Uma oportunidade para o Sul da Itália
South Working

Elena Militello no seu espaço de teletrabalho
Elena Militello no seu espaço de teletrabalho | Foto (detalhe): © Carmelo Ignaccolo

Em março de 2020, quando a pandemia do covid-19 assolava a Europa, Elena Militello, uma estudante de direito siciliana, estava na Universidade do Luxemburgo. A sua faculdade tinha decidido imediatamente passar todos os eventos de ensino e de investigação para o espaço virtual no resto do ano académico. Nessa altura, Militello tomou uma decisão de que ainda não se arrepende. Pegou no seu carro e conduziu mais de 2.000 km até à sua cidade natal de Palermo, que tinha deixado quando tinha 17 anos, em busca de melhores oportunidades de estudo e de emprego, tal como muitas outras pessoas da sua geração do sul de Itália.
 

Elena Militello
Elena Militello | Foto (detalhe): © Carmelo Ignaccolo
Pela primeira vez em mais de dez anos, a licenciada em Direito conseguiu passar mais tempo do que as habituais férias de verão ou um fim de semana ocasional perto da sua família e dos amigos de infância, sem que a sua carreira passasse para segundo plano.

Juntamente com seis colegas que, devido à pandemia, continuam a trabalhar para empresas no norte de Itália ou no estrangeiro a partir das suas casas no sul de Itália, Elena Militello fundou a associação "South Working - Lavorare dal Sud". A organização faz pesquisas e campanhas para estudar o fenómeno do teletrabalho com a sua base de vida no sul de Itália.

Uma oportunidade para o Sul

"Rapidamente percebemos que este novo tipo de trabalho à distância poderia representar uma oportunidade para o sul de Itália e para outras regiões remotas do interior", diz-nos Militello.

Uma oportunidade de que o sul de Itália precisa desesperadamente. Nos primeiros 20 anos do século XXI, quase 1 milhão de pessoas emigrou do sul de Itália para o norte do país ou para o estrangeiro. Especialmente para os jovens e mulheres, as hipóteses no mercado de trabalho no sul de Itália são fracas. Na Sicília, apenas uma em cada três mulheres com menos de 30 anos encontra um emprego e o desemprego juvenil na região é de quase 50%.

"Para mim, um dos factos mais chocantes é que nos últimos 8 anos a emigração de pessoas com um diploma escolar ou universitário aumentou em 43%", diz Militello. No entanto, o número de pessoas que aproveitaram a pandemia para regressar aos seus países de origem é tudo menos baixo. Um estudo da associação “South Working- Lavorare dal Sud” em cooperação com o instituto de investigação económica Svimez registou que em 2020, cerca de 100.000 pessoas que mudaram os seus escritórios domésticos para as suas regiões de origem no Sul.

Lugares revitalizados

Mas a migração inversa não seria apenas boa para os retornados, ou os "South Workers", como Militello lhes chama: "A própria região também beneficia, porque os South Workers gastam os seus salários nas comunidades do Sul". No entanto, diz-nos Militello, South Workers não asseguram apenas a circulação de nova liquidez, mas também mudanças mais amplas, tais como a renovação de casas abandonadas, o restabelecimento de empresas familiares e a criação de novas empresas.
  • O espaço cowork „Casa Netural“ em Matera Foto (detalhe): © Andrea Paoletti

    O espaço cowork „Casa Netural“ em Matera

  • „Beehive“, um espaço cowork em Trapani, na Sicília Foto (detalhe): © Sergio Parisi

    „Beehive“, um espaço cowork em Trapani, na Sicília

  • O espaço cowork, restaurante e centro cultural „Moltivolti“ em Palermo Foto (detalhe): © Tommaso Mazzara

    O espaço cowork, restaurante e centro cultural „Moltivolti“ em Palermo

  • „Beehive“, espaço cowork em Trapani Foto (detalhe): © Sergio Parisi

    „Beehive“, espaço cowork em Trapani

  • O espaço cowork „Isola“ em Catania Foto (detalhe): © Jacopo Genuardi

    O espaço cowork „Isola“ em Catania

  • A equipa da organização „South Working“ Foto (detalhe): © Carmelo Ignaccolo

    A equipa da organização „South Working“

  • O espaço cowork „Isola“ em Catania Foto (detalhe): © Jacopo Genuardi

    O espaço cowork „Isola“ em Catania

"O que mais me interessa é revitalizar e participar na vida local e conseguir que as pessoas estejam ativamente envolvidas e discutam ideias para o melhoramento dos serviços e das infraestruturas", diz Militello.

Um papel importante é desempenhado pelos gabinetes comunitários. Estão muito bem equipados e possibilitam o encontro de pessoas e o desenvolvimento de novas ideias. A Associação South Working registou 230 escritórios comunitários desde 2020, 50 dos quais se juntaram para formar uma rede dentro da Associação South Working.

Um exemplo de colaboração de sucesso entre os South Workers e uma comunidade local é a cidade montanhosa de Castelbuono, no interior da Sicília. A comunidade converteu uma sala dentro do castelo da cidade do século XIV e outra sala no claustro de um mosteiro em escritórios comunitários com ligações rápidas à Internet, que são agora regularmente utilizados por quase 200 cidadãos.

Longe da mentalidade de 9 a 5

Para que o South Working consiga funcionar realmente, porém, temos de nos afastar da mentalidade de trabalho 9 a 5, que ainda está firmemente ancorada nas empresas italianas, diz Militello.

"Um modelo de trabalho flexível tem benefícios tanto para os empregadores, em termos de mudança de prioridades para a realização de objetivos e produtividade, como para os trabalhadores, que podem escolher onde trabalham e restabelecer relações que muitas vezes foram obrigados a abandonar porque tiveram de mudar para outra cidade para trabalhar".

Resta saber se o South Working pode também contribuir para combater a longo prazo a fuga de pessoas altamente qualificadas. "Até agora, esta situação tem sido vista como um desenvolvimento irreversível e definitivo. Temos agora pelo menos a esperança de que afinal algo pode realmente mudar".