prémio principal no Filmfestival em Leipzig com o filme Asurot (Eingeschlossen). Trata, de várias formas nos seus filmes documentários, a História e o presente do estado de Israel e do conflito israelo-palestiniano: „Sou uma pessoa e uma realizadora política. Não consigo olhar pela janela sem este ponto de vista.“

 Cut it out – Films against Censorship | Aysun Bademsoy Cut it out – Films against Censorship | Aysun Bademsoy

Aysun Bademsoy

Alemanha | Turquia | 2018 | Turco c/ subtl. ingl.

"A censura tem muitos rostos."

Nasceu em 1960. Estudou publicidade e ciências do teatro. Fez, desde 1989 numerosos filmes documentários sobre temáticas interculturais, como por exemplo sobre polícias alemães ou futebolistas com passados de emigração. Os seus filmes foram exibidos várias vezes na Berlinale. Sobre a identidade cultural afirma: „Somos transformadas em turcas.“

Cut it out - Films against Censorship | J.P.Sniadecki Cut it out - Films against Censorship | J.P.Sniadecki

J. P. Sniadecki

EUA | 2018 | Chines / Inglês

"A censura não pode apagar os sinais de opressão".


Nasceu em 1979. Antropóloga e Cineasta. Trabalha na China e nos EUA. Os seus filmes são parte da coleção do Museu para a arte Contemporânea em Nova Iorque e São Francisco. Foram exibidos na Whitney Berlinale, na Shanghai Biennale, no Guggenheim entre outros tantos festivais de cinema. Co-fundador da colectânea de filmes independentes chineses, Cinema on Edge. Disse em 2017: „Muitos dos meus filmes nascem com uma reação a um sítio.“

Cut it out – Films against Censorship | Petr Vaclav Cut it out – Films against Censorship | Petr Vaclav

Petr Vaclav

França | Rep. Tcheca | 2018 | Francês c/ subtl. ingl.

"E nós? Público, ouvintes, leitores? O que estamos fazendo nós?


Nasceu em 1967. Estudou realização na FAMU em Praga. Os seus filmes de ficção e os seus documentários foram exibidos e premiados nos festivais internacionais de cinema mais importantes. A temática dos filmes é muitas vezes um confronto doloroso com a realidade. Nikdy nejsme sami (We are not alone, 2016) recebeu o prémio do público na Berlinale: „Quis mostrar um mundo onde a liberdade das pessoas fosse muito relativa.“

  Cut it out – Films against Censorship | Avi Mograbi Cut it out – Films against Censorship | Avi Mograbi

Avi Mograbi

Israel | 2018 | Hebraico c/ subtl. ingl.

"De vez em quando podias calar a boca, certo?"


Nasceu em 1956. Desde 1989 fez vários filmes documentários experimentais segundo a tradição do cinéma vérité. Expões se, de um ponto de vista crítico com a política do seu país. Participou em vários festivais de cinema como; Cannes, e recebeu variadas premiações internacionais. Co-fundador da organização dos Direitos Humanos de israel Breaking the Silence. Afirma sobre o seu trabalho: „Alguns gostam de se ver como moscas inertes numa parede Manche. Eu vejo-me como uma mosca na sopa – de engajamento completo.“  

  Cut it out – Films against Censorship | Thi Nguyen Cut it out – Films against Censorship | Thi Nguyen

Thi Nguyen

Vietnam | 2018 | Inglês

"Solidariedade não-curada".

Nasceu em 1973. Realizadora e artista védeo. A história complexa e traumática do Vietname está no cerne da sua produção. O seu filme documentário mais conhecido, Love Man Love Woman (2007), fala sobre a situação dos homens homossexuais no seu país. Em 2009 fundou o HanoiDocLab, uma instituição d ensino para filmes documentários. Em 2015 foi bolseira do programa cultural em Berlim da DAAD. Sobre as suas pesquisas afirma: „Não é fácil ser uma documentarista independente no Vietname, dificilmente temos acesso aos arquivos históricos ou outros.“

 Cut it out – Films against Censorship | Nikolai Nasedkin Cut it out – Films against Censorship | Nikolai Nasedkin

Nikolai Nasedkin

Russia | 2018 | Inglês

"O verdadeiro lugar da liberdade só pode existir em te mesmo."


Nasceu em 1954. Estudou pintura de 1970 a 1974. Desde 1982 participou em várias exposições individuais e colectivas. Desenho, pintura, instalações e nos últimos tempos trabalhos vídeo numerosos. Um dos focos do seu trabalho tem sido o tema, lembrança, recordação, memória: „Enquanto não nos confrontarmos com o horror do estalinismo, nunca seremos livres.”

 Cut it out – Films against Censorship | Popo Fan Cut it out – Films against Censorship | Popo Fan

Popo Fan

China | 2018

"Esperamos que a censura de filmes em público seja questionada."

Nasceu em 1985. Realizador e activista. 2017 Participou na Berlinale Talents. As temáticas são; LGTB-Visibilidade no Cinema como o matrimónio homossexual (New Marriage), transsexualidade (Be A Woman) e feminismo (The VaChina Monologues). Organiza o Beijing Queer Film Festival. Quando em 2014, o seu documentário Mama Rainbow desapareceu da internet chinesa, levou a censura estatal a tribunal: „A nosa esperança reside em conseguir que a censura de filmes seja questionada publicamente.“

  Cut it out – Films against Censorship | Phil Mulloy Cut it out – Films against Censorship | Phil Mulloy

Phil Mulloy

Grã-Bretanha | 2018 | Inglês

"Nós escondemos essas coisas de nós mesmos."


Nasceu em 1948. Estudou pintura e realização. Trabalha como artista de animação desde os anos 80. Utilizando um estilo minimalista, grotesco e distorcido aborda problemáticas sociais, Granjeia muitos louvores, distinções bem como recusas enraivecidas pelos seus filmes de animação de curta e longa-metragem: „Há pouco tempo, um filme meu foi classificado tanto de brilhante como de lixo – isso é excelente!”

Cut it out – Films against Censorship | Didi Danquart Cut it out – Films against Censorship | Didi Danquart

Didi Danquart & Bastian Klügel

Alemanha | 2018 | Inglês
a partir de 18 anos

Didi Danquart: Nasceu em 1955. Estudou psicologia e sociologia. A sua trilogia Deutsche Conditio Humana I-III confronta-se, ficcionalmente, com múltiplas facetas do passado alemão e compõe, comum conjunto de mais outros 20 filmes documentais, o núcleo da sua obra.
Bastian Klügel: Nasceu em 1986. Desde 2015 é produtor independente, realizador e autor, fundador da produtora, Klügel & Reichel GbR.


Partner

© ARTE