Entrevista Um Sul sem Norte

“América Invertida” (1943), Joaquín Torres Garcia
“América Invertida” (1943), Joaquín Torres Garcia

Marina Fokidis e Solange Farkas conversam sobre os múltiplos sentidos do Sul, para além do espaço geográfico.

Em entrevista, Solange Farkas, fundadora e diretora do Festival Panoramas do Sul, e Marina Fokidis, fundadora e editora da revista South as a State of Mind, que se tornou temporariamente a plataforma de conteúdo da Documenta 14 até a abertura do evento, falam sobre o que significa o conceito  Sul Global em um mundo que está em constante estado de tornar-se. Fokidis será umas das palestrantes do IV Seminário Internacional ARTE!Brasileiros, que acontece paralelamente à Bienal de São Paulo

De um modo geral, o Sul ainda aparece como uma parte do mundo que é explorada e/ou que carece de certas qualidades ou atributos de seu “outro” – o Norte. De qualquer forma, o Norte é ainda o eixo, o ponto de referência por meio do qual o Sul é definido e se define. Esta forma de pensar pode ser superada? Como podemos criar uma ideia do Sul que não seja uma versão defeituosa do Norte, mas definida em seus próprios termos? Seria isso um “novo estado de espírito”? Como tal estado de espírito pode ser definido?

Solange Farkas: Acredito que já se tenta fazer isso há muitos anos. Os países do Sul – seus pensadores, artistas, pesquisadores de diversas áreas, ativistas – vêm, desde suas independências – e aí falamos de diversas formas de independência, seja do bloco soviético, seja do imperialismo do século XIX  –, buscando construir um pensamento autônomo que dê conta das condições reais do Sul, em diálogo com nossas particularidades e necessidades. O antropólogo Eduardo Viveiros de Castro, por exemplo, é uma figura representativa desse pensamento autônomo que só poderia emergir a partir do Sul.

Marina Fokidis: Isso me faz lembrar o nome de um grupo de punk da Grécia no final dos anos 80. Eles se denominavam sul sem norte -- provavelmente inspirados pelo livro de contos de Charles Bukowski com o mesmo título –, mas na minha mente eles estavam dando para o título outro significado. Estavam recusando-se a ser definidos por uma medida que favorece o Norte, escolhendo definir-se como um grupo de punk que vem de um Sul fictício independente, que não precisa de um Norte de modo a existir e ser falado. Claro que isso é uma ideia utópica. Da maneira que o mundo se encontra hoje, Norte/Oeste ainda são o eixo do Sul/Leste, mas por quanto tempo isso seria evidente? Mesmo os seres humanos ainda são o eixo através do qual definimos as “máquinas”, mas por quanto tempo isso será verdade? Nós não sabemos.

Entendemos nossos tempos como um momento precário na história, uma virada. Nós nem sempre podemos confiar nos filantropos, humanistas, intermediários e “benfeitores”, e todas aquelas pessoas de fora que querem controlar a ideia de “Sul”, restringindo-a geograficamente e conceitualmente, tanto quanto possível. Não há necessidade ou espaço para mais apropriação pelo olhar do Norte. No entanto, não queremos promover o Sul como o lugar onde tudo de valor ocorre exclusivamente e sempre lá. Quando iniciamos a revista em 2012, que surgiu com o nome de Sul como um estado de espírito, estávamos pensando nas noções de Sul como um ponto de encontro para intensidades partilhadas, mas não exclusivamente em termos geográficos. Não exclusivamente como um conjunto de regiões que partilham passados coloniais comuns.

Nós queríamos ir um passo além e ver como seria se o Sul se tornasse apenas um estado, espírito de um processo de pensamento que deriva naturalmente, a partir dos legados e das histórias do Sul Global, mas não parar por aí, evoluindo mesmo para caminhos ainda indefinidos. A nossa ideia era não promover ou moldar mais uma identidade coletiva, mas nos abrirmos para outros interlocutores inesperados de outras regiões e áreas e bairros — entre familiares, amigos e estranhos que se tornem amigos. Nós pensamos o Sul como se não fosse um lugar no mundo, mas uma ideia! Para citar o teórico grego-australiano Nikos Papastergiadis, que influenciou imensamente o início de nossa publicação, pensamos em Sul “como um espaço onde as pessoas se encontram para imaginar a possibilidade de outras formas de estar no mundo”. Uma “pequena esfera pública”. Por isso, fundamos a revista na base de uma ferramenta de troca — e de diálogo que iria produzir e manter a produção de um entendimento mútuo do mundo. E então … o mundo inteiro poderia ser parte desse estado de espírito, se desejado.

“South as State of Mind”, publicação fundada por Marina Fokidis que agora funciona como plataforma de conteúdo para a Documenta 14 ​ “South as State of Mind”, publicação fundada por Marina Fokidis que agora funciona como plataforma de conteúdo para a Documenta 14 ​ | Copyright: Zeitschrift South as State of Mind
A documenta 14 vai acontecer simultaneamente na Alemanha e na Grécia. Por isso, para ver toda a exposição, o visitante terá que “migrar”, se deslocando entre os dois países. Como esse deslocamento pode ser tornado significativo em vez de representar apenas uma outra iteração do globetrotting de profissionais de arte, que acontece vis-à-vis com o turismo cultural e a bienalização do mundo da arte? Como evitar o risco de cair em um  “turismo de crise social”, ao mesmo tempo que se deve lidar com o setor de turismo da Grécia, que insiste que o país e as suas ilhas continuam a ser destinos idílicos, parecendo estar em em negação intencional da gravidade do problema migratório que assola o país?

Solange Farkas: Essa, sem dúvida, é uma boa questão para a Documenta 14. Vamos ver como irão resolver isso, mas sem dúvida a Documenta tem peso institucional e instrumentos para resolver esta questão. Um jeito de se distanciar disso é tentar uma perspectiva mais sóbria da injustiça e desigualdade que assolam a cena mundial no momento.

Marina Fokidis:  Acredito que o fato de a Documenta 14 ser compartilhada entre dois locais, Atenas e Kassel, é um evento histórico, está acontecendo pela primeira vez desde 1955. Claro, já houve diferentes formas de intercâmbio substancial com outros locais no passado, mais notavelmente durante a Documenta 11 sob a direção artística de Okwui Enwezor, com as quatro plataformas de conferências e workshops realizadas em diferentes regiões — Europa, Ásia, Américas e África –, que precedeu a abertura da exposição. No entanto, o que é diferente com a Documenta 14 é que ela não é apenas sobre ou informada por vários locais, mas está realmente acontecendo em dois locais que estão sob condições sociopolíticas e econômicas completamente diferentes — mesmo se ambos estão situados na Europa.

Existem dois lugares operacionais a partir dos quais a Documenta 14 falará. Duas cidades diferentes em escala, estado econômico, hábitos culturais e muito mais. Desde o início da Documenta 14, o diretor artístico Adam Szymczyk fez questão de organizar dois escritórios artísticos e dividir sua equipe entre os dois locais. Eu acredito que este “compartilhamento”, juntamente com o título de trabalho Aprendendo com Atenas, é o ponto focal, a essência, o “tema”, digamos, desta edição, que em seu sentido simbólico é claro que também serve como metáfora para a fundação do sentido moderno da democracia e sua falta. A ideia de Szymczyk de dividir a Documenta 14 entre o chamado Norte e Sul — juntamente com todas as difíceis negociações políticas, sociais e culturais que têm de ser efetuadas para a realização de uma iniciativa como essa — me parece a resposta mais precisa para a sua preocupação em relação a um deslocamento significativo. Essa multiplicidade de locais para um evento institucional estabelecido como a Documenta, na verdade, serve como uma crítica à ideia de bienalização e, ao mesmo tempo, desafia a autoridade de uma mega-instituição.

Através dessa edição da Documenta, Szymczyk quer reconectá-la com a noção e a realidade da “urgência” que desencadeou o projeto em primeiro lugar. Atenas, como uma cidade irmã, era uma das possibilidades onde isso poderia acontecer. Eu acredito que a longa e orgânica convivência operacional dos dois locais — através do veículo de um megashow como a Documenta e seu processo organizacional que leva anos de duração — já foi oferecendo a Atenas um certo tipo de visibilidade que vai além dos tradicionais clichês. Talvez a Documenta 14 vá lançar alguma luz — de maneira diferente da que a mídia tem feito durante todos esses anos de crise — sobre o espaço cinza cimentado entre o Parthenon e o porto de Pireus, que leva para as belas ilhas. E esse pode ser o caminho para uma compreensão mútua da diversidade, bem como das nuances da semelhança de atitudes, estilos, vozes, dentro da Europa, mesmo dentro do Sul e definitivamentedentro do mundo.

A Documenta 14 não quer forçar “migração” (que pode não ser a palavra certa para a prática dos globetrotters da arte) ou turismo cultural voluntário, para ser mais precisa. Essa não é a ideia. Os eventos, as exposições e o projeto da Documenta 14 serão estruturados de forma que os visitantes não sintam que estarão perdendo algo se não puderem viajar entre os dois espaços. Claro que vai ser uma bênção se todos os visitantes tiverem a oportunidade de estar presentes em ambos os lugares (e metaforicamente entre eles também). Esforços estão sendo feitos para tornar esse deslocamento o mais fácil possível. No entanto, o que é mais importante do que ver tudo, para os visitantes que irão visitar ambos os lugares, é ser capaz de ver o “mundo” a partir de diferentes posições, de baixo para cima e de cima para baixo e não exclusivamente de cima para baixo.

A resposta mais precisa à sua pergunta pode ser encontrada nas palavras de Adam Szymczyk:“Os dois projetos, realizados de diferentes maneiras, aprendendo a partir de seus próprios lugares e com o outro, irão formar duas imagens que jamais poderiam ser sobrepostas para formar uma única imagem. Da mesma forma, as duas exposições não poderão ser apreendidas a partir de um único ponto de vista. Ao pedir aos visitantes da Documenta que tomem uma rota semelhante a de seus produtores, e tomem seu tempo permitindo uma pausa na visibilidade ao viajar entre os dois locais, a minha esperança é que a exposição voltará a se envolver em um processo de transformação cultural .”
 



A Bienal de Berlim deste ano, com curadoria do coletivo pós-internet DIS, foi duramente criticada por sua suposta falta de preocupação com os eventos sociais ou políticos que estão ocorrendo na Europa hoje e por sua professada negação de práticas “artivistas”, tão na moda atualmente. Fixando firmemente seus olhos em um futuro especulativo moldado pela tecnologia, a Bienal e a arte que apresenta são acusadas de não se engajar suficientemente nem com o passado nem com o presente, ignorando diferenças históricas, sociais, políticas e culturais ao redor do mundo. Em vez de permitir a coexistência de uma multiplicidade de temporalidades e epistemologias, são acusados de associar o “progresso” mais uma vez aos paradigmas hegemônicos do Norte. Por outro lado, a arte do Sul pode muitas vezes ser excessivamente “social” — no sentido de uma espécie de “sociologização” –, sendo, portanto, vinculada a uma realidade sociopolítica local, a qual está constantemente denunciando ou comentando. Esses dois “tipos” de arte são realmente opostos? Existe um meio-termo ou um diálogo possível aqui?

Solange Farkas: Sim, existem diálogos possíveis, sem dúvida. A questão não reside nos tipos de arte praticados, mas sim nos discursos que organizam, valorizam e validam essas diferentes práticas. Não importa que elas sejam diferentes, mas que sejam pensadas em teias de relação diferentes. A questão talvez tenha uma outra dimensão, mais prosaica e por outro lado mais grave: a produção artística reflete questões prementes de certas sociedades, regiões; assim, de uma certa forma, é natural que em certas regiões a produção artística e o pensamento curatorial não se ocupem de uma certa sociologia. Por outro lado, é um pouco assustador que isso ocorra, já que curadores e artistas dessas regiões ainda vivem em um mundo violentamente injusto e desigual.

Marina Fokidis: Pode-se dizer talvez que essa questão contém também a própria resposta. De fato, algumas duras críticas têm sido feitas à última Bienal de Berlim, mas também algumas poucas bastante positivas. Acho que todo o conjunto apresentado naquela bienal foi bastante coerente e sólido. Para mim, foi tão errada que considero muito bem-sucedida. Não é fácil apresentar o erro — o erro cru, e não o erro performado. É um gesto corajoso também. Eu vi a última edição da Bienal de Berlim como uma ode ao “vazio”. O vazio social,  sentimental, mental e cultural. Fez-me lembrar um pouco a mesma sensação que tive quando vi um dos primeiros filmes de Jim Jarmusch, Stranger than Paradise (Mais estranho que o paraíso), no qual os três protagonistas oscilam entre as diferentes paisagens dos EUA, totalmente sem palavras. Mudos não pela beleza ou o impacto da paisagem, mas, pelo contrário, porque eles não têm nada a dizer sobre o mundo como ele está se desenvolvendo. Porque sentem o vazio.

Sob esse escopo, esta Bienal poderia não ter ignorado o passado e o futuro, e o presente social e político, como muitos pensavam, mas estava precisamente envolvida com ele da mesma forma como muitos se envolvem com ele em privado na frente de suas telas de computador. Navegam ao mesmo tempo entre as horríveis notícias do dia repletas de desespero, desapropriação, guerras e mortes, e suas dietas livres de glúten e fóruns crossfit. Essa é muitas vezes a maneira pela qual vários praticantes — o que é fundamental para a Bienal — recebem suas informações de modo a aplicar seu ativismo e se manterem ocupados, transformando o mundo em um lugar melhor. Esse é talvez um problema maior do que o desta edição da Bienal de Berlim. Claro que é muito importante para diferentes temporalidades culturais e diferentes histórias problemáticas de injustiça serem representadas nessas megamostras. Mas, como isso está se tornando uma norma, quase uma exigência para uma exposição bem-sucedida, perde sua relevância. É um gesto automático que se torna entorpecedor no momento em que atinge o solo de uma sala de exposições. Em meio a todas essas exposições necessárias — que incluem fortes debates sobre a migração, a exploração, as injustiças históricas, mas que obtêm fundos para a sua realização de empresas multinacionais, de regimes autoritários ou corporações multinacionais (porque não há outro caminho) –, um projeto como a Bienal de Berlim é um interlúdio útil, uma espécie de “wake up call”, apesar de sua fraqueza.

O Brasil tem sido chamado de “o país do futuro”. A frase é muitas vezes completada, no entanto, com um “e sempre será”. Parece que o Sul está em permanente estado de “tornar-se”, de “vir a ser”. Em vez de apenas uma questão de espacialidade, a divisão Norte e Sul parece ser uma questão de temporalidade também, ou na verdade, de temporalidades. Se o Norte parece já ter chegado à chamada era pós-contemporânea (que é o tema da Bienal de Berlim deste ano, intitulada The Present in Drag), o Sul parece estar ainda se debatendo com a ideia de modernidade (que ainda não foi devidamente historicizada), excessivamente ocupado com a história e suas reescritas, parece incapaz de conceber um futuro – ainda que se acredite que é justamente o Sul que está mais bem equipado para inventá-lo.

Solange Farkas: Ao meu ver, esta frase “o Brasil é o país do futuro” é desatualizada; trata-se de um clichê antigo cunhado durante a Segunda Guerra. Coexistem diferentes temporalidades no Sul, tal como no Norte. Essas diferenças aqui são menos homogêneas que no Norte, mas transitamos por contextos paralelos que expressam (ou sintetizam) diferentes temporalidades, algumas mais próximas a padrões do Norte, outros nem tanto. No que diz respeito à invenção do futuro, o Sul talvez tenha mais potencial – conceitual, afetivo –, mas é preciso expandir e sofisticar nossa autonomia antes que isso seja possível.

Marina Fokidis: Acho que o Norte e o Sul, o Oriente e o Ocidente, tudo de fato chegou na pós- contemporaneidade. Somos todos interdependentes. Talvez isso seja expresso de forma diferente, em diferentes regiões — “expressão” é muitas vezes influenciada pelo ambiente, a política, a sociedade, a paisagem, o sol, a luz, o clima… Acho que o ponto é a “autonomia” do Sul. O mundo inteiro está em um estado constante de tornar-se e talvez o “Sul” como um estado de espírito pode desempenhar um papel importante nesta fase — para um mundo melhor.


Esta entrevista foi originalmente publicada pela revista ARTE!Brasileiros.
Confira a entrevista com Marina Fokidis através do link.

Arte!Brasileiros Arte!Brasileiros