Bate-papo Projeto Toledo

E-flyer Burburinho ©Goethe-Institut

sáb, 22.09.2018

Divulgação

TRADUTORES NO INTERCÂMBIO DE CULTURAS

O Goethe-Institut, em parceria com Fundaçao Robert Bosch Stiftung und o Fundo Alemão  de Apoio ao Tardutor,  promove o Dia Internacional do Tradutor, também conhecido como o dia de São Jerônimo, tradutor da Bíblia e santo padroeiro desta profissão. A data é comemorada mundialmente no dia 30 de setembro. O objetivo é apresentar e dar visibilidade ao trabalho dos tradutores. 
Esse ano o Goethe-Institut em parceria com a Casa Guilherme de Almeida convidou a Aurélie Maurin, Simone Homme de Mello e Petê Rissati para falarem da importância da diferenças e semelhancas entre o a Alemanah e Barsil. Além dessa abordagem a Aurélie Maurin (Berlim, Deutscher Übersetzerfonds ) falará sobre possibilidade de bolsas para tradutores ofercidas pelo “Proejto Toledo” – TRADUTORES NO INTERCÂMBIO DE CULTURAS . O „Projeto Toledo“ é uma iniciativa alemã – promovida pelo Deutscher Übersetzerfonds e pela Fundação Robert Bosch , que incentiva, desde janeiro de 2018, tradutores literários a exercer ativamente o papel de mediação entre culturas.

Aurélie Maurin
Estudou Letras e Linguística em Paris. Vive desde 2000 em Berlim, onde hoje dirige o programa TOLEDO, do Fundo Alemão de Tradutores e da Fundação Robert Bosch. Trabalha como tradutora literária, curadora, diretora de coleções editoriais ("VERSschmuggel", editora Das Wunderhorn) e como editora (revista literária la mer gelée, da editora Nouvel Attila). Em 2016, foi vice-diretora da rede de escritores Freie Literaturszene Berlin e porta-voz da área de literatura na Koalition der Freien Szene. Também fez parte de comissões da Prefeitura de Berlim para projetos de fomento à cultura, como City Tax-Kulturmittel, e para a concessão de bolsas destinadas a escritores. Como tradutora literária, trabalhou com a obra de autores como Thomas Brasch e Christian Prigent. Sua tradução mais recente é L’homme qui croyait encore aux cigognes (2018), de Thomas Rosenlöcher, publicada pela editora Nouvel Attila, em Paris

Simone Homem de Mello
Escritora e tradutora literária. Seus poemas em português estão reunidos em Périplos (São Paulo: Ateliê Editorial, 2005), Extravio Marinho (São Paulo: Ateliê Editorial, 2010), Terminal, à escrita (São Paulo: Lumme, 2015) e em coletâneas brasileiras e estrangeiras de poesia contemporânea. No período em que viveu na Alemanha, de 1993 a 2010, trabalhou como autora, tradutora, dramaturgista e libretista. Escreveu os libretos para as óperas Orpheus Kristall (Munique, Münchener Biennale für Neues Musiktheater, 2002; composição de Manfred Stahnke); Keine Stille auβer der des Windes (Bremen: Bremer Theater, 2007; composição de Sidney Corbett) e UBU – Eine musikalische Groteske (Gelsenkirchen: Musiktheater im Revier, 2012; composição de Sidney Corbett). 

Voltar