Thoughtfish, Berlin Mia Tinglöf

Mia Tinglöf
© Mia Tinglöf

De que forma você descobriu sua paixão pelos jogos e qual é seu jogo preferido hoje?

Ou foi no Natal, quando a minha mãe comprou para mim e para meus irmãos um Game & Watch; ou foi no verão, quando um vizinho me apresentou o ZX Spectrum e acabamos jogando Frankie goes to Hollywood o verão inteiro. Não me lembro bem o que veio primeiro. Meu jogo favorito hoje em dia é UFO: Enemy Unknown, e Ghost trick em segundo lugar.

O que você gostaria de saber sobre o setor brasileiro de games durante o programa?

Sei muito pouco a respeito da cena brasileira de games e quero mudar essa situação durante a programação. Vai ser interessante ver se há alguma diferença na forma como um estúdio funciona no Brasil, em comparação com outros estúdios que já conheci anteriormente.

Quais são, a seu ver, os maiores desafios da área de games na Alemanha? 

A meu ver, o maior desafio para a indústria dos games, não apenas na Alemanha, é fazer com que ela se torne mais inclusiva e mais diversificada. Se pudermos ter todo tipo de desenvolvedores de games, vamos ter uma variedade maior de jogos e, com isso, uma abertura do mundo dos games para muita gente.
 

Perfil do estúdio:

Thoughtfish desenvolve uma próxima geração de jogos e aplicativos em realidade aumentada sensíveis a contexto. Para nós, AR significa mais que um overlay de câmera: nossos jogos e aplicativos envolvem todo o contexto do usuário. Nossa tecnologia COALA, desenvolvida no nosso próprio estúdio, que acumula diversas fontes de dados, sabe exatamente se o usuário está sentado num parquinho para crianças debaixo de chuva ou se ele está andando pelo calçadão de uma zona comercial. A partir desses dados, adapta-se o conteúdo do jogo, ou seja, as sugestões dos aplicativos, de acordo.