Acesso rápido:
Ir diretamente ao contéudo (Alt 1)Ir diretamente à navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente à navegação principal (Alt 2)


Andorra

O que significa "Andorra"?

O crítico literário Joachim Kaiser escreveu: "Andorra é o nome de um modelo: apresenta o processo de uma mudança de consciência". "Andorra é um conceito, na verdade, a essência de um conceito, se é que vocês sabem o que isso significa", diz o médico na peça homônima de Max Frisch. Ela foi encenada em outubro de 1964 - meio ano após o golpe militar - pelo Teatro Oficina em São Paulo. "ANDORRA é uma parábola perturbadora. E diria inquietante por sua conexão com o que vivemos hoje no Brasil, um incômodo ", afirmou Décio Antunes.



Depois que o Goethe-Institut Porto Alegre foi em maio 2018 violentamente atacado por causa de um graffite na exposição "Pixo / graffiti - realidades paralelas" por grupos fanáticos religiosos, anunciamos que nos vamos convidar para um debate público sobre o papel da arte, sobre questões de censura e liberdade artística. Foi o que fizemos com a performance "Andorra" e o subsequente debate.

Para todos que não puderam estar lá, publicamos aqui a documentação em vídeo e fotos da performance, bem como as contribuições de Décio Antunes.
 
Performance de Rua
Direção: Nina DeLudemann, Diretora teatral e cenografa, Alemanha/Brasil
Coordenação: Henrique Saidel, Professor da UFRGS/I.A./DAD

Encenada por:
Amanda Gatti, Ana Pessoto, Jennifer Ribeiro, Jonathan Pinheiro, Ketelin Abbady, Laura Garrido, Lucas Prado, Marina Fervenza, Marina Pizatto, Marlon Quadros, Maurício Estrázulas, Patricia Leonardelli, Rebecca Rodrigues, Riecardo Zigomático, Sandro Aliprandini, Tiago Schmidt, Vicente Vargas
 
Bate-Papo com
Henrique Saidel, Professor da UFRGS/I.A./DAD
Décio Antunes, Encenador
Mediação: Cláudia Laitano, Jornalista

Captação de imagens: Alexandre Dill

Fotos: Fábio Alt

Projeto em parceria com UFRGS, Instituto de Artes, Programa de Pós Graduação em Artes Cenicas, Casa de Cinema de Porto Alegre

 
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
  • Andorra - Performance © Fábio Alt / Goethe-Institut Porto Alegre
 
 
 

APONTAMENTOS SOBRE ANDORRA DE MAX FRISCH

por Décio Antunes*

 
"Somos bonecos puxados pelo fio por poderes desconhecidos."
A Morte de Danton, George Buechner.

"Andri está morto. Andorra sabe e ninguém é culpado. E por mais que alguém tente recapitular os eventos, ainda não está claro quem jogou a primeira pedra e por quê. O que um verdadeiro andorrano é, ele deve ser capaz de esquecer. Andorra é apenas um pequeno país depois de tudo."
Trecho de sinopse para encenação de Babett Grube, pelo Junges Schauspiel, de Hannover.

 
 
  1. ANDORRA é uma parábola perturbadora. E diria inquietante por sua conexão com o que vivemos hoje no Brasil.
  2. Como chegamos a esse ponto? Em que criamos em meio a um cenário de temor à arte e de censura a artistas e obras. Com candidatura à presidência de um capitão, tendo como vice um general da reserva - representação da extrema direita no Brasil. E o pior: com possibilidade de serem eleitos.
  3. Como chegamos a esse ponto? Esse o eco da pergunta que não quer calar. Ela é respondida desta forma pelo personagem MÉDICO em Andorra: - “Eu não sou culpado que tenha chegado ao ponto que chegou. Acredito falar em nome de todos, quando, para concluir, novamente repito, só podemos lamentar o curso dos acontecimentos - naquela época.”
  4. Pois bem. Acredito que a peça ANDORRA sugere alguns pontos para se tentar refletir sobre essa pergunta.
  5. Primeiro: que sociedade e história não são conceitos abstratos. Que os episódios históricos se constroem no dia a dia através de ações – ou inação, ou atitude de pretensa neutralidade – concretas.
  6. Que o desinteresse em conhecer e refletir sobre a história talvez seja resultado do seu aprendizado sempre com dimensões pretéritas. Pelo menos eu, quando jovem estudante, não encontrei um professor que articulasse o estudo da história para o entendimento do tempo presente. Precisei buscar por iniciativa própria.
  7. Em ANDORRA, MAX FRISCH, com acerto provocador, coloca o protagonista ANDRI como supostamente judeu no entendimento dos habitantes. E a sociedade de Andorra o molda e manipula como tal. Mas ele não é. E isso é brilhante como demonstração do seu tema. Não se trata mais de libelo dirigido exclusivamente contra o antissemitismo. Não. ANDRI passa a representar aquele indivíduo – ou etnia – desfigurado em sua identidade e em sua história. Em qualquer geografia e em qualquer tempo. Daí a radical atualidade de ANDORRA.
  8. E aqui, fazendo conexão com a ANDORRA-BRASIL: recentemente o general da reserva, vice na chapa de extrema direita à presidência, afirmou que o brasileiro herdou a “malandragem” do negro e a “indolência” do indígena. Ou seja, no meu entendimento o ANDRI de Max Frisch – com seu acerto de coloca-lo como não judeu para ampliar sua análise sobre como se molda consciências – poderia ser negro ou indígena. Os estereótipos seguem sendo aplicados com suas variantes.
  9. Na ANDORRA-BRASIL lembremos ainda que para a sociedade brasileira alguns cunharam conceitos como “homem cordial”, “povo alegre”, além da mentira da “democracia racial”.
  10. Por sua vez, a ANDORRA de FRISCH tenta manter autoestima orgulhosa por respeitar os direitos humanos, ser inocente, pura e casta – branca como a neve. Metáfora poderosa nas ações da jovem BARBLIN caiando Andorra e que ao final, com o assassinato de ANDRI após a cidade ser invadida pelos “do outro lado”, enlouquece.
  11. Momento em que a sociedade andorrana, que se considera inocente, casta e pura, se acovarda e se avilta pelo medo e entrega ANDRI à morte para salvar a própria pele.
  12. E sabe-se: geralmente se instaura o medo na população para que ela opte por medidas autoritárias e de força – para se sentir segura. É quando adota os clichês do senso comum. Por exemplo: bandido bom é bandido morto.
  13. É neste momento que se conecta outra dimensão essencial trazida pela obra de Max Frisch: a culpa, a memória e o esquecimento.
  14. Já foi dito que somos aquilo que deliberadamente queremos lembrar ou esquecer. O personagem ALGUÉM diz em certo momento: - “Afinal, também temos o direito de esquecer.”
  15. Enquanto isso, na ANDORRA-BRASIL, jamais se enfrentou a memória da ditadura militar brasileira e toda a sequência de atrocidades no período. Assassinatos, perseguições, prisões, cerceamento da liberdade. Houve certa vez uma “comissão da verdade”, que definhou até a morte. Nunca mais se ouviu falar. Vivemos o crônico esquecimento.
  16. E aqui entra a questão da Arte e seu cerceamento, criminalização do artista e de obras. Porque temem a Arte forças conservadoras e de extrema direita? Porque sabem que a maioria dos artistas tem o privilégio – ou a sina, se preferirem – de serem radares do mundo. De querer, através de suas obras, colocar frente ao público espelhos para que neles se reflita, sem temer expor paradoxos da história. Sabem que na sua representação simbólica toda obra tem o poder de revelar, radiografar, expor de forma contundente os impasses políticos e sociais do pensamento humano. Como fez Max Frisch com sua ANDORRA, e que nos permite estar aqui hoje para dialogar através dela.
  17. Para concluir, lembro ainda outra obra de Max Frisch: BIEDERMANN E OS INCENDIÁRIOS. Nessa outra alegoria escrita antes de ANDORRA, ele apresenta uma cidade com medo diante de sucessivos incêndios. Nas suas “boas intenções”, o Sr. Biedermann abriga em sua casa um homem. Este em seguida traz outro companheiro, que também se hospeda em sua casa, com sua concordância. Ele percebe que os dois armazenam tonéis de gasolina, mas ele nada fala ou faz. Quando se dá conta, é tarde demais. Vê sua casa desmoronar pelo incêndio provocado por seus hóspedes. Outra parábola perturbadora.
  18. Estamos abrigando incendiários na ANDORRA-BRASIL e fazendo de conta que não percebemos?
  19. Eis a questão. Ou questões. Obrigado pela atenção.
 

*dÉCIO ANTUNES

Encenador e Dramaturgo da JogoDeCena Companhia Teatral.

Top