Acesso rápido:

Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)

Sherko Fatah
Setembro negro

Luchterhand Literaturverlag, 2019
384 páginas
978-3-630-87475-3

EXCERTOS:


 

Schwarzer September

Sobre o livro

© 2019 Luchterhand Literaturverlag, Munique

Setembro Negro é um romance sobre o terrorismo dos anos setenta. Idealistas rebeldes, Theresa, Alexander e Jakob viajam para o Médio Oriente para serem treinados. Às suas famílias, na Alemanha Federal, só lhes restam as fábulas que os três jovens deixam como recordações. Ao mesmo tempo, elementos do Médio Oriente viajam para a Alemanha Federal para prepararem as suas ações. Têm todos uma coisa em comum: o seu estatuto de ferramentas manejadas por outros num contexto que não conseguem compreender. São movimentos e momentos de violência que ainda hoje nos preocupam, apesar de o terrorismo se ter alterado, deixando de ser a violência exercida com vigor revolucionário para passar a ser uma expressão de religiosidade extremamente politizada.

Sherko Fatah é um dos observadores e intérpretes mais inteligentes do que hoje se passa no Médio Oriente. Os seus romances, ricos em factos e narrados de uma forma muito evocativa, estão muito à frente do seu próprio tempo, mesmo quando olham para o passado. E neles estão os rumos de aventura de personagens ativas de diferentes culturas no seio dos conflitos do Médio Oriente e a descrição dos impactos desses conflitos, que atingem a Europa Ocidental do nosso tempo como ondas de choque.

DIREITOS INTERNACIONAIS 

Ute Zörbach
Luchterhand Literaturverlag, Munique, grupo Random House GmbH
ute.zoerbach@randomhouse.de 
Direitos de tradução vendidos para a língua grega.
 


Crítica

Pedro Garcia Rosado (Tradutor)

Em 28 de novembro de 1971, no hotel Sheraton do Cairo, foi morto a tiro o primeiro-ministro jordano Wasfi Tal. O assassinato foi levado a cabo por um grupo armado ligado à Organização de Libertação da Palestina, como retaliação pela decisão do governo da Jordânia de expulsar a OLP do seu território. Em 18 de abril de 1983, em Beirute, o grupo armado Jihad Islâmica atacou, com um carro armadilhado, a embaixada dos EUA em Beirute (Líbano), matando 63 pessoas.

Estes dois acontecimentos balizam o romance Setembro Negro de Sherko Fatah, onde, mais do que os ativistas e o ativismo do terrorismo islâmico, têm lugar central os jovens «novos cavaleiros, que têm de forçar a passagem pelos caminhos do mundo em vez de concretizarem os seus ideais e que veem como infelicidades a existência da família, da sociedade civil burguesa, do Estado, das leis e das profissões», nas palavras do filósofo Hegel, citadas como epígrafe da obra.

Ziad, em Beirute, e Theresa, Alexander e Jakob, na Alemanha Federal, cruzam-se entre a Europa e o Médio Oriente, animados por certezas e dúvidas sobre o mundo, num labirinto de ilusões políticas (há uma personagem que proclama ter lido Marx, como profissão de fé) onde se encontram personagens (o «príncipe vermelho» Ali Hassan Salameh, dirigente do Setembro Negro) e entidades da vida real (a «agência», de cuja delegação de Beirute saem relatórios atentamente lidos por Henry Kissinger).

Setembro Negro é um romance sobre o idealismo juvenil, mas também sobre o terrorismo e o mundo frio da espionagem. E, num registo literário mais realista, Sherko Fatah conta a sua história com a força de um John le Carré, fazendo, de certo modo, lembrar A Rapariga do Tambor.


Sherko Fatah

Sherko Fatah Foto: © dpa Sherko Fatah nasceu em Berlim em 1964. Tem raízes iraquianas e curdas, sendo filho de pai curdo iraquiano e de mãe alemã, tendo passado períodos regulares na pátria paterna. A família saiu da RDA, viveu em Viena e, mais tarde, em Berlim Ocidental, onde Sherko Fatah estudou filosofia e história da arte. O seu primeiro romance, Im Grenzland, foi publicado em 2001, seguindo-se-lhe outras obras onde se defrontam o Ocidente e o mundo árabe. Em 2008, o seu romance Das dunkle Schiff chegou à shortlist do Prémio Alemão do Livro. Entre outros prémios, Sherko Fatah ganhou ainda o Prémio Adelbert von Chamisso em 2015. Vive em Berlim.

Prémios:
2020: Prémio Honorário Eugen Viehof
2015: Prémio Adelbert von Chamisso
2015: Grande Prémio das Artes de Berlim
2007: Prémio Hilde Domin de Literatura no Exílio
2001: Prémio Literário Aspekte para Im Grenzland

Obras Publicadas:
Schwarzer September. Romance, Luchterhand, München, 2019
Der letzte Ort. Romance. Luchterhand, München, 2014
Ein weißes Land. Romance. Luchterhand, München, 2011
Das dunkle Schiff. Romance, Jung und Jung, Salzburg, 2008
Onkelchen. Romance. Jung und Jung, Salzburg, 2004
Donnie. Conto. Jung und Jung, Salzburg, 2002
Im Grenzland. Romance. Jung und Jung, Salzburg, 2001