Acesso rápido:

Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)

Lutz Seiler
Stern 111

Suhrkamp Verlag, 2020
528 páginas
978-3-51842-925-9

EXCERTOS:

Lutz Seiler: Stern 111

Sobre o livro

© 2020 Suhrkamp Verlag, Berlim

Dois dias após a queda do Muro de Berlim, Inge e Walter Bischoff abandonam a sua antiga existência – o apartamento, o jardim, o trabalho e o seu país. A viagem leva os dois, na casa dos cinquenta, para longe: passando por abrigos de refugiados e residências provisórias, seguem um sonho há muito acalentado, do qual nem o próprio filho, Carl, sabe. Carl, por seu turno, que recusa aceitar a incumbência de herdar a vida e a existência dos pais, foge para Berlim. Vive na rua até ser recebido e integrado no círculo da «matilha astuta», um grupo de jovens, mulheres e homens, que se entregam a uma guerrilha pela ocupação de casas abandonadas e que tomam conta de um bar que fica numa meia-cave, o Assel. No submarino do Assel, Carl atravessa o caos arcaico do período pós-reunificação, sempre na esperança de rever Effi, «a única mulher por quem alguma vez se apaixonara».

O romance apresenta um panorama dos primeiros anos do pós-reunificação entre as duas Alemanhas e foi distinguido com o Prémio da Feira do Livro de Leipzig. Após o primeiro romance, o best-seller premiado Kruso, Lutz Seiler traça, na presente obra, dois grandes arcos narrativos – uma jornada por metade do mundo, por um lado, e um romance berlinense, por outro, que nos coloca perante os primeiros dias do novo mundo. E, de passagem, é narrada, paralelamente, a história de uma família que o outono de 1989 divide e que tem de procurar reencontrar-se.
 

DIREITOS INTERNACIONAIS 

Jan-Philipp Martin (Direitos e Licenças)
Suhrkamp Verlag / Insel Verlag, Berlim
martin@suhrkamp.de
Direitos de tradução vendidos para as línguas inglesa, árabe, francesa, neerlandesa, dinamarquesa, sueca e grega.


Crítica

Helena Topa (tradutora)

Stern 111, o segundo romance de Lutz Seiler, acompanha a vida da família Bischoff no período que se segue imediatamente à reunificação alemã. Inge e Walter, os pais, decidem abandonar a vida na antiga RDA, para irem viver para a Alemanha Ocidental. No entanto, Carl, o filho, fica para trás com a pesada incumbência de servir de retaguarda, de continuar a existência dos pais na cidade onde sempre viveram. A dada altura, porém, Carl deixa a casa dos pais para começar uma vida nova em Berlim (oriental), onde se junta a um grupo de «ocupas», a sua nova família. Vive precariamente na rua, depois num pequeno apartamento abandonado, trabalha no bar comunitário Assel e prepara-se para uma existência como poeta.

Os pais, entretanto, tentam recomeçar a vida na Alemanha ocidental, onde conseguem, por fim, encontrar trabalho bem pago e seguir o antigo sonho de emigrar para os Estados Unidos. O filho é apanhado de surpresa com este plano e reencontra os pais, passados vários anos, na Califórnia, regressando depois à sua vida em Berlim. No final, passados já muitos anos do período da Reunificação, a Berlim em que Carl se vai radicar já pouco tem a ver com a cidade que conheceu quando lá chegou.

"Stern 111" é o rádio portátil de fabrico da Alemanha de Leste que simboliza a vida da família Bischoff na primeira metade da sua vida por ter sido a primeira aquisição do jovem casal. «Stern» significa «estrela»: o rádio, que transmite também música ocidental, tem um lugar particular nesta família e acompanha-a no seu sonho e trajeto até à longínqua América.

Quanto deste passado persiste no presente destas personagens? Talvez seja esta a pergunta central do romance. A reunificação alemã é vista aqui, paradoxalmente, como o momento da separação, da divisão da família, entre as duas Alemanhas, mostrando como essa Reunificação é uma espécie de fraude ou acontecimento que apenas precipita mudanças, algumas procuradas, outras não, nos três membros desta família.

Berlim, lugar nevrálgico por onde passaram todas as divisões de um país, merece um especial enfoque nesta mudança radical das vidas das personagens: da cidade utópica onde se prolonga o sonho de uma sociedade justa, fraterna, para todos, até à urbe cosmopolita onde o capitalismo ocidental tudo absorve na sua lógica implacável de restauro, limpeza, especulação imobiliária eapagamento das marcas características de um modelo de sociedade, o da RDA, que se quer ver enterrado num passado arcaico.

Alternando a narrativa da vida de Carl com a dos pais, em lugares distantes entre si, o romance prende a atenção do leitor não só no desenrolar das histórias de vida de um e outros, mas também da comunicação, difícil e irregular, entre eles, na expectativa de um reencontro, que se dá, surpreendentemente, noutro país, os Estados Unidos. Por outro lado, traça um panorama realista das profundas mudanças que a Alemanha sofreu durante e após a reunificação, sobretudo a leste. Este romance segue uma tradição, que vem ainda do período da reunificação, de obras literárias que pensam a divisão da Alemanha em dois estados (pensemos em romances como O céu dividido, de Christa Wolf, e da (im)possibilidade de uma verdadeira reunificação.


Lutz Seiler

Lutz Seiler Lutz Seiler | Foto: © dpa Lutz Seiler nasceu a 9 de junho de 1963, em Gera, na então República Democrática Alemã. Começou por aprender os ofícios de carpinteiro e pedreiro, tendo exercido depois essas profissões. Escreveu os seus primeiros poemas aquando do serviço militar. Frequentou depois o curso de Estudos Germanísticos e foi cofundandor e coeditor da revista literária moosbrand. A sua estreia literária, com o volume de poesia berührt/geführt, deu-se em 1995. Seguiram-se outras obras de poesia e contos, entre eles o conto Turksib, pelo qual Seiler recebeu o prestigiado Prémio Ingeborg Bachmann. Em 2014, o seu romance de estreia, Kruso foi galardoado com o Prémio Alemão do Livro. Lutz Seiler vive em Wilhelmshorst, perto de Berlim, e em Estocolmo.

Prémios:
2020: Prémio da Feira do Livro de Leipzig: romance
2017: Prémio Literário da Turíngia
2015: Prémio Marie Luise Kaschnitz
2014: Prémio Alemão do Livro
2014: Prémio Uwe Johnson
2012: Prémio Christian Wagner
2012: Prémio Rainer Malkowski
2010: Prémio Fontane da cidade de Neuruppin
2010: Prémio Alemão de Ficção
2007: Prémio Ingeborg Bachmann
2004: Prémio Literário da cidade de Bremen
2002: Prémio Anna Seghers

Obras Publicadas:
Stern 111. Romance. Suhrkamp Verlag, Berlin, 2020.
Am Kap des guten Abends. Acht Bildgeschichten. Insel Verlag, Berlin, 2018
Kruso. Romance. Suhrkamp Verlag, Berlin, 2014
Im Kinobunker. Contos. Verlag Ulrich Keicher, Warmbronn, 2012
im felderlatein. Poemas. Suhrkamp Verlag, Berlin, 2010
Die Zeitwaage. Contos. Suhrkamp Verlag, Frankfurt am Main, 2009
Turksib. Dois contos. Suhrkamp Verlag, Frankfurt am Main, 2009
vierzig kilometer nacht. Poemas. Suhrkamp Verlag, Frankfurt am Main, 2003
pech & blende. Poemas. Suhrkamp Verlag, Frankfurt am Main, 2000
berührt / geführt. Poemas. Oberbaum Verlag, Chemnitz, 1995