Discurso artístico Tudo fica para trás, menos o passado

Mesa-redonda com Karel Arnaut, Grace Ndiritu, Wayne Modest, Dada Kahindo e Ayoko Mensah
Mesa-redonda com Karel Arnaut, Grace Ndiritu, Wayne Modest, Dada Kahindo e Ayoko Mensah | © Caroline Lessire
  • 01. Janeiro 2019 — 31. Outubro 2020

  • Restituição, Papel dos museus, Legado colonial, Cultura da lembrança, Produção pós-colonial de arte

  • Bruxelas (Bélgica); Lisboa (Portugal); Barcelona (Espanha); Bordeaux (França)


O objetivo do projeto “Tudo passa, exceto o passado” é a construção de uma rede que saiba lidar com objetos coloniais em países europeus. Especialistas da Bélgica, Espanha, França e Portugal reúnem seus discursos, que se mantinham até então isolados, e discutem o tema a partir de uma perspectiva artística. 

Tudo fica para trás, menos o passado é um projeto de larga escala do Goethe-Institut de Bruxelas, em cooperação com outros Institutos Goethe da Bélgica, França, Itália, Portugal, Espanha, em parceria com diversas outras instituições tais como o Africa Museum Tervuren, L’ISELP (Bruxelas), Museu Etnològic i de Cultures del Món (Barcelona) Museo Musée d’Aquitaine (Bordeaux) e Culturgest (Lisboa). O cerne do projeto está na conduta frente ao legado colonial nesses países em forma de debate artístico-discursivo sobre um passado que permanece presente nos museus, no espaço público e nos arquivos de imagem da região.

O título do projeto foi extraído do livro de mesmo nome de autoria de Luc Huyse. O sociólogo belga descreve como as pessoas, em regiões que vão do Afeganistão ao Zimbábue, lidam com as dores causadas pela colonização e pela ocupação. A reavaliação coletiva do passado é o ponto crucial desse projeto, cuja ideia é demonstrar o quanto aquilo que parece estar enterrado no passado ainda continua vivo e não empalidece. Olhar com honestidade sobre a história colonial e seus efeitos sobre o presente significa ter que abandonar um terreno seguro, a fim de redefinir e repensar estruturas de poder que continuamos utilizando e reproduzindo. 

O projeto Tudo passa, exceto o passado, concebido para ter dois anos de duração, propõe uma abordagem artística e discursiva dos resíduos do colonialismo, seja de monumentos ou outros vestígios no espaço urbano ou na cultura popular, seja de arquivos de filmes ou artefatos adquiridos por museus europeus e colecionadores durante a era colonial (na maior parte dos casos sob circunstâncias dúbias).

Com o objetivo de reunir conhecimentos dispersos neste contexto, aconteceram em 2019 quatro oficinas, acompanhadas por vários eventos públicos em Bruxelas, Lisboa, Bordeaux e Barcelona. A meta é obter uma visão geral de práticas e possibilidades, desenvolvendo um espaço no qual os conflitos possam ser solucionados sem a formação automática e habitual de frentes rígidas. Os resultados da pesquisa serão apresentados em uma publicação e em um festival que ocorrerá em outubro de 2020 em Turim.

Participantes: Africa Museum Tervuren (Bruxelas/Bélgica), Art Centre L'ISELP (Bélgica), Culturgest (Lisboa/Portugal), Cinemateca Portuguesa (Lisboa/Portugal), Museu Etnològic i de Cultures del Món (Barcelona/Espanha), Musée d'Aquitaine (Bordeaux/França), Artist collective Mémoire Coloniale et Lutte contre les Discriminations, Institutos Goethe na Bélgica, França, Itália, Portugal e Espanha.
 
Oficina Bruxelas
Clémentine Deliss, Hartmut Dorgerloh, Yann Le Gall, Didier Houénoudé, Guido Gryseels, Dada Kahindo, Lars-Christian Koch, Katia Kukawka, Mnyaka Sururu Mboro, Wayne Modest, Placide Mumbembele, Grace Ndiritu, Géraldine Tobé, Laurent d'Ursel

Oficina Lisboa
Inês Beleza Barreiros, Ganza Buroko, Daniel Blaufuks, Christine Bluard, Filipa César, Didi Cheeka, Inadelso Cossa, Liliana Coutinho, Fradique, Wolfgang Fuhrmann, Yaa Addae Nantwi, Sana Na N’Hada, Maria do Carmo Piçarra, Inês Ponte, Tom Rice, Cristina Roldão, Tamer El Said, Raquel Schefer, Stefanie Schulte Strathaus, Catarina Simão, Antje Van Wichelen

Oficina Bordeaux
George Abungu, Lotte Arndt, Bianca Baldi, Sammy Baloji, Dalila Dalleas Bouzar, Michael Dieminger, Didier Houénoudé, Guy Lenoir, Toma Muteba Luntumbue, Ayoko Mensah, Placide Mumbembele, Maureen Murphy, Freddy Mutombo, Pascale Obolo, Carolina Orsini, Margareta von Oswald, Kalvin Soiresse, Sara Torres 

Oficina Barcelona
Tania Adam, Andrés Antebi, Kokou Azamede, Azkona & Toloza, Sally Fenaux Barleycorn, Karfa Diallo, Gala Pin Ferrando, Yann Le Gall, Duane Jethro, Hannimari Jokinen, Billy Kalonji, Mnyaka Sururu Mboro, Grace Ndiritu, Gustau Nerín, Daniela Ortiz, Oriol Pascual, Linda Porn, Justo Aliounedine Nguema Pouye, Silvia Albert Sopale