Future Perfect “Não exagerem na ordem!”

Os participantes
Os participantes | © Takuya Suzuki

Em workshops organizados pelo projeto SEEDS OF LIFE, onde montam jardins em miniatura, os japoneses aprendem que mesmo em um espaço bem reduzido já é possível sentir a energia das plantas locais.

A atenção dos participantes se volta para John. Com muito humor, ele fala sobre seu projeto SEEDS OF LIFE. E o evento começa. Na terra negra colocada à disposição pelo SEEDS OF LIFE, é plantada uma mudinha – de tomate, manjericão ou calêndula – e depois uma fileira de sementes, como trigo sarraceno, centeio, trevo, feijão, calêndula ou pimentão. É um dia quente de verão, o último domingo de abril, e estamos no restaurante experimental de Agri-Dining Roppongi Nouen. Perto da estação de metrô Roppongi, no centro de Tóquio, está se iniciando um workshop LOHAS, promovido pela revista SOTOKOTO e apoiado e organizado pela orgabits, um projeto para o fomento do cultivo ecológico de algodão. Durante um saboroso almoço, refletimos conjuntamente sobre a natureza e nosso dia a dia. Na sequência, todos os participantes criam seu próprio canteiro em miniatura.

Canteiros do tamanho de folhas e uma fazenda no meio da cidade

O workshop é liderado por John Moore. Algumas pessoas já o conhecem. O irlandês nato mora atualmente em Tsubayama, uma pequena vila de montanha, próxima ao curso superior do rio Niyodogawa, na província de Kochi, no sul do Japão. Lá, ele trabalha em seu projeto SEEDS OF LIFE, que se dedica à proteção das sementes de plantas nativas. Além de seu trabalho como empresário, John promove regularmente workshops e palestras sobre sementes, solo e a natureza. Seu projeto mais conhecido, que é o tema de nosso workshop, ensina como plantar um canteiro de ervas em miniatura, do tamanho de uma folha de papel.

Antes do início do workshop, ainda podemos nos fortificar num ambiente de tirar o fôlego, com vista para toda a cidade de Tóquio. A tenda onde o evento ocorre pertence a um restaurante, que, por sua vez, pertence à fazenda Roppongi Nouen. Num pequeno roçado, aqui, no meio da metrópole, orgabits cultiva algodão orgânico. Neste ambiente especial, os participantes podem se servir num bufê rico em variedades de pratos preparados com verduras da estação. Satisfeitos e contentes, os amigos do meio ambiente estarão prontos para dar início ao workshop. Muitos dos participantes são leitores da revistaSOTOKOTO, alguns vieram até de outras províncias especialmente para o evento.
 
  • John Moore com duas calêndulas © Takuya Suzuki
    John Moore com duas calêndulas
  • Antes do workshop, os participantes desfrutam do buffet de Roppongi Nouen. © Takuya Suzuki
    Antes do workshop, os participantes desfrutam do buffet de Roppongi Nouen.
  • Antes do workshop, os participantes desfrutam do buffet de Roppongi Nouen. © Takuya Suzuki
    Antes do workshop, os participantes desfrutam do buffet de Roppongi Nouen.
  • John Moore fala sobre sementes e a relação do homem com a natureza. © Takuya Suzuki
    John Moore fala sobre sementes e a relação do homem com a natureza.
  • Antes do plantio, as sementes de algodão são mergulhadas em uma mistura de água com cinzas de madeira. © Takuya Suzuki
    Antes do plantio, as sementes de algodão são mergulhadas em uma mistura de água com cinzas de madeira.
  • Sementes de calêndula © Takuya Suzuki
    Sementes de calêndula
  • Recipiente de tamanho médio recebe primeiro a terra; depois, as mudas e sementes são plantadas. © Takuya Suzuki
    Recipiente de tamanho médio recebe primeiro a terra; depois, as mudas e sementes são plantadas.
  • Depois do workshop, é hora da troca de ideias. © Takuya Suzuki
    Depois do workshop, é hora da troca de ideias.

Na semente, a energia

Antes de tudo, os participantes escolhem se querem trabalhar com uma garrafa plástica de dois litros vazia ou com uma caixa de plástico do tamanho de uma folha de papel ofício. John explica: “Vocês acreditam que as montanhas são seres vivos? Eu moro há três anos em Kochi, mas só agora entendi que as montanhas também se modificam lentamente. O que acontece é que nós, como pessoas que vivem num tempo de mudanças rápidas, não percebemos mais isso. O que são ‘seres vivos’? Montanhas, pedras e sementes de plantas também são seres vivos. Para que uma semente possa brotar, ela precisa de terra e de um pouco de água e sol. Intervenções humanas, como adubos e pesticidas, não são realmente necessárias. As próprias sementes já contêm a energia necessária. As sementes se comunicam entre si e criam para si próprias o ambiente ideal. Podemos vivenciar, aprender e exercitar isso tudo numa área equivalente a uma folha de papel.”

Então começamos a plantar. De vez em quando, John dá instruções: “Não exagerem na ordem! Não amassem a terra!” É importante que não se exerça pressão sobre o solo e que a terra continue fofa e arejada. “Quando cultivamos plantas, adquirimos consciência não apenas quanto à relação entre as diversas sementes entre si, mas também quanto ao nosso próprio relacionamento com as sementes.” Em um outro recipiente, sementes de algodão são preparadas para o plantio e oferecidas aos participantes, juntamente com os minicanteiros plantados para serem levados para casa.

O que aconteceu com meu jardim de ervas em miniatura? Segui o conselho de John e o umidifiquei todos os dias com três ou quatro borrifos de água. Apenas uma semana depois, os pequenos brotos verdes foram surgindo pouco a pouco da terra. Com certeza os outros participantes do workshop também estarão felizes em suas casas, com seus pequenos e verdes jardins.