Flux Game Studio, São Paulo Bianca de Abreu Antunes

Bianca de Abreu Antunes
© Bianca de Abreu Antunes

De que forma você descobriu sua paixão pelos jogos e qual é seu jogo preferido hoje?
A primeira coisa que me chamou atenção nos jogos foi o seu visual, que sempre me encantou. Desde que entrei nesse mundo, jogos são tudo o que respiro. Hoje, meu jogo preferido seria Transistor.

O que você gostaria de saber sobre o setor alemão de games durante o programa?
Aprender sobre os processos de trabalho, como funciona o mercado, o que as pessoas mais buscam em jogos por lá. Tudo sobre a cultura dos gamers de lá, sobre os eventos, a comunidade de desenvolvedores no geral e a comunidade de mulheres da área. 

Quais são, a seu ver, os maiores desafios da área de games no Brasil? 
Nós somos bem novos ainda na área de desenvolvimento de jogos, e temos muito o que aprender. Além da falta de experiência, temos altos impostos e poucos incentivos. Sem contar que é bem difícil escalar um jogo indie nacional para outros países, aumentando a visibilidade (e as vendas).
 

Perfil do estúdio: 

A Flux Game Studio foi fundada em 2012 e já produziu mais de 60 títulos atendendo empresas grandes como Braskem, Ambev, McDonald’s. Em 2016, mudou sua estratégia de negócio para atacar o mercado de games voltado para consumidores, onde desenvolveu os games Trenga, lançado para dispositivos móveis e destacado no Google Play, e GUTS, lançado recentemente para PC e logo mais para consoles.
A Flux entende games como algo que deve ser criado pensando na cultura da equipe e nos jogadores pelo globo