Novembro 10. 2017 Alemanha busca profissionais brasileiros

Alemanha recruta profissionais brasileiros
© Colourbox

A Agência Federal para Emprego (Bundesagentur für Arbeit), maior órgão do governo alemão, está pela primeira vez em busca de profissionais brasileiros qualificados cujos perfis estão em falta no território germânico. No evento “Quero Trabalhar na Alemanha!”, realizado no Rio de Janeiro (06.11) e em São Paulo (10.11), o Escritório Central de Intermediação Internacional e Profissional (ZAV) fez entrevistas e orientou candidatos em relação aos trâmites burocráticos necessários para a imigração no país. 

Um dos principais desafios para os brasileiros é o idioma: para concorrer às vagas é preciso ter conhecimento a partir do nível B2 do Quadro Europeu Comum de Referência de Línguas (QECR). Diante disso, o Goethe-Institut Rio de Janeiro acaba de lançar o curso especial “Alemão: do A1 ao B2 em 10 meses”

“Criamos o curso especial para os profissionais das áreas sinalizadas pela agência que desejam emigrar para a Alemanha ainda em 2018. Nos nossos cursos regulares, mesmo combinando módulos Superintensivos e Intensivos, o tempo para um aluno chegar ao nível B2 era de, no mínimo, dois anos e meio. Esta pode ser uma oportunidade única de ganhar experiência internacional”, explica Susan Zerwinsky, vice-diretora geral e diretora de ensino do Goethe-Institut Rio de Janeiro.

O novo curso começa em janeiro. O Goethe-Institut, instituição sem fins lucrativos que recebe verba do governo alemão para promover o intercâmbio cultural entre a Alemanha e os diversos países, realizou uma experiência piloto com uma turma de enfermeiras este ano. Mais de 10 profissionais conseguiram avançar até o nível B2 do idioma e já estão trabalhando em hospitais no país germânico. As entrevistas de emprego foram surgindo ao longo do curso.

Segundo dados de julho de 2017, registrados pela Bundesagentur für Arbeit, a taxa de desemprego na Alemanha é de 5,6%, índice bastante baixo. A agência tem em seu banco 750.346 vagas em aberto e estima que esse número corresponda a apenas um terço de todas os postos ociosos no país, já que as nem toda empresa recorre ao serviço do órgão – que é gratuito, totalmente custeado pelo governo alemão. As áreas especialmente carentes de profissionais qualificados no país são:
 

  • Engenheiros (algumas especialidades, por ex: de automação e elétricos);
  • Técnicos (ex: de aquecimento e de climatização e do setor metalúrgico)
  • Especialistas em TI
  • Médicos (embora haja desafios na validação do diploma)
  • Cuidadores de idosos
  • Enfermeiros
Assista à palestra que o Goethe-Institut fez no evento "Quero Trabalhar na Alemanha!":
 

Assista à parestra da Bundesagentur für Arbeit no evento "Quero Trabalhar na Alemanha!":
 


Fale com a Bundesagentur für Arbeit pelo e-mail: brasil@arbeitsagentur.de