Inspirador
Como Berlim convida seus cidadãos a regar árvores

A iniciativa ““Giess den Kiez”” está ajudando árvores em Berlim
A iniciativa ““Giess den Kiez”” está ajudando árvores em Berlim | © Florian Reimann

Os verões estão se tornando cada vez mais secos, assim como as outras estações, o que não traz a quantidade de chuvas com as quais a Alemanha estava acostumada. As árvores de Berlim estão sofrendo por causa da crise climática. Como uma plataforma digital e cidadãos engajados podem ser a solução?

Por Jonaya de Castro e Laura Sobral

Inspirador é um projeto que está repensando cidades sustentáveis ao identificar e compartilhar iniciativas inspiradoras e políticas de mais de 32 cidades em todo o mundo. A pesquisa está sistematizando esses casos e essas ideias em categorias, representadas por hashtags.

#democratizar_espaços
A disponibilidade de espaços públicos de qualidade, combinada com habitação a preços acessíveis e acesso a serviços essenciais da cidade para todos os residentes são um aspecto central de uma boa qualidade de vida urbana. Os espaços públicos melhoram o clima local, a consciência ambiental, representam benefícios para a saúde e energizam a economia local. Cidades que entendem que ter uma casa é um direito básico se aproximam de democratizar o acesso à moradia inspirando outras cidades ao redor do mundo

Quando você anda de bicicleta por Berlim, pode ver que é uma das cidades mais verdes da Europa. Há mais de meio milhão de árvores, algumas das mais antigas sendo sobreviventes da Segunda Guerra Mundial.

Infelizmente, a crise climática está ameaçando todo esse verde. “Se você mora em Berlim, deve ter notado que os últimos dois anos foram realmente secos, quando sofremos com essa seca”, diz Julia Zimmermann, gerente do CityLAB Berlin, um laboratório de inovação que trabalha com dados para responder a problemas urbanos. No último ano, houve uma perda de 20% do número de árvores existentes na cidade em função do aumento da temperatura e da redução da umidade e das chuvas.

A manutenção de árvores é um grande problema logístico para a cidade

O município de Berlim estima que custa € 2.000 para plantar e manter uma árvore nos primeiros dois anos, sendo necessários 50 litros por dia. É por isso que o laboratório de inovação da cidade criou o projeto ”Giess den Kiez”, uma plataforma digital que permite às cidadãs e aos cidadãos conhecer as espécies de árvores de cada bairro e se comprometer a regá-las. O projeto foi criado a partir dos dados abertos já disponíveis nas plataformas de governo, para priorizar e otimizar as rotas de água, permitindo um novo tipo de colaboração entre as autoridades e a comunidade.

O CityLAB Berlin se denomina um laboratório experimental para a cidade do futuro que combina os elementos de um workshop digital, um espaço de co-working e um espaço para eventos. Representantes do governo, sociedade civil, academia e empresas iniciantes desenvolvem de forma colaborativa novas idéias para garantir e melhorar a qualidade de vida em Berlim. “Somos uma equipe pequena, mas ágil, trabalhando em conjunto, partilhando as suas ideias de forma muito colaborativa”, garante Zimmermann. O Lab, sendo de maneira geral financiado e gerido pela Technologiestiftung Berlin, financiada pelo Senado, considera a digitalização uma oportunidade para repensar os processos existentes, superar as barreiras sociais e criar novas formas de participação cívica.
 

A ideia do ”Giess den Kiez” surgiu de forma bastante orgânica, uma vez que os criadores do projeto notaram quantos dados sobre as árvores da cidade já estavam disponíveis: o Bund für Umwelt und Naturschutz Deutschland (BUND) já tinha mapeado mais de 500 mil árvores em seu site. “Então, pensamos: por que não somar a esses dados algo que possa agregar algum valor a mais?”, questiona Zimmermann.

A equipe do CityLAB decidiu então desenvolver uma plataforma que combinasse esses dados com outras informações, como a quantidade de chuva ou água que é necessária para cada espécie. O objetivo foi disponibilizar informações que seriam valiosas para as comunidades que já estavam mobilizadas para regar as árvores da cidade. O aplicativo foi criado pela equipe a partir de plataformas abertas, como o Open Street Maps, e dados abertos de fontes governamentais.

O New York City Street Tree Map foi um projeto inspirador para a criação de ”Giess den Kiez”. Nessa plataforma, é possível clicar em uma árvore e calcular seus custos ou economias para a cidade além de seu consumo de CO2.

A plataforma ”Giess den Kiez” oferece um mapa que permite explorar mais de 627 mil árvores, mostrando quais árvores precisam de qual quantidade de água, dependendo de sua idade e perfil de manutenção. Os usuários e usuárias podem indicar quando regaram uma árvore pela última vez e inscrever-se em árvores específicas se quiserem regá-las regularmente. O mapa também mostra a quantidade de água da chuva que uma árvore recebeu nos últimos 30 dias. Esses dados são retirados do Serviço Meteorológico Alemão e atualizados diariamente. O mapa permite que a comunidade, assim como o município, veja quais árvores precisam mais de sua atenção.

No aplicativo você pode visualizar a quantidade de água que uma árvore específica necessita.
No aplicativo você pode visualizar a quantidade de água que uma árvore específica necessita. | © Screenshot CityLab

As pessoas estão prontas para colaborar

No momento, mais de 1.000 cuidadoras e cuidadores cidadãos estão registrados e mais de 7.000 árvores são cuidadas. Zimmermann conta que no início do projeto se interessava apenas pelo aspecto de dados abertos. Mas, à medida que o trabalho avançava, o que se revelou realmente importante para o projeto foram as pessoas. Ela destaca o quanto as pessoas se interessam e se envolvem com o assunto. Ela acredita que as cidadãs e os cidadãos de Berlim criam uma forte conexão emocional com as árvores dos bairros onde cresceram. "Eles sentem que é sua própria árvore, embora não seja sua árvore no sentido de propriedade privada."

“Nunca devemos subestimar a relação que as pessoas têm com a cidade em que vivem, o quanto desejam estar engajadas em seus processos”.

Julia Zimmermann

Uma das premissas do CityLab Berlin é estar aberto ao feedback dos usuários e usuárias. A quantidade de feedback, no entanto, não era algo que eles esperavam e foi como um tsunami. Um problema eram as bombas de água municipais. “Nunca pensamos nas bombas porque, à primeira vista, também não eram tão importantes para nós”, diz Zimmermann. Nesse caso, o feedback da comunidade foi essencial. As pessoas queriam usar as bombas públicas para regar as árvores, em vez de carregar a água de seus apartamentos. Por isso, ajudaram a atualizar os conjuntos de dados referente às bombas, para que isso fosse possível. Zimmermann menciona que trabalhar com dados abertos e sistemas de código aberto, como o OSM (Open Street Maps), foi essencial. Essa escolha permitiu um tipo de colaboração com o público em que os próprios usuários puderam enviar novas informações atualizadas, também confirmando ou rejeitando os envios de outros usuários.

“Minha dica para alguém que deseja fazer algo semelhante: esteja preparado para um grande retorno da comunidade”.

Julia Zimmermann

O CityLAB Berlin considera que a melhor coisa que poderia acontecer ao ”Giess den Kiez” seria tornar-se uma política pública. Eles apontam que é um caminho desafiador atender às necessidades da comunidade e ao mesmo tempo levar em conta a intenção das autoridades, buscando satisfazer ambas as partes. “Código aberto e dados abertos permitem esse novo tipo de colaboração: especialmente no que diz respeito à comunicação entre autoridades e comunidades – não há interface entre os dois. Tem um grande potencial”, conta Julia Zimmermann, gerente da plataforma ”Giess den Kiez” no CityLab Berlin.

Inspirando outras cidades

A plataforma criada pelo CityLAB já está inspirando outras cidades com sua história e resultados. Como o aplicativo é totalmente baseado em dados abertos, a adaptação não deve ser tão desafiadora. A cidade de Leipzig procurou o CityLAB e, como tudo é open source, eles puderam copiar todo o código.

”Giess den Kiez” é uma ferramenta de conexão que combina dados abertos em um mapa, o envolvimento da vizinhança e a necessidade de manutenção de árvores. No entanto, é mais do que uma ponte que conecta as árvores que precisam de água e as pessoas que querem cuidar de sua cidade regando as árvores. Ela conecta pessoas e democratiza o espaço.

 

ESTA SÉRIE É SOBRE O QUÊ?


O projeto Inspirador para Cidades Possíveis é uma criação colaborativa de Laura Sobral e Jonaya de Castro com o objetivo de identificar experiências entre iniciativas, conteúdos acadêmicos e políticas públicas que visam cidades mais sustentáveis e cooperativas. Se assumirmos que nosso estilo de vida dá origem aos fatores que estão por trás da crise climática, temos que admitir nossa corresponsabilidade. Cidades verdes planejadas com autonomia alimentar e saneamento baseado em infraestruturas naturais podem ser um ponto de partida para a construção do novo imaginário necessário para uma transição. O projeto apresenta políticas públicas e iniciativas coletivas de diversas partes do mundo que apontam para outros modos de vida possíveis, categorizados nas seguintes hashtags:

#redefinir_desenvolvimento, #democratizar_espaço, #(re)generar_recursos, #intensificar_resistência_e_colaboração, #imaginação_política

 

Top