Dialetos alemães A salvação do Platt

"Moin-Moin" é a versão do dialeto Platt para "Bom dia" | Foto (detalhe): © Privatanimaflora - Fotolia.com

O plattdeutsch (baixo-alemão) desapareceu quase totalmente da esfera pública alemã. Apenas três por cento da população ainda fala esta língua antiga do norte da Alemanha. Mas artistas, teatros e escolas estão a tentar reverter esta situação.

"Ik schick di nochmal dat Bummelbian, kiek di dat an" esta frase é muitas vezes dita por Susanne Bliemel. Esta professora de um liceu no estado federal de Mecklenburg-Vorpommern dá aulas em alemão platt – uma língua antiga muito falada no norte da Alemanha até ao início do século XX. Hoje em dia, no entanto, quase desapareceu do espaço público. Para que tal não continue assim, Bliemel estuda com os seus alunos o vocabulário do plattdeutsch. Traduzida para alemão, a frase acima significa: "Vou enviar-te outra vez o anexo do email, para que o possas ler." "Bummelbian" significa o anexo do e-mail – afina, o velho platt também tem de acompanhar os tempos modernos. 

O plattdeutsch (ou “baixo-alemão”) pertence a uma das seis famílias de dialetos da língua alemã. O Centro de Investigação da Língua Alemã da Universidade Marburg, uma das mais importantes instituições de investigação de dialetos na Alemanha, define um dialeto como sendo uma língua única e limitada localmente com uma gramática própria. Para além do plattdeutsch, pertencem a este grupo também o dialeto frísio do noroeste da Alemanha, o saxão da Alemanha Central, o francónio do sudeste da Alemanha, o alemânico do sudoeste da Alemanha e o bávaro do sul da Alemanha. Estes dialetos tiveram a sua origem na Idade Média quando os povos germânicos se fixaram num lugar e desenvolveram formas próprias das línguas germânicas ocidentais. 

DECRÉSCIMO DOS DIALETOS 

Com a consolidação do alemão padrão nos meios de comunicação e nas escolas, a disseminação dos dialetos foi decrescendo. O plattdeutsch foi o mais atingido, porque denota as maiores diferenças para com o alemão padrão. A alteração de sonoridades específicas, com as quais o alemão da Idade Média se distanciou de outras línguas germânicas como o neerlandês e o inglês, difundiram-se especialmente no sul e quase não conseguiram chegar ao norte do país. Apenas 2,5 milhões de pessoas ainda falam ativamente o “plattdeutsch – o que corresponde a apenas três por cento da população alemã. Outros dialetos como o bávaro conseguiram impor-se com maior sucesso em relação à influência da cultura do alemão padrão. Ainda existem 13 milhões de pessoas a falar o dialeto do sul da Alemanha.

Para que o plattdeutsch se mantenha vivo, o governo do Estado de Mecklenburg-Vorpommern introduziu, em março de 2017, o ensino desse dialeto em seis turmas. Até mesmo o “Abitur” (o exame final da escola secundária) pode ser feito neste dialeto antigo. Susanne Bliemel é a responsável nacional por esta iniciativa de educação. Nesse sentido, nos últimos tempos, dá aulas não só a jovens, mas também a educadores de infância, estudantes e professores, que mais tarde irão passar os conhecimentos adquiridos aos seus próprios alunos.       
 

imagem positiva

Na escola onde Bliemel leciona, na cidade de Crivitz em Mecklenburg-Vorpommern, aproximadamente um terço dos alunos já decidiu aprender o plattdeutsch. "Foi uma surpresa muito positiva. Não estávamos à espera que houvesse tantos interessados." Nos últimos tempos, Bliemel tem sido confrontada com um número crescente de pais que não puderam aprender plattdeutsch, mas que gostariam que os seus filhos o aprendessem. "O plattdeutsch é agora visto com bons olhos."

Para o ensino do plattdeutsch, os salvadores deste dialeto também tiveram de começar uma pequena revolução. É que, até agora, cada um pode escrever o plattdeutsch à sua maneira, pois não existe uma ortografia consolidada. No ensino, está agora a introduzir-se uma ortografia formalizada, a primeira em muitos séculos.

sonoridade especial

Para além da iniciativa educacional apoiada pelo estado alemão, existem também artistas locais que querem voltar a levar aos palcos este idioma esquecido, como por exemplo Tüdelband, a banda pop de Hamburgo, ou a moderadora televisiva Wiebke Colmorgen, que escreveu um hino em plattdeutsch dedicado à cidade de Hamburgo, em colaboração com a compositora Meike Schrader. Colmorgen tem também tentado ativamente entusiasmar crianças para a aprendizagem do plattdeutsch. Até mesmo a cantora e moderadora televisiva da NDR, Ina Müeller, já fez algumas digressões de leitura em plattdeutsch.

Wiebke Colmorgen | Foto (detalhe): Kathrin Brunnhofer www.picturekat.net

No entanto, os mais importantes bastiões culturais do plattdeutsch são certamente os dois palcos teatrais, o Teatro Ohnsorg em Hamburgo e o Palco Fritz Reuter em Schwerin. "Aquilo que é especial no plattdeutsch é a sonoridade”, diz Rolf Petersen, diretor do Palco Fritz Reuter. Petersen faz teatro em plattdeutsch desde os catorze anos. "Tem uma melodia, como a música." Como hoje em dia já não são escritas peças em plattdeutsch, o Palco Reuter serve-se do repertório do alemão padrão e as peças são simplesmente transcritas para o platt de Mecklenburg.

o platt está vivo

A palavra preferida de Petersen em platt é Schietbüdel, um palavra carinhosa para crianças, que traduzida literalmente quer dizer “saco de merda”, ou seja a fralda. Uma expressão muito pictórica, o que é bastante comum no plattdeutsch. A mistura de uma sonoridade suave e harmoniosa com um significado mais rude também é típico deste dialeto. Um outro exemplo são os palavrões em plattdeutsch, dos quais alguns se mantiveram até hoje na língua do quotidiano: Döspaddel (idiota), Klookschieter (sabichão) e Trantüte (dorminhoco) são entendidos por muitos alemães, mesmo que estes não sejam do norte da Alemanha.

Wiebke Colmorgen | Foto (detalhe): Kathrin Brunnhofer www.picturekat.net
 

EXEMPLOS AUDIO EM PLATTDEUTSCH, POR Wiebke Colmorgen

Wat mutt dat mutt ("was muss, das muss"; tradução: o que tem de ser, tem de ser - no sentido figurativo de: não há maneiro de o evitar)

Na, mien lütt Schietbüdel ("Na, mein kleiner Schatz"; tradução: então, meu queridinho)

Du büst aver uk'n Döösbaddel ("Du bist aber auch ein Dummkopf"; tradução: és mesmo um idiota)

O plattdeutsch não está acabado, diz Petersen, “porque o platt também se transforma", com a adição contínua de palavras que não existiam antigamente. Por exemplo, "Huulbessen", o que traduzido literalmente quer dizer “vassoura chorona” e que significa aspirador. Petersen acredita que, enquanto existir transformação num idioma, este não pode morrer.