Educação para o desenvolvimento sustentável Quando alunos se transformam em empreendedores de comércio justo

Até as crianças já podem aprender um estilo de vida sustentável
Até as crianças já podem aprender um estilo de vida sustentável | Foto (detalhe): © picture alliance / Wavebreak Media

Sustentabilidade e proteção do clima começam no cotidiano, e as crianças também podem aprender. Muitas instituições de ensino participam do Programa de Ação Global de Educação para o Desenvolvimento Sustentável da Unesco – especialmente as escolas.

Quando o estômago dos alunos da Escola Erich Kästner, em Ladenburg, Baden-Württemberg, ronca, eles compram algo para comer na lanchonete da escola. Além de sanduíches, biscoitos e balas de goma, também há em oferta bananas e chocolate provenientes de comércio justo. Por trás dessa inovação está um projeto escolar das aulas de ética e religião: 15 alunas e alunos entre 13 e 14 anos examinam de perto o comércio justo e as cadeias de produção globais.

O Ginásio Hainberg, em Göttingen, também explora esses temas. De um pequeno projeto, surgiu ali ao longo dos anos a empresa de alunos “Macadamiafans”. A “firma”, fundada em 2012 por um projeto voluntário sob a forma de cooperativa estudantil, atualmente faz parte integral do currículo. Quem hoje decide cursar essa matéria optativa no nono ou décimo ano passa as aulas regulares administrando a empresa escolar: recebendo nozes, cuidando das encomendas online, administrando a contabilidade, despachando pacotes, cuidando do marketing e da comunicação com os clientes. As nozes são vendidas, entre outros, em lojas de varejo da região. Com o lucro, os fãs da macadâmia não apenas dão apoio a camponeses africanos, mas também financiam bolsas de estudos no exterior para colegas. Na Alemanha, é possível que os alunos realizem juntos as próprias ideias de negócios, quando organizados sob  forma de cooperativas estudantis. Eles são assessorados pelas associações regionais de cooperativas de seus estados.

Ancorando o comportamento responsável no sistema educacional

A Escola Erich Kästner e o Ginásio Hainberg são apenas duas de quase 500 instituições de ensino de toda a Alemanha que participam do Programa de Ação de Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) da Unesco. Sejam escolas ou jardins da infância, cidades consideradas pela Unesco como patrimônio cultural, jardins botânicos ou zoológicos – todos estão empenhados numa meta em comum: ancorar o pensamento e o comportamento sustentáveis em todos os setores do sistema educacional. 

A comissão alemã da Unesco tem o apoio do Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha na implementação do programa de EDS. Juntas, as instituições reuniram propostas sobre como crianças e adolescentes podem aprender da melhor forma possível a agir de maneira sustentável e, em 2017, resumiram tudo num Plano de Ação Nacional, bem como numa plataforma online. No site de EDS, escolas e outras instituições podem baixar gratuitamente materiais didáticos: desde cartazes sobre sementes, passando por dramas radiofônicos sobre o meio ambiente, até jogos de tabuleiro sobre o tema sustentabilidade, são disponibilizadas ali sugestões sobre como o tema EDS pode ser abordado de forma simples para qualquer faixa etária. 

As instituições de ensino reagiram das mais diversas formas à solicitação de se empenhar mais pela EDS: elas formam “pilotos do clima”, promovem exposições sobre a globalização ou atividades de lazer ecológicas. As escolas e os jardins de infância, que acompanham as crianças e adolescentes diariamente, assumem um papel especial. Cerca de 400 dessas instituições estão registradas na plataforma do Programa de Ação. Suas contribuições englobam desde café proveniente de comércio justo na cantina, passando por viagens para a execução de projetos, até programas internacionais de intercâmbio.

  • A exposição “Weltreise durch die Klimazonen der Erde” (Viagem ao redor do mundo pelas zonas climáticas da Terra), na Klimahaus Bremerhaven 8° Ost, é visitada anualmente por cerca de 100 mil alunos. As crianças percorrem várias salas, que as transportam às vezes para o Deserto do Saara, às vezes para a floresta tropical úmida, às vezes para Samoa, e nas quais reinam até a temperatura e a umidade do ar correspondentes. Foto (detalhe): © DUK/Till Budde
    A exposição “Weltreise durch die Klimazonen der Erde” (Viagem ao redor do mundo pelas zonas climáticas da Terra), na Klimahaus Bremerhaven 8° Ost, é visitada anualmente por cerca de 100 mil alunos. As crianças percorrem várias salas, que as transportam às vezes para o Deserto do Saara, às vezes para a floresta tropical úmida, às vezes para Samoa, e nas quais reinam até a temperatura e a umidade do ar correspondentes.
  • No Ginásio Hainberg, em Göttingen, os alunos fundaram a empresa “Macadamiafans”. Com o lucro, apoiam camponeses africanos e financiam bolsas de estudos no exterior para colegas que desejem trabalhar, por exemplo, num projeto chinês de reflorestamento. Foto (detalhe): © Hainberg-Gymnasium
    No Ginásio Hainberg, em Göttingen, os alunos fundaram a empresa “Macadamiafans”. Com o lucro, apoiam camponeses africanos e financiam bolsas de estudos no exterior para colegas que desejem trabalhar, por exemplo, num projeto chinês de reflorestamento.
  • As Escolas Profissionalizantes (Berufsbildende Schulen - BBS) Uelzen formam “detetives de energia” que trabalham para melhorar a eficiência energética nas escolas. Eles analisam onde é possível diminuir o gasto de energia nos prédios. As escolas também promovem um “Green Day” e uma “Semana da Redução do Lixo”. Foto (detalhe): © DUK/ Till Bude
    As Escolas Profissionalizantes (Berufsbildende Schulen - BBS) Uelzen formam “detetives de energia” que trabalham para melhorar a eficiência energética nas escolas. Eles analisam onde é possível diminuir o gasto de energia nos prédios. As escolas também promovem um “Green Day” e uma “Semana da Redução do Lixo”.
  • As BBS também contam com algumas empresas de alunos: a “HoBaTec” produz estruturas de madeira, como cancelas ou bancos de floresta, para clientes regionais, outros alunos desenvolvem caixas de nidificação e hotéis de insetos para a ONG ambientalista Nabu – em procedimentos que praticamente não deixam resíduos, pois todas as aparas de madeira são reutilizadas como combustível. Foto (detalhe): © DUK/ Till Bude
    As BBS também contam com algumas empresas de alunos: a “HoBaTec” produz estruturas de madeira, como cancelas ou bancos de floresta, para clientes regionais, outros alunos desenvolvem caixas de nidificação e hotéis de insetos para a ONG ambientalista Nabu – em procedimentos que praticamente não deixam resíduos, pois todas as aparas de madeira são reutilizadas como combustível.
  • A educação pré-escolar também pode ser sustentável: 200 creches em Hamburgo e na região de Südholstein compõem juntas a rede KITA21. Elas introduzem de maneira lúdica temas como energia, nutrição e consumo a crianças de um a três anos. Foto (detalhe): © DUK/ Till Budde
    A educação pré-escolar também pode ser sustentável: 200 creches em Hamburgo e na região de Südholstein compõem juntas a rede KITA21. Elas introduzem de maneira lúdica temas como energia, nutrição e consumo a crianças de um a três anos.
  • Em Gersheim, no Sarre, fica o albergue escolar ecológico Spohns Haus, que também é o centro de educação ambiental da Reserva de Biosfera de Bliesgau. Ali, até 70 alunos podem ser acomodados nos prédios históricos durante excursões escolares ou semanas de projetos ecológicos. Foto (detalhe): © VEUBE e.V, Ökologisches Schullandheim „Spohns Haus“
    Em Gersheim, no Sarre, fica o albergue escolar ecológico Spohns Haus, que também é o centro de educação ambiental da Reserva de Biosfera de Bliesgau. Ali, até 70 alunos podem ser acomodados nos prédios históricos durante excursões escolares ou semanas de projetos ecológicos.
  • Na Reserva de Biosfera de Bliesgau, o albergue Haus Spohn oferece projetos em que crianças e adolescentes podem vivenciar e experienciar a natureza de perto – fazendo, por exemplo, experiências com o solo. A oferta também inclui projetos sobre água, energia solar ou abelhas. Foto (detalhe): © VEUBE e.V, Ökologisches Schullandheim „Spohns Haus“
    Na Reserva de Biosfera de Bliesgau, o albergue Haus Spohn oferece projetos em que crianças e adolescentes podem vivenciar e experienciar a natureza de perto – fazendo, por exemplo, experiências com o solo. A oferta também inclui projetos sobre água, energia solar ou abelhas.

Conectando escolas e iniciativas ecológicas

Particularmente importante para a campanha de EDS é que as escolas e iniciativas ambientais estabeleçam uma conexão melhor entre si. Se uma escola está em busca de um parceiro na região para organizar, por exemplo, uma excursão sustentável ou realizar um semana de projetos, pode procurar uma iniciativa na região no mapa digital da Alemanha que se encontra no site de EDS. 

Em seu projeto, a escola Erich Kästner foi apoiada, por exemplo, pela iniciativa política de educação em desenvolvimento do Eine Welt Zentrum, de Heidelberg. Seu projeto “Globales Klassenzimmer” (Sala de Aula Global) oferece, entre outros, workshops e passeios pela cidade sobre o tema globalização. Neles, as crianças e adolescentes aprendem a avaliar também as consequências de seu próprio comportamento de consumo e da mudança climática.

Um estímulo adicional para que comunidades, espaços de aprendizado e redes de contato se ocupem mais intensamente com a EDS são as premiações da iniciativa. Projetos premiados têm o direito de usar o logotipo do Programa de Ação Global da Unesco em suas atividades, e acesso à consultoria da Universidade Livre de Berlim. Em 2017, 63 exemplos de good practice receberam esse tipo de destaque.