Vida na metrópole Aplicativo para o futuro

Aplicativos inovadores facilitam a vida nas grandes cidades
Aplicativos inovadores facilitam a vida nas grandes cidades | © Timetraveler Berlin

A vida numa metrópole? Pode ser corrida, barulhenta e estressante. Na Alemanha, alguns aplicativos facilitam o dia a dia nas metrópoles e desafiam, além disso, antigos modelos de negócios.

A vida pulsa nas cidades. Isso pode ser bom e estressante ao mesmo tempo. Tanto em Berlim, o Vale do Silício europeu, quanto fora da capital alemã, surgiram alguns aplicativos que facilitam o dia a dia nas grandes cidades. Afinal, a maioria das pessoas sempre traz consigo o telefone celular. Com alguns cliques, os aplicativos facilitam muitas coisas para as quais antigamente precisávamos gastar muito tempo, percorrer longas distâncias ou nos esforçar bastante.

Chegar mais rápido

Um exemplo é andar de táxi. Antigamente, quem queria voltar para casa à noite de táxi tinha que saber exatamente onde ficava o próximo ponto ou ter anotado o número de uma empresa de transporte acessível. Hoje existe o myTaxi. O aplicativo localiza o usuário automaticamente e, se ele quiser, compartilha sua localização com vários motoristas de táxi na região que também instalaram o mesmo aplicativo. Um deles vai buscar o cliente onde ele está. O cliente pode informar previamente para onde vai e quantas pessoas vão com ele. Assim, myTaxi pode calcular aproximadamente o preço da corrida. Concluído o serviço, o cliente pode avaliar o motorista e o veículo com até cinco estrelas. Motoristas mal-humorados e com veículos em más condições vão aos poucos saindo da concorrência. 

Guias digitais

Outros aplicativos parecem ficção científica, mas podem em breve modificar sensivelmente nossas vidas. A startup Metaio, de Munique, atua no setor da realidade aumentada, que combina a realidade das percepções com a gerada pelo computador. Para a cidade de Berlim, por exemplo, a Metaio desenvolveu o aplicativo Timetraveler. Trata-se em princípio de um guia turístico digital, que conduz turistas e habitantes interessados através de interessantes rotas para os lugares importantes e históricos da capital alemã. Quando se aponta o smartphone na direção de certas construções, como um prédio com a fachada branca, por exemplo, o aplicativo exibe na tela do aparelho um filme que mostra a aparência dessa mesma fachada na época da queda do Muro de Berlim e cenas que aconteciam por ali. No futuro, a Metaio desenvolverá seus aplicativos exclusivamente para produtos da Apple, pois, alguns meses atrás, a firma que produz o iPhone adquiriu a empresa.

Transporte urbano via crowdsourcing

Estima-se que, em 2050, 70 por cento das pessoas viverão em cidades com mais de dez milhões de habitantes. Quem quiser usar transporte público urbano ali precisará se informar bem. Uma possibilidade é usar o aplicativo Ally, desenvolvido por uma startup berlinense. Ele coleta e compara os dados dos meios de transporte que seus usuários estão utilizando, incluindo os não oficiais. Segundo Ally, em Istambul, por exemplo, 70 por cento do transporte acontece de maneira informal, sobretudo longe das áreas turísticas, como no caso dos microônibus privados. Cem usuários ativos seriam o suficiente para coletar dados sobre a situação do transporte em uma cidade com um milhão de habitante. Ally informa então qual o meio de transporte mais adequado e rápido para cada situação.

Casa inteligente

Cada vez mais aparelhos domésticos tornam-se “inteligentes” – o que na verdade só significa que eles ganham uma conexão com a internet. A comunicação entre eles possibilita várias funções práticas: a máquina de fazer café que começa a funcionar assim que o despertador toca, as persianas que se fecham assim que um sensor acusa que vai chover. Porém, diversos fabricantes utilizam muitas vezes diferentes sistemas e assim a rede de comunicação limita-se aos produtos de um mesmo fabricante. É aqui que entra a startup PipesBox, criada em Rostock. A caixa que tem o mesmo nome da empresa é acoplada ao roteador e funciona praticamente fazendo uma mediação entre os aparelhos domésticos inteligentes e seus sistemas. Na loja online “PipesMarket” também há várias funções extras que podem ser baixadas pelos usuários.

Pizza da internet

Na cidade do futuro, a vida pulsa. O tempo é escasso – também quando se trata de preparar comida. Segundo uma pesquisa, quase metade dos alemães pede comida por um serviço de entrega, mesmo que os intervalos entre um pedido e outro sejam variáveis. Com o aplicativo Lieferheld pode-se fazer isso sem precisar de diversas brochuras ou de longas pesquisas em diferentes restaurantes. O aplicativo foi criado pela mesma empresa da Zalando, a loja virtual alemã de sucesso, e já inclui cerca de 100.000 restaurantes e serviços de entrega, onde os clientes famintos podem fazer – e pagar – seus pedidos via smartphone. Aliás, inclusive nas férias, pois o Lieferheld já funciona em 29 países. Nas áreas em que o alemão não é o idioma corrente, o aplicativo se chama Delivery Hero.

Clique para ter companhia

A maioria das pessoas não gosta de comer a pizza que acabou de pedir sem companhia, mas as estatísticas mostram: cada vez mais pessoas moram sozinhas na Alemanha – especialmente nas cidades grandes. Para que isso mude logo, existe o Lovoo, o aplicativo para marcar encontros de maior sucesso na Alemanha. Ele oferece muitas funções que outros aplicativos, como o Tinder, também oferecem, mas há uma diferença: Lovoo localiza precisamente os usuários e indica com a mesma precisão a localização atual de potenciais parceiros.