Acesso rápido:

Ir diretamente ao contéudo (Alt 1)Ir diretamente à navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente à navegação principal (Alt 2)

O fator subjetivo

O fator subjetivo © Salzgeber
Idioma: alemão
Legendas: inglês
Gênero: documental
País: Alemanha
Ano: 1981
Direção: Helke Sander
Com: Angelika Rommel, Nikolaus Dutsch, Dominik Bender, Lutz Weidlich
Produção: Helke Sander Filmproduktion GmbH (Berlín), Zweites Deutsches Fernsehen (ZDF) (Mainz)
Duração: 138 minutos

______________________________

Para narrar o movimento feminista e o feminismo na segunda metade do século 20, a diretora Helke Sander escolheu uma mistura de ficção e documentário para O fator subjetivo. Este filme, com conotações autobiográficas, é sobre a aluna Anni, que vive os primórdios da segunda onda do movimento feminista, reside com o filho em uma comuna e mostra seu envolvimento crescente. O foco do filme não está apenas na iniciativa das mulheres, mas também nas circunstâncias sociais de onde elas vêm. Os jovens protestaram contra a Guerra do Vietnã e buscaram modos de vida alternativos. As estruturas patriarcais influenciaram a vida das mulheres, tanto no local de trabalho quanto em seu mundo privado. Helke Sander está entre as pioneiras que lutaram pela autodeterminação e igualdade. No Congresso da Associação Alemã de Estudantes Socialistas (Sozialistischer Deutscher Studentenbund, SDS), em setembro de 1968, ela quis levantar qual seria o papel das mulheres e disse: “Camaradas, se vocês não estão dispostos a fazer essa discussão, então teremos que confirmar que a SDS nada mais é do que uma massa de fermento contra-revolucionária inflada ”. Em seguida, um tomate voou, que foi o que desencadeou esse movimento feminista. O filme termina com a afirmação filosófica: “Há muita falsidade no que é verdadeiro”.

Em 1972, Helke Sander foi uma das fundadoras do grupo feminista "Bread and Roses", e foi coautora do Manual da Mulher nº 1. Junto com Claudia von Alemann, ela organizou em 1973 o "International Women's Film Seminar" em Berlim, que na verdade era um festival de cinema feminino. Em 1974, ela fundou a primeira revista de cinema feminista na Europa, Frauen und Film (Mulheres e Cinema), da quai foi editora até 1982.


Assistir ao filme agora
Top