Home Lab. Experimentação sonora e visual
Goethe na Vila

Home Lab. Experimentação sonora e visual

Com intuito de fomentar a cultura hip-hop na região central de São Paulo, o projeto “Home Lab. Experimentação sonora e visual” traz artistas oriundos do Grajaú para propor um diálogo a partir do rap e do graffiti. O espaço do Goethe na Vila serve então de laboratório de co-criação em música e artes visuais.

O hip hop é marcado por uma efervescência cultural polifônica e plural que coloca em diálogo diferentes manifestações artísticas, tendo o rap e o graffiti como possíveis chaves de interpretação do movimento. O projeto “Home Lab. Experimentação sonora e visual” visa explorar a riqueza textual e semiótica contida nestas duas linguagens propondo vivências empíricas e teóricas. Através do rap e do graffiti se estabelecem cruzamentos com as possibilidades abertas pela cidade, permeando a interação direta entre estas duas importantes vertentes da cultura hip-hop.

Em suma, durante este projeto, o Goethe na Vila, além de oferecer um espaço de convivência musical, é equipado com a estrutura de um home studio para criação e gravação de músicas que irão compor um EP de 5 faixas. Já os artistas cujo foco é o graffiti usam o espaço como um ateliê, produzindo obras em suportes alternativos, descartados no entorno da Vila Itororó e da região central.

Durante o desenvolvimento do projeto "Home Lab. Experimentação sonora e visual", o espaço Goethe na Vila abre ao público para ensaios abertos e jam sessions, convocando músicos e artistas de diferentes regiões e de diversos gêneros. Essa vivência também traz rodas de conversa a fim de propor um intercâmbio entre o centro e a periferia, ampliando o repertório cultural dos envolvidos. Na fase final do projeto acontece também uma exposição das obras visuais realizadas pelos grafiteiros, assim como o lançamento do material fonográfico produzido durante a permanência dos artistas no espaço.

Integrantes 

Gelson Salvador é formado em artes visuais e ministra oficinas de graffiti para crianças e adolescentes em situação de risco social. Atua como grafiteiro desde 2002 e já expôs sua arte por muitos lugares como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Goiás e Bahia.

Harry Borges é arte-educador e artista plástico com vasta experiência na técnica do graffiti, formado pela Faculdade Paulista de Artes. Há mais de 15 anos, desenvolve intervenções artísticas através de oficinas de artes, desenho e pintura, com crianças, adolescentes, jovens e adultos.

Fernando Silva Sampaio é estudante de geografia na Universidade de São Paulo (USP). Além de ensinar geografia pela Secretaria de Educação de São Paulo desde 2013, trabalha como produtor musical independente. Já realizou diversos trabalhos musicais para grupos do distrito do Grajaú.

Robsoul iniciou no movimento hip hop em 1998, quando escreveu seu primeiro rap; em 2003, lançou seu primeiro disco. Paralelamente, se formou em pedagogia pela Faculdade Sumaré. Atualmente, além de MC e compositor, também atua como professor na Rede Pública Municipal de Ensino.

Mano Money’s é MC, compositor e arte-educador. Atua na área social e desempenha um papel de articulador territorial. Desde 2007, desenvolve seu trabalho com o rap e vem se apresentando em eventos de relevância para o hip hop e para a cultura na cidade.