A Luta Amada
Movimentos LGBTQIA+ desde Stonewall

A Luta Amada – Movimentos LGBTQIA+ desde Stonewall

Na Alemanha, a exposição Queer As a German Folk aconteceu no ano de 2019 a partir de uma parceria entre o Goethe-Institut Nova York e o Schwules Museum Berlin, com curadoria de Dr. Birgit Bosold e Carina Klugbauer e apoio da Bundeszentrale für politische Bildung.
 
Na noite de 27 de junho de 1969, pessoas queer de todos os sexos – e entre elas muitas pessoas negras, se revoltaram contra um ataque policial no bar Stonewall Inn, em Nova Iorque. A exposição partiu do aniversário de 50 anos da revolta para exibir ao público histórias do movimento LGBTQIA+ na Alemanha oriental e ocidental e na Alemanha unificada, dos anos 1960 até hoje.
 
A exposição foca nas pequenas e grandes revoluções da revolta – os momentos nos quais o movimento se reinventou, como a lendária “Tuntenstreit” dos gays de esquerda (Tunte é uma palavra pejorativa alemã para descrever gays “afeminados”, aqui reapropriada pelas pessoas LGBTQIA+), a fundação de uma rede de mulheres negras na Alemanha e até intervenções atuais do movimento trans.
 
A exposição traz um relato polifônico da história do movimento e dá espaço as vozes e perspectivas que até hoje não encontraram muita ressonância, por exemplo os queers da Alemanha oriental nos anos 80, cujas ações radicais ainda estão ecoando. A exposição também procura pistas da conexão transatlântica e questiona a influência dos Estados Unidos no movimento LGBTQIA+ alemão e vice versa. 

História da legislação alemã para população LGBTQIA+

Referências bibliográficas

Top