Conferência - Berlim
SOBRE O FUTURO DAS RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS DO SUL

Conferência: Ecos do Atlântico Sul - Berlim

A conferência 'Ecos do Atlântico Sul', durante os dias 10 e 11 de julho de 2019, em Berlim, organizada pelo Goethe-Institut com a Haus der Kulturen der Welt, questiona o futuro das relações sul-atlânticas e o papel que a europa pode desempenhar no futuro. Qual é o estado das relações entre a África, América do Sul e Europa hoje, após séculos de hegemonia e de colonização europeia? A conferência faz parte da série anual Wassermusik, da HKW, que esse ano leva o tema “O Atlântico Negro Revisitado”. Vinte e cinco anos atrás, o livro de Paul Gilroy, O Atlântico Negro, foi publicado, dando nome a uma cultura que não é especificamente nem africana, nem americana, nem caribenha, nem britânica, mas tudo isso ao mesmo tempo: uma cultura Negra Atlântica que, inicialmente, foi comunicada e transmitida principalmente através da música. A conferência em Berlim segue o primeiro simpósio que ocorreu em abril de 2018, em Salvador na Bahia, Brasil.
 
Até o século XV, o Atlântico foi a fronteira distinta entre a África e a Europa de um lado, e a América de outro. A história do cruzamento do Atlântico seguida pela narrativa muito conhecida dos “descobrimentos”: a colonização, escravidão, exploração, migração e prosperidade europeia. A troca entre os três continentes criou uma dinâmica cultural que mudou fundamentalmente todos os três continentes. Qual é a situação em relação ao Triângulo Atlântico no século XXI? Como será o futuro cultural do Atlântico Sul? E qual será o papel da Europa em relação à África e à América do Sul, 500 anos após haver tomado de várias formas a posição de poder hegemônico colonial? Enquanto foram discutidos os eventos do passado por mais de 70 participantes durante a primeira conferência em Salvador, na Bahia, Brasil, o foco agora em Berlim, um ano depois, será no presente. A conferência em Berlim irá abordar a questão das relações atuais entre os três continentes e pensar em possíveis cenários para um diálogo intercultural no futuro.
 
Ao lado de contribuições de Paul Gilroy, Felwine Sarr e Nanette Snoep, 16 artistas da África, América do Sul e Europa irão apresentar seus projetos ilustrando as conexões entre os continentes e levantando perguntas sobre o potencial cultural das relações Sul-Sul e o papel que a Europa desempenha nisso, ou que poderia desempenhar. Os artistas incluem: Gabi Ngcobo, Jean-Pierre Bekolo, Elvira Dyangani Ose, Jota Mombaça, Michelle Mattiuzzi, dentre outros. Os projetos abordam vários temas, como tradições culturais entre os continentes, estéticas pós-coloniais na dança e na performance e o som do Atlântico Sul.

O especialista cultural Paul Gilroy disse, sobre o seu livro O Atlântico Negro, em uma conversa com taz: “o suporte da água é, de um lado, constantemente encontrado em novas misturas e combinações de elementos, e de outro, uma substância sustentável que compõe  a maior parte dos nossos corpos. Porém, esse conceito de cultura fluída não pretendia de forma alguma se basear no mar contra o âmbito territorial. O que eu queria sim era mostrar era como influências oceânicas podem distorcer a massa terrestre”.

Programação para o Ecos do Atlântico Sul, HKW Berlim

10-12.30
Conferência, sessão interna – Revisão e o estado do projeto atual

12:30-14.00
Almoço

14-17.30
Conferência, sessão pública — Discussões de painel sobre os projetos e temas

14-15:30
A Colonização e o Digital

16-17:30
O Espectro da Colonização

18.30- 20.00
Abertura da Conferência
Fala de abertura de Bernd Scherer, Diretor da HKW, e Johanes Ebert, Secretário Geral do Goethe-Institut
Palestrante principal: Paul Gilroy “O fim do Atlântico Negro?”

18.30-19:00
Keynote: Paul Gilroy "O fim do Atlântico negro?"

20:15-22:00
Jantar para os participantes da conferência
Considerações finais / recepção
10-12.30
Conferência, sessão interna — planos de projetos para 2020

12.30-14.00
Almoço

14-18.30
Conferência, sessão pública

14-15:30
A Nova Colonização (da mente, do pensamento, da sabedoria e da educação)

16-17:30
Afrotopia no contexto do Atlântico Negro Revisitado

18-19:00
Apresentação de Performance por Michelle Mattiuzzi e Jota Mombaca

19-20:00
Keynote: Achille Mbembe "Desglobalização - Corpos como fronteiras"

20-23.00
Festa: DJ Ntone Edjabe