Acesso rápido:
Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)

Lisboa
Lídia Jorge, escritora

Musil dizia que todos os dias nasce uma era. É verdade, mas há dias em que as eras que nascem são escritas com maiúsculas maiores, e este é o caso. Estamos a assistir às dores de parto de um tempo novo. 

De Lídia Jorge

Lídia Jorge © Alfredo Cunha Portugal é um pais com baixa auto estima, habituados que estamos ao stress cíclico de duras provas. Mas perante a ameaça desta pandemia, os serviços de saúde e a população uniram-se e os estragos têm sido minorados. Um consolo que nos conforta. Entretanto, os espaços públicos ficaram desertos, e em tão pouco tempo a Natureza mostrou como somos prescindíveis. Pelas estradas começaram a passear-se os coelhos. A linha de hotéis junto ao mar ficou sem gente. As gaivotas voam entre as mesas. Nós, os sanguinários da Natureza, temos diante de nós o espectáculo da prescindibilidade. Como nunca antes, podemos imaginar o Planeta sem nós. Dentro das casas está a nossa vida, mas as ruas falam da nossa morte. Talvez o facto de ter perdido a minha mãe com Covid 19 me faça ver esta sombra mais escura. Nunca como antes, senti como o tempo humano é apenas um tempo, no meio de todos os outros tempos. 

Estou ligada à informação, quero ler e ver o máximo, fixar imagens, agarrar o momento que passa. Musil dizia que todos os dias nasce uma era. É verdade, mas há dias em que as eras que nascem são escritas com maiúsculas maiores, e este é o caso. Estamos a assistir às dores de parto de um tempo novo. Passo os meus dias a tentar imaginar como serão as feições da época que está a nascer. Registo sobretudo os actos de humanidade. O funcionário de uma funerária, em Espanha, chorava diante da câmara relatando a forma como ajeitava sobre a almofada a cabeça dos mortos a que os familiares não tinham acesso. De súbito, os protagonistas não são os heróis do futebol, são os simples, tornados imprescindíveis. Na escala do protagonismo individual, assistimos a uma revolução.

Esta crise serve para acelerar o que se encontrava em germinação – uma humanidade que habita um planeta satélite da Terra que se chama Ciberespaço.  Tudo indica que a subjectividade individual será conectada, que os indivíduos perderão grande parte do seu espaço privado, que as mentes voarão cade vez mais longe, e que os corpos, pelo contrário, ficarão mais presos aos lugares. Este confinamento prefigura uma metáfora do que se irá passar.

Dá-me esperança a capacidade de resistência à anomia por parte dos seres humanos. Ser gente é ser único, fisicamente, e ser gregário fisicamente, também. A necessidade dos objectos palpáveis acabará por se impor, e o desejo de reunião física também. Por isso, tenho esperança de que as novas famílias desenvolvam o que de melhor tinham, a cumplicidade, e as novas normas de trabalho permitam que cada um deixe uma marca concreto no solo. Proximamente, haverá pobreza e grandes desequilíbrios. Mas acredito nas vagas da História e no progresso humano. A longo prazo, uma nova riqueza e uma nova harmonia vão ser desenhadas. Pelo menos, enquanto houver memória de como se experimentou ver a Terra deserta. Aconteceu em 2020.