Acesso rápido:
Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)

Instituições da União Europeia
A capital

Para Bruxelas, a União Europeia significa uma coisa acima de tudo: muitos postos de trabalho. Mas e se "a capital da Europa" – e com ela cidades como o Luxemburgo ou Estrasburgo – ficasse subitamente sem as instituições da UE?

De Eric Bonse

A capital
Ilustração: © Karolien Vanderstappen

Para os turistas em Bruxelas, uma visita ao Parlamento Europeu é tão obrigatória como um passeio até ao Atomium ou um desvio até à Grand Place. A Comissão Europeia e o novo edifício futurista do Conselho na Rue de la Loi, no “quarteirão europeu”, atraem muitos curiosos

Mas o que seria Bruxelas, a "capital da Europa", sem a União Europeia e as suas instituições? Esta questão foi investigada pelo Gabinete de Informação Turística e os resultados do inquérito foram surpreendentes, sugerindo que União Europeia há muito se tornou indispensável para a economia.

A União Europeia e outras organizações internacionais, como a NATO, asseguram 121 mil empregos e um volume de negócios anual de cinco mil milhões de euros, segundo um estudo publicado em 2015. Em suma, a Europa é responsável por cerca de 17% de todos os postos de trabalho em Bruxelas.

Isto não é surpreendente, considerando que, para além dos 32 000 funcionários da Comissão Europeia e dos 751 membros do Parlamento Europeu, existem milhares de diplomatas, lobistas e jornalistas. A maioria deles não só trabalha em Bruxelas, como também vive na cidade ou nos arredores.
 

As conferências da UE constituem um estímulo importante para a economia.

Perto de Etterbeek, onde está localizado o quarteirão europeu, os "europeus" vivem em vivendas na zona de Uccle, ou em bairros estudantis como Ixelles. O interior flamengo, o aeroporto de Zaventem e muitos outros projetos de infraestruturas também beneficiam desta presença da União Europeia.

E Bruxelas não é um caso isolado. O Conselho de Ministros reúne-se regularmente no Luxemburgo e o Parlamento Europeu desloca-se uma vez por mês a Estrasburgo. Em tempos de campanha eleitoral, isto é muitas vezes referido como um "circo ambulante" dispendioso. No entanto, as conferências da UE constituem um estímulo importante para a economia.

Após o referendo sobre o Brexit, ficou claro o quanto as instituições da UE são desejadas: metade da Europa candidatou-se para acolher a Agência Europeia de Medicamentos e a Autoridade Bancária Europeia, que tiveram de sair de Londres. No final, Amesterdão e Paris foram as vencedoras, mas teve de ser por sorteio porque nenhum país da UE quis deixar passar a oportunidade de acolher estas entidades lucrativas.