Acesso rápido:

Ir diretamente ao contéudo (Alt 1) Ir diretamente à navegação principal (Alt 2)

Irracionalidade coletiva
“O estúpido é alguém que tem medo”

Para a ativista e pesquisadora brasileira, é preciso promover o conhecimento sobre temas que geram temor ou raiva, a fim de fazer com que as pessoas não queiram mais eliminar a diferença.

Por Yasodara Cordova

Para mim, estupidez coletiva é algo muito difícil de definir, porque pode criar essa divisão entre os iluminados e os ignorantes. O estúpido seria inferior ao inteligente, educado, nobre; então prefiro entender o estúpido como alguém com medo. Não sei se estupidez seria o melhor termo. Eu poderia utilizar o termo “acuado” no lugar do termo estúpido. A estupidez coletiva é um estado temporal de um determinado grupo, um estado momentâneo, causado pela raiva, ódio ou o medo profundo. Para mim, o coletivo estúpido é o grupo quando precisa de ajuda, quando tem medo de perder algo ou quando está abandonado à própria sorte de algum modo. 

Quando penso em estupidez coletiva, uma situação que lembro é a das pessoas que lincham homossexuais no interior do país, acreditando que essas pessoas seriam enviadas do diabo, trazendo azar à cidade ou comunidade onde convivem. Outra situação de estupidez coletiva é o medo de religiões de matriz africana ou indígena que se espalha no Brasil. 

Igrejas, governos, escolas, pajés 

Possíveis táticas/estratégias para combater casos assim são iniciativas de instituições que têm alguma autoridade sobre as verdades consensuais nas comunidades. Igrejas, governos, escolas e até pajés ou grupos de líderes de toda natureza – essas instituições precisam provocar a comunidade a deixar de lado seu medo, precisam promover o conhecimento sobre os temas que trazem o medo ou a raiva e apaziguar as diferenças, para que as pessoas não queiram eliminar o diferente, o que provoca estranhamento. O único jeito de desfazer a estupidez é esclarecer esse medo das pessoas de algo que não podem controlar.

As situações de estupidez coletiva são fruto de um medo coletivo, que pode levar à raiva ou ao desespero. A única forma de combater a estupidez coletiva é assegurar que não há perigo. É muito difícil quando esse medo é irracional e secular, mas é para isso que a educação e a cultura servem. Educação e cultura são instrumentos poderosos para modificar o estado do coletivo, que pelas mesmas armas pode se tornar estúpido. Quando a estupidez é estrutural e arraigada em determinadas populações, é preciso que políticos e líderes sejam eleitos representando as minorias, para que haja demanda para a mudança.

Carta escrita por Yasodara Cordova sobre estupidez coletiva, e lida durante o workshop do programa Tramas Democráticas, realizado de forma virtual, em 2020.

 

Tramas Democráticas reúne iniciativas e instituições da América do Sul e da Alemanha voltadas para o fortalecimento de práticas e valores democráticos. A rede de instituições participantes encontra-se em constante expansão.

Top