Lições de casa Afinal, por que ninguém fala sobre… Lições de casa?

As lições de casa fazem parte da aula.
As lições de casa fazem parte da aula. | Fotografia (recorte): asife © fotolia

Parece que as lições de casa continuam sendo a parte negativa da aula de língua estrangeira: todos a conhecem e utilizam, mas ninguém quer pensar a sério sobre isso. No entanto, os deveres para casa, principalmente aqueles com suporte digital, oferecem uma liberdade que pode ser aplicada de forma motivadora e lucrativa para dominar uma língua estrangeira.

Em muitos contextos em que o aprendizado do alemão como língua estrangeira é orientado por uma instituição, as lições de casa são um componente fixo da aula: Fora do período da aula em si e como continuação desta, os alunos realizam atividades de estudo baseadas em tarefas que, na maioria das vezes, são dadas pelos professores e cujo resultado é controlado por eles.

Funções: Por que principalmente exercitar?
 

A prática dos deveres de casa na aula de alemão como língua estrangeira parece que não sofreu quase nenhuma alteração nas últimas décadas: As lições de casa são dadas regularmente e em grande quantidade, mas geralmente não têm um valor “...específico, significativo, válido e planejado em toda a preparação, realização e também revisão da aula” (Standop 2013: 17). Geralmente, os professores dão lições de casa como exercício complementar ao conteúdo passado em aula. No caso, visam a fixar e exercitar a matéria nova da aula, exercitar a capacidade de aplicação em contextos diferentes ou aplicar o conhecimento de forma produtiva.
 
Só eventualmente os professores dão deveres de casa para ampliar ou complementar, expandir ou aprofundar o que foi aprendido (Standop 2013: 50). Entretanto, com isso, o docente desperdiça um potencial valioso, porque os deveres de casa também podem ser aplicados como preparação da aula, por exemplo, para ativar um saber já conhecido. Isto pode facilitar a leitura e audição de textos na próxima aula para os alunos. Além disso, os alunos podem desenvolver uma postura de expectativa, de forma que se posicionem mais motivados em relação a novos conteúdos ou adquiram com antecedência novos conhecimentos e pontos de vista por iniciativa própria.
 
Isto está estreitamente ligado à possibilidade de utilizar as lições de casa para o desenvolvimento (continuado) da autonomia (Pauels 2003): as lições de casa são o componente da aula em que as competências de condução própria dos alunos são mais incentivadas pelos contextos externos, do que em muitas fases da aula presencial. Muitas vezes, os alunos são deixados sozinhos com essa exigência (e seu potencial). Por isso, é necessário refletir e conversar mais sobre a utilização e estruturação do tempo usado para os deveres de casa.

Conexão entre aula e lições de casa
 

As propostas metodológicas para a estruturação efetiva e motivadora dos deveres de casa referem-se, em primeiro lugar, aos aspectos organizatórios da aula. Para tal, os feedbacks representam um ponto crítico, ao lado da conexão entre aula e as lições de casa.
 
Quando os professores dão um dever de casa somente com fins de avaliação e não controlam o que foi trabalhado, nem incluem o exercício na próxima aula, as lições de casa realmente não têm nenhum significado real para os alunos e o que acontece na aula. A probabilidade de que elas não sejam feitas, ou sejam apenas malfeitas, é maior. Se, ao contrário, as lições de casa forem empregadas com uma função preparatória, automaticamente haverá uma conexão. Assim, também é possível transferir mais responsabilidade pela aula e seu resultado para os alunos, fazendo com que eles preparem os conteúdos da aula não só para eles mesmos, mas também para os outros alunos. Para que a qualidade da aula não corra riscos, os alunos devem ser preparados para esse trabalho autônomo. O docente deve introduzir, para isso, estratégias úteis na aula e treiná-las com os alunos (Aßbeck 1998: 374).


Os docentes devem dar um feedback prático sobre os deveres para casa. Os docentes devem dar um feedback prático sobre os deveres para casa. | Fotografia (recorte): © Bernhard Ludewig/Goethe-Institut

Feedbacks sobre as lições de casa

Em relação aos feedbacks, estudos empíricos mostram, entre outros, que um feedback prático aumenta a disposição para realizar o trabalho. Isto não está relacionado apenas ao fato de que os alunos se preparam para o controle das suas tarefas, mas sim, de que um feedback prático representa, com frequência, um reconhecimento do seu trabalho e mostra o interesse do professor pelos seus resultados (Standop 2013: 275). Ao mesmo tempo, os alunos também devem ser motivados, no sentido de um aprendizado permanente, a pedir feedback ou organizar esse retorno por eles mesmos.

Lições de casa motivadoras
 

Nas lições de casa, não só os aspectos organizatórios da aula, mas também os sócio-emocionais desempenham um papel importante. Entre eles está também a motivação dos alunos, porque os deveres pressupõem por princípio uma aula motivadora. A motivação dos alunos também pode aumentar através das configurações das tarefas de modo especial. Isto inclui a esquematização das lições de casa, seguindo os mesmos princípios da aula. Quando os professores realizam essa esquematização voltada à atuação, as lições de casa deveriam oferecer atrativos para lidar ativamente com o idioma. Opções de seleção e a reflexão em conjunto sobre lições de casa significativas também podem ter efeitos positivos (Pauels 2003).


A motivação dos alunos em relação aos deveres de casa pode aumentar com a ajuda de pesquisas na Internet de acordo com os interesses – desde que seus resultados tenham relevância na aula seguinte. A motivação dos alunos em relação aos deveres de casa pode aumentar com a ajuda de pesquisas na Internet de acordo com os interesses – desde que seus resultados tenham relevância na aula seguinte. | Fotografia (recorte): xalanx © fotolia

Lições de casa criativas por meio de mídias digitais

A aplicação do “Blended Learning” (ou seja, a combinação de aula presencial e online) pode ser bem aproveitada para refletir sobre as lições de casa. A questão não é apenas usar as mídias digitais para os deveres, mas também de saber identificar os mecanismos que podem ser acionados para criar  uma conexão mais diversificada (e efetiva) entre lições de casa e a aula presencial. Três exemplos explicativos:

Local de estudo
As lições de casa podem ser utilizadas para possibilitar a comunicação autêntica e o aprendizado bem contextualizado, por exemplo, entrando em contato com pessoas que falam a língua-alvo. Para isso, podem ser utilizados locais virtuais, como um fórum de línguas estrangeiras, e também locais reais, como a estação ferroviária na própria cidade. Trabalhar em conjunto em uma plataforma de estudos e a utilização de dispositivos móveis permitem disponibilizar aos alunos tarefas nesses locais e, possivelmente, inclusive receber auxílios diretos.


Formas de interação e de trabalho
Os alunos continuam realizando os seus deveres de casa fisicamente sozinhos, porém, virtualmente, são abertas constelações totalmente novas. Neste sentido, as mídias sociais podem ser aproveitadas para aplicar um número maior de formas de trabalho cooperativo nas lições de casa (sem muito trabalho de organização). Chats de áudio e vídeo, editores de texto cooperativos, como os Wikis e Google Docs, permitem trabalhar em textos em conjunto em tempo real ou discutir sobre conteúdos. Os professores, por sua vez, também podem atuar como auxiliares no período usado para fazer as lições de casa estando, por exemplo, disponíveis em determinados horários para conversas sincronizadas ou fornecer feedback não sincronizado, ou seja, em outro horário.


Aprender individualmente

As lições de casa são muito boas para gerar diferenciação. Dessa forma, é possível deixar à livre escolha dos alunos em qual formato de mídia eles podem executar a tarefa de um projeto, de acordo com seu nível e preferência de estudo. Também neste caso é usada uma plataforma de estudos para poder disponibilizar os resultados para todos e possibilitar o feedback pelos colegas.
 
Observando detalhadamente e com tempo o campo de lições de casa na aula de línguas estrangeiras, é possível detectar rapidamente a riqueza que abrigam e que pode ser aproveitada. No entanto, para isso, muitas vezes é preciso que exista uma mudança de pensamento tanto dos professores quanto dos alunos. Os professores deveriam organizar as lições de casa (também) de outra maneira, dar mais liberdade e incluir mídias digitais. Dessa forma, os alunos podem ser incentivados a assumir mais responsabilidade pela liberdade de estudar que as lições de casa oferecem e participar da esquematização destas. Então os deveres deixarão de serem vistos como nada mais que um mal necessário.

 

Literatura

Aßbeck, Johann (1998): Über die Funktion von Hausaufgaben. In: Jung, Udo O. H. (Hg.): Praktische Handreichungen für den Fremdsprachenlehrer. 2., verb. und erw. Aufl. (= Bayreuther Beiträge zur Glottodidaktik; 2). Frankfurt am Main: Peter Lang, S. 371-376.
                      
Pauels, Wolfgang (2003): Hausaufgaben. In: Bausch, Karl-Richard/Christ, Herbert/Krumm, Hans-Jürgen (Hg.): Handbuch Fremdsprachenunterricht. 4. Aufl.. Tübingen und Basel: Utb Francke, S. 317-320.
 
Standop, Jutta (2013): Hausaufgaben in der Schule. Theorie, Forschung, didaktische Konsequenzen. Bad Heilbrunn: Julius Klinkhardt.

Würffel, Nicola (2018): Hausaufgaben im DaF/DaZ-Unterricht. Ein altes Thema (digital) neu denken. In: Info DaF 45. Jg., H. 1.