Upcycling-Fashion-Store A outra alternativa

aluc
aluc | Foto e © (detalhe): David Nassim

A Upcycling Fashion Store berlinense oferece uma plataforma a designers e grifes que se distanciam da indústria de moda convencional. Um trabalho pioneiro na Alemanha.

Roupas usadas decoram a fachada. Na entrada, um mosaico feito com amostras de cores de tapete funciona como capacho. Moda desenhada por estilistas pende de uma elaborada construção de canos. Carina Bischof decora uma janela antiga, que agora serve como tampo de mesa, com brincos confeccionados com zíperes e com caderninhos em que se escondem velhas páginas de livros, fotos, cartões-postais.

Bem-vindo ao mundo do upcycling

aluc aluc | Foto e © David Nassim A cofundadora da Upcycling Fashion Store explica a filosofia da loja: “Apostamos em ideias novas e criativas, materiais incomuns e não usados e um belo design”. Ela própria usa uma blusa confeccionada a partir de uma camisa velha, respondendo, assim, às perguntas curiosas de alguns clientes que querem saber o que, afinal, é upcycling.

aluc aluc | Foto e © David Nassim “Recycling? Eu chamo isso de down-cycling. Eles trituram os tijolos, trituram tudo. O que precisamos é de up-cycling, um processo em que os produtos antigos ganham um valor maior, não menor”, reclamava o engenheiro Reiner Pilz na revista britânica Salvo, em 1994, trazendo ao mundo pela primeira vez o termo upcycling. Na Alemanha, Arianna Nicoletti, Carina Bischof, Luise Barsch e Jonathan Leupert possibilitam, com sua Upcycling Fashion Store e sua grife de moda chamada aluc, que os clientes tenham acesso a roupas de upcycling e acessórios customizados. Sua concepção de loja é um manifesto contra os pecados cotidianos da indústria da moda: monoculturas de algodão, salários indignos para costureiras e desperdício de recursos – para citar apenas alguns exemplos.

As três designers, Nicoletti, Bischof e Barsch, se conheceram em 2009, em Londres, quando trabalhavam para a grife de moda From Somewhere, e juntaram-se ao administrador de empresas Leupert para fundar a grife aluc. Em novembro de 2011, deram o passo seguinte: a inauguração da Upcycling Fashion Store em Berlim. “Há três anos, quase ninguém conhecia o termo upcycling na Alemanha. Nós queríamos mudar isso – e conseguimos”, conta Carina. “Fomos a primeira loja com esta concepção em Berlim – aliás, na Alemanha inteira

Original, sustentável e social

Upcycling Fashion Store Upcycling Fashion Store | Foto e © Luise Barsch A grife aluc produz camisas, blusas e acessórios a partir de restos ou amostras de tecidos não usados de uma fábrica têxtil que produz, entre outras, para a Hugo Boss. “Amigos nossos construíram uma oficina de produção de produtos de upcycling na Bulgária. Parte de nossos produtos é produzida ali”, relata Carina. Para outras coleções, eles trabalham com oficinas que empregam pessoas portadoras de necessidades especiais em Berlim e na Alemanha Central. O conceito de sustentabilidade encontra-se em cada detalhe. Os botões, por exemplo, vêm de um projeto social em que material fora de uso é selecionado de acordo com sua possibilidade de aproveitamento.

aluc aluc | Foto e © Marc Huth „Für uns ist es nicht realisierbar, nach einem Zero Waste Cut-Prinzip zu arbeiten. “Para nós, não é possível trabalhar dentro do princípio zero waste cut. Mas gosto de chamar nosso método de minimal waste cut”, observa Carina. “Com os tecidos que sobram, mandamos fazer sacolas, carteiras e capinhas para celulares.” Golas cambiáveis dão um acabamento perfeito às camisas desenhadas por estilistas e conferem a cada camisa uma aparência própria, ao mesmo tempo em que evitam o desgaste precoce.

“Não se trata apenas de diminuir as sobras de tecido, mas de usá-las de maneira sensata”, ressalta Carina. Desde a confecção até o descarte de uma peça de vestuário, são produzidos muitos tipos diferentes de lixo. Mas de onde os estilistas tiram suas ideias incomuns justamente para esses resíduos? Para Carina, este é um processo lógico: “Dos numerosos materiais, surgem as mais diversas abordagens por parte dos estilistas.” Muitos deles usam o chamado pre consumer waste, ou seja, os resíduos que resultam da confecção das peças. A grife From Somewhere, por exemplo, trabalha com produções que não deram certo, cortes errados e amostras de cores que foram originalmente consideradas sem valor. Através de seu processamento esses materiais se transformam em luxuosos artigos de design. Do velho se faz o novo é o lema da grife infantil de reciclagem Kamaeleon, cuja base de trabalho é o post consumer waste: Kamaeleon cria moda infantil a partir de tecidos usados, livres de resíduos químicos por já terem passado por lavagens frequentes.

Juntos somos mais fortes

Upcycling Fashion Store Upcycling Fashion Store | Foto e © (detalhe): Luise Barsch Upcycling Fashion Store Upcycling Fashion Store | Foto e © Marina Chahboune As portas da Upcycling Fashion Store se abrem. Carina afasta rapidamente as duas últimas caixas de bebidas que restaram, no dia anterior, do evento chamado “Strich und Faden” (“Traço e Linha”), que acontece regularmente na loja. Ali se encontram estilistas de moda e interessados, em busca de inspiração e apoio. Arianna Nicoletti iniciou uma cooperação com a Berliner Stadtmission, organização caritativa berlinense, que possibilita aos designers um acesso descomplicado a produtos têxteis usados.

Nas Fashion Weeks de Berlim e Paris, os defensores do upcycling apresentaram suas inovadoras ideias para produção de moda e obtiveram bastante ressonância positiva. “Nós fazemos um trabalho de esclarecimento sobre as condições catastróficas da indústria de moda, ao mesmo tempo em que indicamos alternativas.” Carina resume assim o tema comum do grupo e volta sua atenção para os primeiros clientes da loja. Com cada novo visitante, a ideia do upcycling se difunde mais.