Visita em Casa
Jordi Puntí

Jordi Puntí Jordi Puntí | © Stefanie Kremser Jordi Puntí nasceu em 1967 e vive em Barcelona. É escritor, jornalista e tradutor. Inicialmente, publicou as coletâneas de contos Pell d’armadillo [Pele de tatu] (1998) e Animals tristos, de 2002 (Animais tristes, 2010), antes de publicar, em 2010, seu romance de estreia: Maletes perdudes (Bagagem perdida, 2012). Traduzido para 16 línguas, o livro recebeu diversos prêmios – entre outros, o Prêmio dos Críticos de Literatura Catalã e o Prêmio Lletra d’Or. Recentemente, em 2011, Puntí publicou Els castellans [Os castelhanos]. O volume contém vários artigos que abordam as relações entre as crianças catalãs e imigrantes que chegam a uma cidade industrial catalã nos anos 1970.

Jordi Puntí escreve regularmente para o jornal El Periódico e para a revista cultural L’Avenç, tendo traduzido para catalão autores como Daniel Pennac e Paul Auster.


Perguntamos a Jordi Puntí

Que impressão você teve das Visitas em Casa e do projeto?
 
“Cada pessoa tem uma história para contar. Ou mais do que uma. Quando falamos com um estranho, encontramos muito facilmente palavras, talvez sem o peso do passado. É isso que me agrada tanto no projeto ‘Visitas em Casa’: ao encontrar-me com pessoas novas, ao visitá-las em suas casas e passar tempo com elas, surgem histórias de vida completamente originais e novas. E, com isso, surge também sempre algo de inesperado, talvez uma surpresa. Somos feitos de histórias e temos necessidade de contá-las a outros.”