Acesso rápido:
Ir diretamente ao contéudo (Alt 1)Ir diretamente à navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente à navegação principal (Alt 2)

15 maneiras
Como descolonizar a sua mente

Jota Mombaça
© Taylla de Paula

Você quer descolonizar a sua mente? Aqui estão 15 maneiras para começar o processo de descolonização, compartilhado por professores, antropólogos, artistas e ativistas sociais.

  1. Seja transparente com você mesmo sobre as coisas que você sabe e as coisas que você não sabe. A aprendizagem é um processo infinito.
  2. Seja acessível com a sua linguagem. Nem tudo precisa parecer uma declaração de tese. Mantenha a linguagem simples. Se você não consegue explicá-lo a uma criança de cinco anos, retrabalhe a sua análise.
  3. Entenda as conexões entre a descolonização, o racismo anti-negros, o sexismo, a homofobia e a supremacia branca. Essas estruturas de poder não são mutuamente excludentes.
  4. Aborde culturas não-brancas com a mesma reverência, respeito e importância histórica que sempre foi dada aos sistemas culturais brancos.
  5. Não seja um “man-splainer” (“homem-explicador”).
  6. Não tome todo o espaço da discussão.
  7. Esteja disposto/a a escutar.
  8. Todos/as têm o mesmo tipo de privilégio, mas alguns mais do que outros. Confira os seus próprios antes de abrir a boca.
  9. Conversas não precisam sempre ser macro. Faça as coisas micro para que você possa ver resultados reais na sua vida.
  10. A hierarquia começa de baixo para cima. Até que aquele que está em baixo esteja em cima, não existirá uma equidade real.
  11. Responsabilize a você mesmo, seus amigos, e família, sobre qualquer equívoco ou maneiras coloniais de pensar com as quais você se envolve. Não tenha medo de chamar a atenção um do outro.
  12. Não deixe que a sua sabedoria seja apenas para se mostrar. Bote-a para trabalhar e trabalhe.
  13. Entenda o legado histórico da linguagem que está sendo usada para diminuir diferentes formas de existência.
  14. Tenha noção de como o acesso à educação, ou a falta dele, cria reais barreiras sociais.
  15. Volte ao ponto número 1. 
Pontos de vista compartilhados por Felipe Arocena, Adriana Arrascaeta Garcia, Helio Menezes, Fernando Olivia, Fernando Baldraia e Ciraj Rassool, Sarojini Lewis.

por Tari Ngangura

LEIA MAIS ARTIGOS

Top