Acesso rápido:
Ir diretamente ao contéudo (Alt 1)Ir diretamente à navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente à navegação principal (Alt 2)

Março 08. 2018
Dia da Mulher: exemplos da força feminina alemã

Dia da Mulher
Goethe-Institut Rio de Janeiro

O Dia da Mulher é a data para lembrarmos das personalidades que fizeram história e mostraram o quão longe as mulheres podem ir, apesar dos desafios impostos no caminho. Na Alemanha, há muitos exemplos para serem homenageados. Escolhemos quatro:

Rosa Luxemburgo

Filósofa e economista, Rosa Luxemburgo ganhou notoriedade mundial por se engajar na militância marxista, assumindo papel de destaque no movimento da esquerda revolucionária. Embora tenha nascido na Polônia, em uma abastada família judia, mudou-se para Berlim e naturalizou-se alemã em 1898. Em 1913, publicou o tratado de economia “A Acumulação do Capital”. Durante a Primeira Guerra Mundial, fundou o jornal Die Rote Fahne (A Bandeira Vermelha). Também participou da formação do grupo Spartacus, que deu origem ao Partido Comunista Alemão. Foi presa e morta em Berlim, em 1919.

Angela Merkel

Cientista e política alemã, Angela Merkel é considerada uma das mulheres mais poderosas do mundo na atualidade. Assumiu a chancelaria da República Federal da Alemanha em novembro de 2005 e permanece no posto desde então. Filha de um pastor luterano, foi criada na antiga Alemanha Oriental. Formou-se em física na Universidade de Leipzig e chegou a trabalhar na área. Entrou para a política apenas após concluir o doutorado, ao filiar-se ao partido Despertar Democrático. Merkel é o sobrenome de seu primeiro marido, Ulrich Merkel, o qual manteve mesmo hoje estando casada com Joachim Sauer, um professor de química.

Herta Müller

Romena, nascida em uma família de origem alemã, Herta Müller venceu o Nobel de Literatura em 2009. Segundo a Real Academia Sueca de Ciências, ela, "com a concentração da poesia e a franqueza da prosa, pinta o panorama dos despossuídos". A linguagem poética é seu instrumento para falar dos duros tempos da ditadura comunista na Romênia. Seu pai foi oficial da SS, braços armados do Partido Nazista. Sua mãe, deportada para um gulag, campo de trabalho forçado na União Soviética. Ela chegou a perder trabalhos de tradução por se negar a colaborar com o serviço secreto da Romênia. A escritora vive em Berlim desde 1987.

Hannah Arendt

Judia e sobrevivente do Holocausto, Hannah Arendt foi uma importante pensadora do Século 20. A filósofa alemã nasceu em 1906 e teve sua vida radicalmente alterada com a ascensão de Hitler ao poder. Ela se engajou na resistência antinazista e chegou a ser presa pela Gestapo, em 1933, mas conseguiu escapar. Fugiu para Paris e, depois, para os Estados Unidos, onde se consagrou como escritora. A política, entretanto, permaneceu como tema de suas linhas. Em 1851, Hannah Arendt publicou o revolucionário estudo Origens do totalitarismo. Era só o começo.

Top