Livros Infantojuvenis Tendências 2018: Proteção ambiental e política social

O clássico juvenil “Eine Hand voller Sterne” (Um punhado de estrelas) também está disponível em forma de graphic novel
O clássico juvenil “Eine Hand voller Sterne” (Um punhado de estrelas) também está disponível em forma de graphic novel | Foto (detail): Beltz & Gelberg

As novas publicações da literatura infantojuvenil apostam em temas atuais como migração, violência policial e racismo. Os livros de não ficção também continuam em voga.

A Feira da Livro de Leipzig é o acontecimento do início do ano, tanto para o setor de livros e mídia quanto para os leitores: com uma ampla programação, todos os anos amantes da literatura de qualquer idade são atraídos a Leipzig e convidados a descobrir, folhear e discutir. Além de tratar do já conhecido tema o futuro do livro frente à digitalização, em 2018 os criadores de literatura infantojuvenil focaram seu interesse particularmente na questão sobre quanto comércio o setor infantojuvenil pode suportar e se e como a literatura pode estimular os jovens a se interessar por política.

Temas políticos para adolescentes

“Mudanças sociais contemporâneas nos apresentam o desafio de transmitir a crianças e adolescentes as regras de um debate justo e do pensamento político”, é o que constava no Relatório de Tendências do Livro Infantojuvenil 2018, apresentado na Feira do Livro de Leipzig. Mais do que nunca, a sociedade precisa de cidadãos críticos, que possam classificar os temas políticos e ajudar a dar forma à democracia. “A literatura infantojuvenil pode despertar o interesse por temas políticos.” E, de fato, o número de livros apropriados a um debate construtivo sobre temas de relevância social e política está em constante crescimento. O que também é confirmado pela Lista de Indicados para o Prêmio Alemão de Literatura Infantojuvenil 2018 – mas não apenas por ela – , que foi igualmente apresentada na Feira do Livro de Leipzig.
 
Além das histórias sobre fuga e migração, que já pertencem ao repertório permanente da literatura infantojuvenil em língua alemã, no primeiro semestre de 2018 destacaram-se positivamente sobretudo dois textos que tratam da história alemã do pós-guerra. Kirschendiebe oder als der Krieg vorbei war (Ladrões de cerejas ou quando a guerra acabou), de Anke Bär, e Gertrude grenzenlos (Gertrude sem limites), de Judith Burger, com ilustrações de Ulrike Möltken, estimulam de modo peculiar o diálogo entre as gerações. A vida em ditaduras e sistemas autoritários é um tema retratado de forma impressionante na adaptação para graphic novel do clássico da literatura juvenil Eine Hand voller Sterne (Um punhado de estrelas), de Rafik Shami, feita por Markus Köninger. A violência policial e o racismo cotidiano nos Estados Unidos  também estão cada vez mais em foco. Depois de O ódio que você semeia, de Angie Thomas, indicado para o Prêmio Alemão de Literatura Infantojuvenil em 2018, Dear Martin (Querido Martin), de Nic Stone, é mais um romance juvenil dá que voz aos adolescentes negros.

  • Um pouco de história alemã do pós-guerra é narrado em “Kirschendiebe oder als der Krieg vorbei war” (Ladrões de cerejas ou quando a guerra acabou), de Anke Bär. Foto (detalhe): © Gerstenberg Verlag
    Um pouco de história alemã do pós-guerra é narrado em “Kirschendiebe oder als der Krieg vorbei war” (Ladrões de cerejas ou quando a guerra acabou), de Anke Bär.
  • A vida num sistema autocrático foi o tema abordado por Rafik Shami em “Eine Hand voller Sterne” (Um punhado de estrelas). O clássico da literatura juvenil agora também está disponível no formato graphic novel. Foto (detalhe): © Beltz & Gelberg
    A vida num sistema autocrático foi o tema abordado por Rafik Shami em “Eine Hand voller Sterne” (Um punhado de estrelas). O clássico da literatura juvenil agora também está disponível no formato graphic novel.
  • Quem ainda se chama Gertrude? Uma história sobre a juventude na República Democrática Alemã, quando a família é considerada inimiga do Estado Foto (detalhe): © Gerstenberg Verlag
    Quem ainda se chama Gertrude? Uma história sobre a juventude na República Democrática Alemã, quando a família é considerada inimiga do Estado
  • Com “Dear Martin” (Querido Martin), Nic Stone traz um romance juvenil impressionante sobre a violência policial e experiências de racismo no cotidiano de adolescentes negros. Foto (detalhe): © rowohlt rotfuchs
    Com “Dear Martin” (Querido Martin), Nic Stone traz um romance juvenil impressionante sobre a violência policial e experiências de racismo no cotidiano de adolescentes negros.

De abelhas a futebol: livros de não ficção continuam em voga

Nos últimos anos, os livros de não ficção para crianças e adolescentes têm se tornado cada vez mais populares. Os temas relativos à proteção ambiental e dos animais, assim como à sustentabilidade, são cada vez mais frequentes e estimulam o jovem leitor ao pensamento crítico e ao diálogo ativo. Assim, as abelhas (e também as mamangabas) continuam presentes nos livros de não ficção, bem como em textos realistas e fantásticos. Após o premiado Bienen (Abelhas), de Piotr Socha, e Bienen: Kleine Wunder der Natur (Abelhas: pequenas maravilhas da natureza), de Britta Teckentrup, mais dois livros que tratam da vida, dos benefícios e da ameaça aos insetos foram publicados em 2018, Das Buch der Bienen (O livro das abelhas), de Charlotte Milner, e Die Comic-Bibliothek des Wissens: Die Bienen (A biblioteca do conhecimento em quadrinhos: as abelhas), de Yves Le Conte. Proteção ambiental e dos animais, bem como a sustentabilidade, são cada vez mais tema de livros de não ficção para crianças e adolescentes e também incentivam os jovens leitores ao pensamento crítico e ao diálogo ativo. Já livros como Ein großer Garten (Um grande jardim), de Gilles Clément, e Floras Atelier (O ateliê de Flora), de Kristina Digman, são representantes de outra tendência persistente dos livros de não ficção: a interatividade. Os leitores são incentivados e animados a procurar, descobrir, participar e fazer por si mesmos.

  • Em “Die Bienen” (As abelhas), o pesquisador Yves le Conte explica de maneira simples tudo o que vale a pena saber sobre a vida das abelhas. Foto (detalhe): © Jacoby & Stuart
    Em “Die Bienen” (As abelhas), o pesquisador Yves le Conte explica de maneira simples tudo o que vale a pena saber sobre a vida das abelhas.
  • O livro “Buch der Bienen” (Livro das abelhas) fornece a crianças em idade pré-escolar explicações  claras e impressionantes sobre o mundo das abelhas através de muitas ilustrações. Foto (detalhe): © Dorling Kindersley
    O livro “Buch der Bienen” (Livro das abelhas) fornece a crianças em idade pré-escolar explicações claras e impressionantes sobre o mundo das abelhas através de muitas ilustrações.

Em 2018, ano da Copa do Mundo, naturalmente não poderia faltar o tema futebol dentre todos os temas que o mercado infantojuvenil de livros tem a oferecer, com seus mais de 8 mil lançamentos. Ao lado de numerosos livros infantis de narrativas, publicados preferencialmente em séries para primeiros leitores – como, por exemplo, Zombert. Fußballspielen verboten! (Zombert. Proibido jogar futebol!), de Kai Pannen –, há especialmente dois livros ilustrados que provocam grande alegria e estimulam ao esporte: 71 Schafe spielen Fußball (71 ovelhas jogam futebol), de Guridi e Pablo Albo, bem como o alemão-crioulo Das Spiel, (O jogo), de Baptiste Paul e Jaqueline Alcántara, em que meninas e meninos jogam juntos no campinho de futebol. E a narrativa Einer von 11 (Um de 11), de Manfred Theisen, que chama atenção para o tema integração, fecha finalmente o círculo dos livros infantojuvenis politicamente engajados.

  • Wenn Schafe Fußball spielen… dann wird das schwarze Schaf zum Schiedsrichter und ein Wollknäuel zum Ball. Foto (Zuschnitt): © Aladin
    Wenn Schafe Fußball spielen… dann wird das schwarze Schaf zum Schiedsrichter und ein Wollknäuel zum Ball.
  • Leben auf einer kleinen Insel in der Karibik. Um glücklich zu sein, braucht es vor allem Eines: Fußball. Foto (Zuschnitt): © NordSüd
    Leben auf einer kleinen Insel in der Karibik. Um glücklich zu sein, braucht es vor allem Eines: Fußball.
  • Wenn Zombies Fußball spielen, fliegt dem Ball auch gerne mal ein Bein hinterher. Foto (Zuschnitt): © Tulipan
    Wenn Zombies Fußball spielen, fliegt dem Ball auch gerne mal ein Bein hinterher.
  • Um Integration und Fußball geht es in der Erzählung von Manfred Theisen „Einer von 11“. Foto (Zuschnitt): © Loewe
    Um Integration und Fußball geht es in der Erzählung von Manfred Theisen „Einer von 11“.