Grada Kilomba
24/10 - 16/12/2016

Grada Kilomba

grada_kilomba_g © Moses Leo
A portuguesa Grada Kilomba é escritora, teórica e artista interdisciplinar, e explora formas de descolonização do conhecimento no Teatro Maxim Gorki, em Berlim, e apresenta em destaque duas obras na 32ª Bienal de São Paulo. O seu trabalho é focado em questões de gênero, raça, trauma e memórias, e a sua obra inclui registos distintos como publicações, leituras cênicas, performance e videoinstalações, criando um espaço híbrido entre linguagens e formatos. No seu trabalho, Kilomba traz textos teóricos e políticos em cena, dando corpo, voz e imagem aos seus escritos. O seu livro “Plantation Memories”, uma compilação de episódios psicanalíticos do racismo diário, é uma das suas obras mais importantes, encenado por Kilomba em 2013 nos teatros alemães. Os seus textos foram traduzidos para várias línguas e publicados em antologias e revistas internacionais, e suas obras de performance e instalações têm sido apresentadas em vários lugares do mundo. Kilomba lecionou em diversas universidades internacionais, mais recentemente na Universidade Humboldt, em que foi professora convidada no departamento de Estudos de Gênero.

Ela é bolsista da Fundação Robert Bosch.