Folhas de exercícios para a aula Estrutura, forma e conteúdos

Folhas de exercícios na aula
Folhas de exercícios na aula | © Goethe-Institut/Kai-Uwe Oesterhelweg

As folhas de exercícios ajudam os alunos a aprofundarem os conhecimentos sobre certos temas em uma língua estrangeira, seja na aula ou em casa. Entretanto, isso só funciona devidamente se os exercícios forem bem elaborados. Com a estrutura certa e alguns truques, isto é muito fácil de fazer.

Será que as folhas de exercícios são necessárias para aulas de alemão como língua estrangeira? Os alunos e alunas não deveriam, isto sim, ouvir e reproduzir o máximo possível da língua falada? Na verdade, estudos linguísticos apontam que o simples ouvir e falar não são suficientes para aprender a gramática de uma língua estrangeira (Swain 1988).  Os estudantes precisam, complementarmente, de tarefas estruturadas com tópicos específicos de gramática. Para isso, as folhas de exercícios são o meio de estudo ideal, porém apenas se a o exercício tiver sido bem elaborado. Para isso, os professores devem observar algumas regras gerais que, em princípio, são válidas para todas as matérias.

A estrutura ideal
 

Um bom exercício segue uma estrutura específica:
  • Um cabeçalho com informações genéricas, que integram o exercício à aula.
  • Uma instrução de trabalho clara.
  • A tarefa, incluindo ilustrações, destaques e espaço suficiente para as respostas.
  • Eventualmente, várias tarefas, cada uma com sua própria instrução de execução.
O cabeçalho representa a base para o aprendizado organizado, com informações sobre a matéria, o grau, classe ou nível, sobre o tópico e a aula, sobre diversos materiais, por exemplo, o livro e, eventualmente, informações sobre a fonte. Dessa forma, os alunos podem guardar as folhas de exercícios de forma organizada, repassá-las e repetir os conteúdos com mais facilidade.

Motivação por meio de conteúdos
 

Também em questão de conteúdo, é importante observar certos pontos, inclusive, o que seria ideal, em pontos de gramática. Os conteúdos são atuais. Isto se refere tanto à tecnologia (não cabines de telefone) quanto também às constelações da vida e das relações (mais que apenas casamento, crianças, casa e cachorro), à cultura e à sociedade do país (desenvolvimentos atuais ou notícias da Alemanha). Os conteúdos têm uma relação com as situações da vida dos alunos, ou seja, eles são importantes para os alunos e alunas ou para os estudantes. E, além disso, são adequados à faixa etária.

Se um uma folha de exercícios contiver várias tarefas, estas deveriam se referir ao mesmo assunto. O ideal é que isto seja feito em duplo sentido: o mesmo tópico de gramática e o mesmo assunto no teor. Assim, não se exige tanto dos alunos em termos de excesso de vocabulário novo e eles não se distraem com isso. E, ao ocupar-se de forma intensiva com um tópico, os conteúdos permanecem melhor alicerçados na memória.

A forma, algo que não deve ser deixado de lado
 

Entretanto, conteúdos excelentes não serão muito úteis se a má legibilidade ou outras propriedades relativas à forma absorverem demais as capacidades cognitivas dos alunos – porque a boa legibilidade é importante. Por isso, os professores devem evitar cópias de má qualidade. As folhas de exercícios devem ter espaço suficiente para as respostas, de tal forma que os alunos e alunas não sejam obrigados a escrever de maneira ilegível. Se possível, os conteúdos devem ser realçados por meio de ilustrações. As formas a serem aprendidas podem ser destacadas com sublinhados ou negrito. Testes empíricos demonstram que a aprendizagem é facilitada e acelerada principalmente por meio de ilustrações (Carney et al. 2002) e destaques (Schmidt 1992).

Especificidades na aula de língua estrangeira
 

Como, na maioria dos casos, a aula de língua estrangeira não é lecionada na língua materna dos professores e/ou dos alunos, as instruções nas folhas de exercícios devem ser elaboradas de forma simples e com clareza. A linguagem mais simples na aula de língua estrangeira, por sua vez, pode levar com facilidade a assuntos muito infantis. Geralmente, no entanto, os alunos são adolescentes ou adultos jovens para os quais são interessantes assuntos diferentes que os de crianças. De modo geral, deve-se considerar que a cultura e a sociedade do país são importantes (ver Salomo), e as experiências dos próprios alunos deveriam ser incluídas.

Elaboração de folhas de exercícios com software especial
 

Ao elaborar folhas de exercícios, os professores também podem usar para isso um software especial, às vezes sujeito a pagamento. O Worksheet Crafter é um tipo de programa usado para isso e com o qual foram elaboradas as folhas de exercícios de amostra.

  O software de folhas de exercícios oferece a vantagem de que as estruturas e funções permitem poupar tempo. Para o material elaborado, a regra geral é: é legível, visualizável e economiza espaço, porque os professores podem apresentar um modelo digital em vez de uma cópia. Com os programas adequados, como, por exemplo, o Worksheet Crafter, é possível criar uma estrutura clara, ilustrações, destaques, manipulação de textos, como textos com espaços em branco ou campos em cinza. Dessa forma, os professores podem elaborar, de forma rápida e efetiva, folhas de exercícios que sejam úteis para os alunos e alunas.

 

Literatura

Carney, Russell N.; Levin, Joel R.: “Pictorial illustrations still improve students' learning from text.Educational psychology review 14(1) 2002, 5-26.

Salomo, Dorothe: Deutschlandbezug ist entscheidend. Magazin Sprache, Goethe-Institut, November 2014.

Schmidt, Richard: “Awareness and second language acquisition.” Annual review of applied linguistics 13/1992, 206-226.

Swain, Merrill: “Manipulating and complementing content teaching to maximize second language learning.” TESL Canada Journal 6(1) 1988, 68-83.