Acesso rápido:
Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)
castelo+Schloss© lupadesign

corvo+Bär

Há quem acredite que o nome da capital da Alemanha, Berlim, que no original se chama Berlin, seja uma evolução da palavra "Bärlein", que significa "pequeno urso" ou "ursinho". Ninguém pode garantir que isto é verdade, e o mais provável é que não o seja, mas o que é facto é que o urso ("Bär"”, em alemão) é mesmo o símbolo heráldico de Berlim. Também não se sabe exactamente por que razão o urso foi escolhido como animal representante da capital germânica. Há várias teorias, mas apenas uma certeza: a de que desde 1280 que este mamífero surge ininterruptamente no sinete e no brasão da cidade. A ligação entre Berlim e o urso tornou-se tão grande que hoje em dia é impossível passear pela capital alemã sem se “tropeçar” nas várias esculturas, todas imaginativamente ilustradas, que povoam as ruas da cidade - ao todo, são cerca de 300. Também não é por acaso que o prémio principal da Berlinale, um dos maiores festivais de cinema do mundo, tem como título "Goldener Bär" ("Urso Dourado"). No entanto, em tempos mais recentes, nenhum urso terá comovido tanto o senhor Müller como Knut, um simpático urso polar nascido no jardim zoológico de Berlim em 2006 e falecido em 2011, para tristeza de todos os berlinenses.

Razões para estar triste poderá também ter o senhor Silva, residente em Lisboa. É que, sendo o corvo o símbolo heráldico da capital portuguesa, esta ave é cada vez mais rara no nosso território. Com penas e bico completamente negros, o corvo sempre foi visto de formas distintas pelas várias sociedades. Enquanto noutros continentes era considerado um animal de bons presságios, na Europa simbolizava as trevas, as doenças, a guerra e a morte. Isto, no entanto, não se aplicava a Lisboa. Segundo a lenda, dois corvos terão acompanhado toda a viagem marítima, entre Sagres e a capital portuguesa, das relíquias de São Vicente, algures na década de 70 do século XII. Cerca de cem anos mais tarde, os corvos, simbolizando lealdade e protecção, surgiram pela primeira vez no selo da cidade. O corvo está ainda intimamente ligado a uma grande figura da literatura portuguesa. Um dos trabalhos literários mais conhecidos de Fernando Pessoa foi a tradução do poema "The Raven" ("O Corvo"), de Edgar Allan Poe. Será coincidência? Mais um mistério que dificilmente decifraremos.

O Corvo
Os vorvos de Lisboa estão a desaparecer