Acesso rápido:
Ir diretamente para o conteúdo (Alt 1)Ir diretamente para a navegação secundária (Alt 3)Ir diretamente para a navegação principal (Alt 2)
pastel+Brezel© lupadesign

pastel+Brezel

O povo alemão parece não se ter ainda entendido sobre o nome definitivo a dar à iguaria. Brezel é o mais comum, mas há quem lhe chame Bretzel, Brezl, Breze, Brezn, Bretzet ou até mesmo Bretschl, dependendo da região. Em português é conhecido por "pretzel". Trata-se de uma espécie de pão com um formato entrelaçado, habitualmente seco, estaladiço e bastante salgado. Uma coisa é certa: se existe alguma discórdia em relação à sua denominação, reina o consenso no que respeita à sua importância na gastronomia do sul da Alemanha, onde o senhor Müller não passa sem ele. Não se conhece exactamente a origem do Brezel. Uma das versões mais interessantes é a história do conde Eberhard im Barte e do seu padeiro Frieder. Tendo este sido condenado à morte pelo primeiro, por falar mal nas suas costas, foi-lhe dada uma oportunidade de escapar ao destino fatal: teria de conseguir fazer um pão ou um bolo por onde o sol passasse três vezes. E foi assim que Frieder concebeu o Brezel, um pão entrelaçado com três aberturas, pelas quais o sol pode, efectivamente, passar. O mais tardar, no início do século XII já o Brezel era utilizado nos territórios germânicos como símbolo da profissão de padeiro.

Muito mais recente é o pastel de nata, provavelmente o produto da doçaria portuguesa mais conhecido no mundo. Foi em meados do século XIX que os monges do Mosteiro dos Jerónimos, numa tentativa de salvar financeiramente a sua Ordem, começaram a comercializar pastéis de nata, uma receita que eles próprios haviam criado. Essa receita nunca foi tornada pública, e tornou-se um dos segredos mais bem guardados de Portugal. No entanto, com maior ou menor semelhança em relação aos originais pastéis de Belém, a iguaria começou a ser vendida em cada vez mais estabelecimentos e hoje é quase impossível ao senhor Silva entrar numa pastelaria e não se ver tentado por um ou mais tabuleiros cheios de pastéis de nata na vitrina. Há quem o aprecie com canela e açúcar, outros comem a nata à colher e só depois a parte folhada. Seja como for, poucos resistem ao seu sabor que, sendo extremamente doce, esconde menos calorias do que muitos outros componentes da doçaria portuguesa. Uma boa notícia, indiscutivelmente.

Pastéis de Belém
Wie herum gehört die Brezel?
Die Brezel-Bäcker