Crítica teatral Dos palcos à tela do computador

Crítica teatral no Brasil
Crítica teatral no Brasil | © Colourbox

Com novo fôlego na internet, sobretudo em sites e blogs especializados, crítica teatral contemporânea promove multiplicidade de olhares e novos tipos de interação entre espetáculo, público e mídia.

Se antes a crítica estava restrita a espaços cada vez menores em jornais e revistas de grande circulação e ao meio acadêmico, muitas vezes hermético, nos últimos anos, com a popularização dos meios digitais, esse espaço se ampliou e se renovou, possibilitando novos debates sobre a cena teatral. Para o crítico Ruy Filho, dramaturgo e editor da revista brasileira Antro Positivo, a proliferação de blogs, sites e revistas eletrônicas provocou uma inversão: “Antes, a crítica aproximava o leitor do meio; hoje, é o meio quem aproxima o crítico do leitor”.

Nesse contexto, o papel do crítico e o que se espera dele também se reinventa. "Há alguns anos, o crítico era visto como um aprovador ou desaprovador do que estava em cena. As restrições de acesso à mídia ofereciam a ele praticamente um monopólio da opinião. Com a internet, ampliou-se quase que ilimitadamente o campo para opinião, mas esta, em contrapartida, busca legitimidade”, afirma o jornalista Renato Mendonça, um dos editores do site de crítica teatral Agora.

Sites brasileiros

Em resposta a uma demanda cada vez maior por espaços de reflexão sobre o teatro nos últimos anos, surgiram no Brasil novas plataformas de crítica. É o caso do Agora Crítica Teatral, site de âmbito nacional, criado com apoio do Goethe-Institut em Porto Alegre, que conta com a colaboração de jornalistas de diversas regiões do país. Acessível desde julho de 2015, após uma oficina de crítica realizada pelo alemão Jürgen Berger e críticos de seis estados brasileiros, o Agora publica textos sobre encenações a partir de critérios como relevância dos artistas, caráter inovador da montagem, estreias, importância de registro histórico, entre outros. "O Agora segue uma tendência da crítica teatral contemporânea, que é a de se afastar da imagem do dono da verdade. O crítico atual assume mais o papel de um espectador privilegiado da cena teatral, de um parceiro de artistas e público, no esforço de decifrar códigos e intenções, perceber movimentos e até opinar sobre os espetáculos”, explica a crítica Michele Rolim.

Na mesma linha, há o blog Satisfeita, Yolanda?, escrito pelas jornalistas pernambucanas Ivana Moura e Pollyanna Diniz, com críticas, entrevistas, reportagens e bastidores. Em Minas Gerais, o Horizonte da Cena também reúne textos de diversos críticos, além de entrevistas, ensaios e especiais. Ambos os sites fazem parte da Plataforma de crítica DocumentaCena, juntamente com a revista eletrônica Questão de Crítica (Rio de Janeiro) e do site Teatrojornal (São Paulo).

Espaço de reflexão

Com a proposta de fomentar encontros e conversas com os artistas de teatro, foi criada há cinco anos a revista Antro Positivo. "Sentíamos e continuamos sentindo uma enorme falta de espaço para que o artista fale de seus interesses, para além dos interesses do mercado e do pragmatismo das temporadas”, explica Ruy Filho. Além disso, um dos focos da revista é pensar sobre o sistema produtivo, político e comercial. “Nesses cinco anos, a cena teatral mudou muito. Ainda que os editais públicos e privados continuem sendo criados, as verbas e instituições interessadas aumentem, o montante não evoluiu proporcionalmente à quantidade das criações e artistas. Tal conflito trouxe novas característica ao fazer teatral, dentre elas um maior acirramento por parte dos recursos e, paradoxalmente, certa padronização das pesquisas. A cena teatral, portanto, ainda que dinâmica e crescente, limita-se pelo aprisionamento de certas condições, permanecendo pouco inventiva de experimentações singulares”, analisa.

Seguindo a mesma tendência de abrir novos espaços para a crítica e reflexão, e também a partir de uma oficina com o crítico alemão Jürgen Berger e inspirados no projeto brasileiro Agora, críticos chilenos se reuniram em torno do Ágora Chile. Os textos da página são norteados por alguns parâmetros essenciais, entre eles o olhar territorializado do crítico, que seja capaz de situar-se politicamente em um contexto para emitir uma opinião. “É uma reafirmação de que a crítica sempre foi um exercício de reflexão subjetiva, interessada em pensar a arte em seu contexto”, afirmam os críticos de Ágora. Além disso, eles buscam uma crítica que tenha uma linguagem acessível, mas que ao mesmo tempo mantenha sua autonomia em relação à linguagem dos meios de comunicação de massa e acadêmicos. “Queremos abrir um espaço intermediário, onde a reflexão sobre a obra seja um convite ao debate democrático”.

Pensar o teatro

Os colaboradores do Agora Brasil participam da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (mitsp.org/2016), realizando, no Goethe-Institut, o Dia Crítico – Jornada sobre a crítica teatral em plataformas digitais no Brasil e no mundo. Será um dia de debates, com palestras dos críticos Jürgen Berger (Alemanha) e Federico Zurita (Chile), além de uma roda de conversa com coletivos de crítica teatral do Brasil. "Serão debatidas questões relacionadas à migração da crítica dos jornais para as plataformas virtuais e todas as questões que isso implica, como os formatos que a crítica deve assumir na internet, a busca pela legitimidade e o público-alvo”, afirma Renato Mendonça. Além disso, os integrantes do Agora também estarão fazendo a cobertura crítica do Festival.