Resgate de alimentos
Ainda dá para comer ou é preciso jogar fora?

Ainda dá para comer ou é preciso jogar fora? Frutas e legumes estão no topo da lista de alimentos descartados nos lares alemães.
Ainda dá para comer ou é preciso jogar fora? Frutas e legumes estão no topo da lista de alimentos descartados nos lares alemães. | Foto (detalhe): © Sirplus

Na Alemanha, quase 13 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçados todos os anos. O Ministério da Alimentação e Agricultura pretende reduzir esse desperdício à metade até o ano de 2030. A iniciativa privada já reconheceu o problema há mais tempo.

Cada lar alemão joga fora em média 75 quilos de comida por ano. Isso é o que mostram estimativas feitas em 2019 pela Universidade de Stuttgart e pelo Instituto Johann Heinrich von Thünen, a pedido do Ministério alemão da Alimentação e Agricultura (BMEL). Quando maçãs, pães e queijos acabam na lixeira, os recursos utilizados também estão sendo desperdiçados: a terra arável, a água e o fertilizante, a energia despendida na colheita, no processamento e no transporte. Sendo assim, as autoridades resolveram abraçar essa questão: através da campanha Zu gut für die Tonne! (Bom demais para a lixeira!), o BMEL pretende reduzir à metade o desperdício de alimentos per capita no país até 2030. O assunto não é, contudo, novo. Muitas iniciativas já vêm lutando há muito tempo para combater o desperdício de alimentos.

a mesa Mágica

Um dos maiores movimentos sociais da Alemanha segue à frente dando o exemplo: desde 1993 a organização filantrópica Die Tafeln (As mesas), financiada por doações, coleta alimentos em boas condições – que em sua maioria não foram vendidos no varejo – e os distribui gratuitamente, ou por um valor simbólico, a pessoas economicamente desfavorecidas. Atualmente, a organização resgata cerca de 264 mil toneladas de alimentos em 30 mil supermercados do país. Com a ajuda de um novo aplicativo, a distribuição de alimentos no futuro deverá se tornar ainda mais eficiente.
Em toda a Alemanha, a organização "Die Tafeln" distribui sobras de alimentos a pessoas necessitadas. 
Em toda a Alemanha, a organização "Die Tafeln" distribui sobras de alimentos a pessoas necessitadas.  | Foto (detalhe): © picture alliance/Jörg Carstensen/dpa

ZERO desperdício: COzinhando das raízes às folhas

Várias iniciativas menores têm por meta aumentar o apreço pelo alimento cotidiano através de cursos de culinária, pois justamente as frutas e as verduras acabam sendo os alimentos mais desperdiçados nos lares alemães. Fundada em 2014 em Berlim, a associação Restlos Glücklich organiza workshops sobre desperdício de alimentos e alimentação menos nociva ao clima. Seminários de “culinária desperdício zero” ensinam como melhor usar as sobras. Na cozinha online, ao vivo na internet, é feita uma deliciosa sopa de folhas de couve-flor. Os salvadores de resíduos alimentares seguem, assim, as ideias de Esther Kern, precursora do movimento “da folha à raiz” na Alemanha. Ela usa o vegetal completo em sua culinária: purê de folha de abóbora com temperos, salada de folhas de rabanete com sementes de abóbora, ao lado de sopa de missô feita a partir de restos e cascas. Sobra pouca coisa para a pilha de compostagem. 
Os salvadores de restos envolvidos com a organização Restlos Glücklich oferecem workshops sobre alimentação amigável ao clima e seminários sobre culinária com zero desperdício. 
Os salvadores de restos envolvidos com a organização Restlos Glücklich oferecem workshops sobre alimentação amigável ao clima e seminários sobre culinária com zero desperdício.  | Foto (detalhe): © Restlos Glücklich /Joris Felix Patzschke

lares desperdiçadores

Enquanto o comércio varejista responde na Alemanha por apenas 4% dos alimentos desperdiçados, mais da metade dos resíduos vem de lares privados, que geram cerca de sete milhões de toneladas de restos a cada ano. De acordo com a pesquisa realizada em Stuttgart, em torno de 40% desse desperdício de alimentos poderia ser evitado se os consumidores comprassem menos, armazenassem suas compras corretamente e tentassem reutilizar em vez de simplesmente jogar fora as sobras. É aqui que o aplicativo da campanha Bom demais para a lixeira! pode ajudar, orientando os consumidores sobre planejamento de compras, planos de estoque e armazenamento – e através de mais de 400 receitas para o aproveitamento de sobras. 

Sem medo da data de validade 

A data de validade é outra das principais razões que levam ao desperdício de alimentos. Ao contrário da opinião generalizada, essa data representa apenas uma diretriz, e não o dia em que um produto deve ser jogado fora. Muitas vezes os alimentos podem ser consumidos dias, ou até meses depois da expiração da data. Um estudo do instituto de pesquisa Forsa constatou que 20% dos alemães jogam comida no lixo apenas porque passou da data de validade. A empresa Tsenso, com sede em Stuttgart, está trabalhando em um novo aplicativo para resolver esse problema. O aplicativo Fresh Index determina a verdadeira data de validade de um alimento em tempo real. Os consumidores finais podem simplesmente escanear o código de barras para ver o quão fresco um alimento realmente está. E, como a Restlos Glücklich, de Berlim, a Tsenso foi indicada ao Prêmio Nacional Bom demais para a lixeira! de 2020. 

compaRtilhando comida

Hoje em dia, há um verdadeiro leque de aplicativos e iniciativas online para recicladores de sobras e resgatadores de alimentos. É possível fazer um pedido na Sirplus, um supermercado online para alimentos excluídos, ou comprar vegetais tortos de agricultores orgânicos via Etepetete. Muita gente recorre também a formatos como Foodsharing, uma iniciativa lançada em Berlim em 2012, que se tornou um movimento internacional com mais de 200 mil adeptos na Alemanha, Áustria, Suíça e outros países europeus. Os foodsharers (compartilhadores de comida) resgatam alimentos indesejados e excedentes em casas ou empresas e os postam em seu site. Ou descarregam em um “fair-teiler” (distribuidor justo), que são prateleiras ou geladeiras em locais de fácil acesso, como por exemplo um campus universitário ou a sala de uma associação comunitária, onde restos de alimentos podem ser armazenados e disponibilizados gratuitamente. Esses distribuidores são registrados em uma plataforma e dispostos em um mapa acessível a todos os usuários. O aplicativo Uxa também pode ser utilizado para levar sobras de comida até os pratos de pessoas necessitadas.
Em seus "mercados de resgate", como aqui em Berlim, no bairro de Friedrichhain, bem como em sua loja online, a start-up Sirplus oferece restos de alimentos de produtores e atacadistas.
Em seus "mercados de resgate", como aqui em Berlim, no bairro de Friedrichhain, bem como em sua loja online, a start-up Sirplus oferece restos de alimentos de produtores e atacadistas. | Foto (detalhe): © Sirplus/Martin Egbert

sacolinhas SURPRESA no fim do expediente

Desenvolvido na Dinamarca, o aplicativo gratuito Too Good To Go oferece “sacolinhas surpresa” a um preço reduzido: empresas parceiras postam seus alimentos excedentes pouco antes do horário de fechamento da loja. Os clientes podem então reservar uma refeição, pagar via Paypal ou cartão de crédito e buscá-la no restaurante. O consumidor leva para casa, em sacolinhas de papel marrom, sobras da vitrine da padaria ou do buffet de um restaurante, desfrutando de comidas deliciosas que de outra forma acabariam indo parar na lata de lixo.

Top