Acesso rápido:

Ir diretamente ao contéudo (Alt 1)Ir diretamente à navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente à navegação principal (Alt 2)

Blog da Berlinale 2021
Caminhos de transformação

Se hace camino al andar. Direção: Paula Gaitán. Berlinale Forum Expanded, 2021.
Se hace camino al andar. Direção: Paula Gaitán. Berlinale Forum Expanded, 2021. | © Pressfoto

A cineasta Paula Gaitán volta à Berlinale, na seção Forum Expanded, com o filme “Se hace camino al andar”, que tem como protagonista o artista visual Paulo Nazaré.

O Forum Expanded é a seção da Berinale, o Festival Internacional de Cinema de Berlim, que desafia os limites entre o cinema e as artes visuais e tem como tema este ano “The days float through my eyes” (Os dias flutuam através de meus olhos). O verso de Changes, de David Bowie, faz alusão ao tempo lento que estamos vivendo com a pandemia. E também a uma desejada mudança.

Se hace camino al andar, filme de Paula Gaitán, cineasta franco-colombiana radicada no Brasil, responde a esses dois denominadores do Forum Expanded: ao tempo e à mudança. Na tela, o artista brasileiro Paulo Nazaré caminha em uma estrada de terra em direção à câmera. O filme estrutura-se a partir da repetição elíptica desse caminhar que nunca é igual. Para Gaitán, a repetição é uma metáfora do próprio ato de fazer cinema: “Em cada novo filme, busco possibilidades sobre as quais não havia pensado anteriormente. Estou sempre começando de novo. Em Se hace camino al andar, há descobertas a serem feitas, mesmo persistindo as repetições”.

Homem, máquina e natureza

Em uma dessas repetições da caminhada do protagonista, ele é confrontado com uma máquina agrícola que invade seu caminho. Sem desviar, passa por baixo da mesma e segue. Esse momento marca uma escolha: abandonar a estrada e atirar-se no mar verde do entorno. A natureza eleita pelo protagonista, contudo, é artificial: uma lavoura de milho e outra de soja – duas monoculturas do agronegócio. A “natureza” do filme é, como se nota, uma paisagem construída pela máquina. Aberto a interpretações diversas, o filme de Gaitán leva à reflexão sobre a (im)possibilidade do retorno à natureza, que já não existe mais como em sua forma original, mas apenas modificada pelo ser humano e sobretudo pelo aparato técnico.

Top