Onze escritores falam sobre futebol em seus países de origem

Por que o brasileiro Rogério Pereira bate bola de chinelo? Qual o significado do gramado do campo de futebol na Holanda? E por que o tcheco Karel Škrabal continua indo aos jogos, apesar dos escândalos de suborno?
 
Onze escritores europeus e de outros lugares do mundo escrevem sobre o futebol em seus países de origem. Em ensaios divertidos, emocionantes e críticos, eles contam sobre sua relação pessoal com o esporte nacional dos alemães e seguem em uma viagem pelas culturas da bola de couro.
 
Leia aqui as histórias da Alemanha, Bélgica, Brasil, Escócia, Espanha, França, Holanda, República Tcheca e Ucrânia.

Zwischen Tenever und Tampere: Ein Vorwort von Nils Straatmann

Zwischen Tenever und Tampere, zwischen Spanien und England, Belo Horizonte und Kuna Yala: Nils Straatmann schreibt über Kultur und Fußballkultur – und ihren gegenseitigen Einfluss.

Os autores

Auke Kok

Nada é mais sagrado para o holandês do que jogadas descomplicadas. Além do gramado no qual ele joga. Auke Kok sobre a arte da simplicidade eficaz.

Alan Bissett Foto: Christopher Bowen

Alan Bissett

Quando os arqui-inimigos Rangers e Celtic se enfrentam em Glasgow, é guerra na certa. O escocês Alan Bisset, que perdeu amizades por ser torcedor de um time, aprendeu uma coisa: é só um jogo!
 

Bruno Heckmann Foto: arquivo particular

Bruno Heckmann

A França não é um país de futebol. Ou vencer é apenas vulgar? Bruno Heckmann sobre a falta de entusiasmo futebolístico, os grandes homens que fazem o futebol da França e vitórias incomuns.

Falko Hennig Foto: arquivo particular

Falko Hennig

Na Alemanha, futebol não é nenhuma brincadeira de criança. Pelo menos essa é a opinião do escritor Falko Hennig, que compartilha com sua mãe não apenas a paixão pelo futebol, mas também suas consequências para a saúde.

Herman Brusselmans

Na família de Herman Brusselmans, futebol é tradição. Com muita auto-ironia, o escritor belga conta como uma rajada de vento inofensiva encerrou sua carreira de esportista.

Irene Karpa Foto: Louis Cyrille Trébucher

Irena Karpa

“Porcaria de esporte!”, diz a si mesma a escritora ucraniana Irena Karpa. Até o dia em que o desajustado Lyosha joga futebol com ela.
 

Jochen Schmidt Foto: Voland und Quist │ Tim Jockel

Jochen Schmidt

O escritor alemão Jochen Schmidt enxerga aforismos grandiosos nos acontecimentos ao redor dos jogos de futebol. Como, por exemplo, o que compara o escritor desprezado à segunda bola, que não tem o que fazer no campo.

Juan Soto Ivars Foto: Edgar Melo

Juan Soto Ivars

Ele compara o hino nacional às músicas dos times, torcidas a inclinações políticas e clubes de futebol a religiões. Impressionante o significado do futebol na Espanha.

Karel Škrabal Foto: Karel Šanda

Karel Škrabal

Para Karel Škrabal, o futebol tcheco lembra principalmente escândalos de suborno e a questão sobre o lugar do torcedor. Em um poema, o baderneiro esclarece por que, apesar de tudo, continua indo aos jogos.

Philipp Reinartz Foto: Sven Tupits - Fotogeen

Philipp Reinartz

Muitas vezes odiado e raramente respeitado: Philipp Reinartz dá, enfim, espaço ao árbitro no futebol alemão e em suas memórias muito pessoais.

Rogério Pereira Foto: Guilherme Pupo

Rogério Pereira

Bater bola de chinelo, em trapos com números pintados à mão e calções costurados em casa: no Brasil, não é preciso luxo para se praticar o mais belo esporte do mundo.