Novo mundo, novas estéticas

imagem com fundo azul e formas abstratas e no meio o texto processos criativos a distancia

Em meio a uma pandemia de proporções globais, como podemos criar formas de trabalho artístico que, a despeito das distâncias e por meio dos atuais dispositivos tecnológicos, permitam a colaboração e o intercâmbio criativos e o surgimento de novas estéticas? Essa foi a questão que moveu a iniciativa Processos Criativos a Distância, realizada pelos Institutos Goethe na América do Sul. Lançada no fim de 2020, ela fomenta intercâmbios criativos a distância, com artistas da América do Sul. Para isso, selecionou oito projetos inovadores no tema, que irão se desenvolver entre fevereiro e abril de 2021, com apoio dos institutos. E é sobre eles que você descobre mais agora. Arraste e descubra!

#01 | Dançaremos a distância

Participantes: Murillo Basso, Anita Twarowska, Luciana Botelho, Ian Iordanu
País: Brasil, Alemanha
Clique para saber mais

  • artistas dançam em palco vaizo Foto: Élise Scheider

  • uma pessoa dançando Foto: Élise Scheider

  • duas pessoas dançando em um palco Foto: Élise Scheider

  • duas pessoas dançando em um palco Foto: Élise Scheider

  • duas pessoas dançando em um palco Foto: Élise Scheider

  • duas pessoas juntas de costas para a camera Foto: Élise Scheider

O projeto investiga a distância e a - aparente - ausência do outro como condição do encontro no processo criativo da dança. Dessa forma, os artistas se colocam a questão: se dançamos ao mesmo tempo sobre dois pontos do globo, por que não estaríamos dançando, ainda que a distância, no mesmo espaço? Para explorar a problemática, eles cumprirão simultaneamente, a distância, um programa de tarefas ao longo do projeto, envolvendo também outros artistas convidados. Optando sempre pelo uso mínimo de plataformas digitais e registrando o processo via cartas, fotos, vídeos e arquivos de áudio, construirão ao final uma composição feita dessas muitas mãos e olhares. Na página do Instagram, que será criada ao longo do projeto, deixarão pílulas do caminho e, ao fim, disponibilizarão um microdocumentário sobre a experiência.
 

#02 | Voz en tránsito

Participantes: Diana Rangel, Voces Migrantes 
Países: Venezuela, Panamá, Peru, Argentina, Ecuador, Colombia, Espanha, Chile
Clique aqui para saber mais

  Ilustração: Diana Rangel

"Voz em trânsito" é um espaço de encontro voltado para uma comunidade deslocada. É coordenado pela artista e psicóloga Diana Rangel e executado com o Coletivo Voces Migrantes, que trabalha com comunidades migrantes desde 2018 no Peru, Argentina e Equador. O projeto consiste em espaço virtual que acolhe diversas práticas e reflete sobre a ideia de escuta ampliada. Tem suas bases conceituais nas artes visuais e na psicologia, consiste em mesas de trabalho por meio do WhatsApp e reuniões virtuais onde a troca de informações surge de forma experimental. Entre as propostas finais está a elaboração de uma plataforma que acolhe os intercâmbios experimentais propostos, entre eles mapa de escuta, cápsulas sonoras experimentais e um possível vídeo-ensaio documental colaborativo. 
 

#03 | ¿Estás aquí?

Participantes:Cecilia Bustince, Catalina Figini, Inno Sorsy, Angela Emlise Mansilla, FM Sur 97.3, Radio comunitaria La Paquita 88.9, Radio Municipal Quimivil 98.3, Radio Gama 97.3, Radio comunitaria Famatina 101.5
País: Argentina
Clique aqui para saber mais


O conceito do projeto surge da história "Sopa de Piedra": três estranhos aparecem numa aldeia, com uma panela e uma pedra e, apostando na generosidade dos aldeões, preparam uma deliciosa sopa para partilhar entre todos. Por meio do intercâmbio com a comunidade e rádios locais de cidades argentinas, os participantes irão compilar uma série de histórias de vida, que se juntarão ao final em uma grande narrativa. Eles trabalharão com WhatsApp, Instagram e com as rádios locais comunitárias e manterão um diário de viagem, em papel e multimídia, com entrevistas gravadas, histórias, registros gráficos e paisagens sonoras. Esses documentos serão compartilhados por Instagram e WhatsApp e resultarão no relato final da experiência.

#04 | No existimos

Participantes: Vinicius Coelho, André Felipe, Ana Luiza Fortes, Aristeo Mora
Países: Brasil, México
Clique aqui para saber mais

 nono en la playa Foto: Vinicius Coelho


O projeto investiga o lugar da ficção em um mundo dominado por fake news, teorias da conspiração e outros fenômenos da vida contemporânea intensificados pelo distanciamento imposto pela pandemia de Covid-19. Seu objetivo final é a criação de um website interativo e uma performance relacional. Para isso, o principal enfoque está no intercâmbio de metodologias de criação entre as companhias latino-americanas Opcional e A ursa de araque, que nunca se conheceram pessoalmente, mas possuem diversas afinidades: são constituídas por integrantes que nasceram no fim dos anos 1980, têm a distância como condição central de seus trabalhos e se interessam pela articulação entre documento e ficção na cena teatral.

#05 | Rastrums

Participantes: Adriana González Brun, Alejandra Mastro, Joaquín Sánchez, Mónica González, Sonia Cabrera, Alejandra Alarcón, Fátima Martini, Isabel Cisneros, Nydia Negromonte, Patricio Vogel, Paola Spalletti, Sandra Dinnendahl
Países: Paraguai, Bolívia, Suíça, Argentina, Inglaterra, México, Brasil, Chile, Venezuela
Clique aqui para saber mais

 Ilustração: Adriana González Brun

Concebido como um “viveiro de ideias”, Rastrums realiza o vínculo entre criadores do mundo, promovendo o intercâmbio de pensamento e a busca das coincidências na diversidade. Nesse sentido, os artistas propõem construir narrativas audiovisuais coletivamente, em processo que se desenvolve entre todos os participantes. A documentação se dará por gravação e anotações de reuniões de trabalho via Zoom, blog de ideias, esboços, textos e imagens no WhatsApp. Ao final, os trabalhos finalizados serão publicados no Instagram e no Facebook.

#06 | Collage 3+8

Participantes: Diego Prosen, Juanito Jaureguiberry, Pat Cividanes
Clique aqui para saber mais

 Colagem com diversos elementos Ilustração: Patrícia Cividanes


COLLAGE 3+8 consiste em projeto de colagem artística e experimental que documenta a criação de colagens realizadas por três artistas, por meio de interferências que se darão em oito trocas remotas. O grupo usará Instagram e site para divulgar o processo criativo, ao término do qual as obras serão colocadas à venda na internet, com lucro revertido para instituições sociais dos dois países. O processo criativo será documentado por meio de gravações via Zoom, registros de tela e recortes durante as criações em cada etapa, publicações no Instagram e a produção de um minidocumentário compreendendo toda a criação e depoimento dos artistas.

#07 | Viajar caminando

Participantes: Claudia Carreño, Andrés Nazarala
Países: Chile, Argentina
Clique aqui para saber mais

Paar Schuhe Foto: Andrés Nazarala


A crise ambiental nos convida a pensar em outra forma de deslocamento, talvez a mais elementar de todas. Assim, o projeto evoca a façanha contada por Werner Herzog em “From Walking on Ice”, quando viajou 900 km para se encontrar com a crítica Lotte Eisner. Com base nisso, os participantes farão uma simulação virtual de viagem a pé, de quase 1.500 km, entre Argentina e Chile. Para tanto, utilizarão um site em que haverá um mapa no qual avançarão até chegarem ao ponto equidistante dos dois. Eles usarão o aplicativo de telefone que marca as etapas para determinar as paradas diárias. A experiência será narrada em blog e, para isso, farão uso do Google Earth, a fim de contemplar os lugares por onde avançam. Assim, esperam que, uma vez feita a viagem virtual, sejamos motivados a torná-la real, vivenciando então o contraste de uma história em camadas, onde realidade e ficção se alimentam.

#08 | Creatilandia

Participantes: Fabián Barros, Déborah Szwedzki, Universidad ORT Uruguay
País: Uruguai
Clique para saber mais

Print screen von Minecraft Imagen de Egnez en Pixabay

A proposta promove o intercâmbio entre artistas a partir da intersecção entre design colaborativo, gamificação e ambientes virtuais livres de hierarquias e limitações espaciais ou físicas. O processo criativo será realizado no ambiente do Minecraft, utilizando mecanismos de comunicação transmídia, dentro e fora dele. Será buscada a participação de pessoas com diferentes perfis, que interagirão por meio de avatares. O jogo terá como objetivo gerar propostas que ajudem a pensar cidades inclusivas, seguras e resilientes (em linha com o ODS11 - Cidades e Comunidades Sustentáveis). O processo será compartilhado no Twitch, via streaming, e será documentado a partir do registro do que for transmitido. O resultado criativo obtido será recriado e compartilhado no mundo real.
 

Top