Phonosophia
Goethe na Vila

Phonosophia

Na instalação Phonosophia é apresentada uma coleção de objetos musicais criados em cerâmica pela artista Camila Sposati com base na anatomia das partes “musicais” dos seres humanos e dos animais, como o ouvido e a garganta, e dos instrumentos, como o trompete e os de percussão.

O espaço do Goethe na Vila está aberto à visitação às quintas-feiras (das 16h às 20h) e aos sábados (das 14h às 17), quando acontecem ensaios abertos com os músicos convidados Alex Buck, Luana Baptista, M. Takara e Tom Monteiro. Cada colaborador elaborou uma pergunta referente aos instrumentos de Phonosophia que tentará responder musicalmente em apresentações durante o período de ocupação.
 

Programação:

 
Quinta-feira 20/09, das 16h às 20h

Início da ocupação e apresentação do som dos instrumentos de Phonosophia.
Reprodução de obras selecionada da coleção moraes-barbosa.
Vinis dos artistas Fatima Al Qadiri, Juliana Huxtable, Martine Syms, Pierre Henry, Valie Export, Walter Smetak, François e Bernard Baschet, entre outros.
 
Sábado 22/09, das 14h às 17h
O que elas carregam? por Luana Baptista
A voz da mulher como um instrumento que expressa experiência de vida, memórias, histórias, pensamentos. A cantora cria um manifesto sonoro, a través da improvisação dialogando com vozes de mulheres que reuniu em colaboração com Camila Sposati.
 
Quinta-feira 27/09, das 16h às 20h
Sábado 29/09, das 14h às 17h
De onde ouve a forma? por M. Takara
Peça musical mista de composição e improvisação projetada para sons imaginários e formas sugestivas dos instrumentos de Phonosophia. De onde viriam e como seriam os sons gerados pelos tubos e círculos rígidos, porém enigmáticos? O abstrato dentro do concreto, e vice-versa: uma experimentação aberta e não uma resposta fixa.
 
Quinta-feira 04/10, das 16h às 20h
Sábado 06/10, das 14h às 17h

De quem são as vozes dos vasos? por Alex Buck, participação de Luana Baptista
A palavra voz pode assumir significados diferentes: pode servir como sinônimo de identidade; pode se referir ao fenômeno acústico produzido pela vibração das pregas vocais sob pressão que percorre a laringe (tubo); pode também se referir a uma parte de um todo musical (uma voz dentro de uma polifonia). O Madrigal a Seis Vasos partiu da tentativa de juntar essas três acepções da palavra a partir da gravação de sons produzidos pelos vasos e subsequentes transformações de seus espectros para aproximá-los do timbre da voz humana.
 
Quinta-feira 11/10, das 16h às 20h
Sábado 13/10, das 14h às 17h

Como produzir ar? por Tom Monteiro
Tomando como referência o capítulo 18, “O Jardim Sonoro”, do Livro A Afinação do Mundo, de R. Murray Shafer, o músico pretende produzir questões novas a partir da pergunta “como produzir ar?”. Uma instalação sonora performativa, baseada em mecanismos que produzem “sopros”, reverbera nos instrumentos de Phonosophia.  
 
 

Participantes:

 
Alex Buck
Professor de composição, improvisação e análise musical na EMESP Tom Jobim. Mestre em composição eletroacústica pela Unesp, suas produções se concentram na área da composição acusmática. Coordena o EMEXP - Ensemble de Música Experimental, na EMESP, grupo que se dedica à pesquisa e à elaboração de repertório autoral a partir de práticas de improvisação livre.
 
Camila Sposati
Artista visual. Suas obras investigam processos de transformação e de energia, muitas vezes se aproximando da metodologia de pesquisa científica. Esses processos são considerados em ambas as escalas, microscópicas e globais, a exemplo da produção de cristais em laboratórios e estudos dos efeitos geológicos na crosta da Terra. Dentro desse campo de pesquisa, realizou atividades na Amazônia, no sertão da Bahia, no Turcomenistão, no Uzbequistão, no Reino Unido, na França, na Holanda e no Japão. Em sua obra, Sposati também justapõe material e processos históricos a fim de desafiar o tempo oficial e seus significados.
 
Luana Baptista
Cantora, compositora e performer. Pesquisa diferentes linguagens de improvisação, a música vocal e cantos originários da América Latina, e o poder do som como ferramenta de cura e transformação.  Atualmente se dedica a criações individuais no seu projeto solo e coletivas em projetos como a Orquestra do Corpo, o Nomade - Lenna Bahule, e o duo LUME. 
 
Mauricio Takara
Músico, multi-instrumentista e compositor. Fundador do sexteto de rock instrumental Hurtmold. Expandiu sua música e pesquisa autoral e trabalhou com artistas de diversos estilos e nacionalidades, como Marcelo Camelo (Los Hermanos), Naná Vasconcelos, Joe Lally (Fugazi), Damo Suzuki (Can). Iniciou um projeto solo como M. Takara e uma parceria com o trompetista Rob Mazurek de Chicago.
 
Tom Monteiro
Produtor, sound designer, performer e compositor de música eletrônica minimalista. Músico autodidata, iniciou suas atividades musicais aos onze anos de idade como baterista e percussionista. Graduou-se em Comunicação e Multimeios pela PUC-SP. Tem se dedicado à criação de música e sonoridades para dança, teatro e performance.