Teatro Tocar Paraíso

Tocar Paraíso © Laura Moreira

6ª, 14.06.2019 -
dom, 30.06.2019

Auditório do Goethe-Institut Porto Alegre

Rua
24 de Outubro, 112
90510-000 Porto Alegre

TRANSIT

O trem do ocidente passa rápido e já nem para, não tem como parar, ele atropela a todos seguindo seu fluxo cego. É progresso. A energia vem do lucro, vem do modelo de civilização alicerçada no capitalismo. O lucro é vida sugada de pessoas e nações que se afundam em meio ao lixo tóxico. É tempo roubado. O texto de Köck admite o absurdo do teatro frente à vida, sua incapacidade de realmente mudar alguma coisa. Lançando mão de distintas possibilidades de estruturação da escrita para a cena, o autor vai do lírico ao dramático e ao épico, para contar histórias atravessadas por trens. A ironia percorre a linguagem cênica revelando o sedimento crítico que o texto traz em relação ao percurso civilizatório ocidental. A Cia. Espaço em Branco reúne um grupo de artistas do corpo que tem uma trajetória rica e diversa, que extrapolam a linguagem da atuação em suas experiências, mas que também dançam, fazem ativismo de gênero, que escrevem e fazem imagens em movimento para criar Tocar PARAÍSO em um regime de residência no palco do Instituto Goethe de Porto Alegre.
 
É na proposta de um corpo-coro que os personagens/discursos propostos por Köck irão encarnar. Um coletivo que, nutrido pelas singularidades, cresce numa presença múltipla que ultrapassa a noção de sujeito. Esse corpo/coro é o duplo da plateia. Nas noites de apresentação tocaremos PARAÍSO. Choque e fusão. Desejamos encontrar um sentido em fazer teatro, um sentido sem sentido, um sentido de muitos sentidos alicerçado num presente inevitável.
 
Direção: João de Ricardo / JdR/ . Texto: Thomas Köck com tradução de Christine Höhrig. Elenco: Anildo Böes, Eduardo d’Avila, Evelyn Ligocki, Fernanda Carvalho Leite, Iandra Cattani e JdR.  Luz: Carina Sehn. Som ao vivo: Daniel Roittman e Rodrigo Fernandez. Figurinos, produção e divulgação: Cia. Espaço em BRANCO. Vídeos: Bruno Gularte Barreto. Estagiário de luz: Thales Ramsés. Foto: Laura Moreira

Voltar