7 perguntas para...

Mario Luiz Frungillo

Nasceu em 1960 em Cosmópolis - SP

2001 Universidade Estadual de Campinas - Doutorado em Teoria e História Literária.

mfrung@gmail.com


Bolsas e premiações

1990-1994 Bolsa da Fundação Konrad Adenauer para estudos na Universidade Heidelberg.


Como você chegou à tradução?
Comecei a me interessar por traduções durante a graduação em Letras na Unicamp, o que se intensificou com minha participação em uma oficina de tradução ministrada pelo poeta José Paulo Paes na mesma universidade. Como professor, deparei-me com as muitas lacunas ainda existentes no mercado editorial brasileiro, e passei a considerar a tradução como uma atividade fundamental.

Sob quais critérios você busca um texto para traduzir?
Em primeiro lugar sua relevância e sua qualidade estética. Busco, sempre que possível, preencher as lacunas existentes. Por isso, outro dado importante é a inexistência de uma boa tradução em língua portuguesa.

Para você, o contato com o autor da obra é importante? Justifique.
Tenho me dedicado até agora, com uma única exceção, a obras de autores do passado, e portanto esse contato não se mostrou ainda possível.

Qual obra traduzida por você se distanciou mais da cultura brasileira?
Acho difícil responder a essa pergunta. Todas em certa medida guardavam tanto distâncias culturais como algumas características em comum, como costuma acontecer a obras literárias da tradição ocidental.

Em uma tradução, qual dificuldade linguística já levou você ao desespero?
Algumas coisas são muito trabalhosas. No Simplicissimus, de Grimmelshausen, nomes de armamentos ou partes deles, além de expressões obscuras, que não constavam em dicionários. Nas cartas de Rosa Luxemburgo nomes de flores e pássaros, além de uma palavra que nenhum dicionário e nem os falantes nativos que pude consultar souberam me esclarecer.

Autor(a) ou livro alemão preferido:
Thomas Mann: Der Zauberberg.

Qual livro gostaria de traduzir e por quê?
Há vários, mas para mencionar apenas dois (ou quase isso) gostaria de fazer uma tradução integral da trilogia do Wilhelm Meister de Goethe. Além de gostar do livro, pude constatar que ele raramente é traduzido em sua integridade. As edições disponíveis se limitam aos Anos de aprendizagem. Outro são as Lebens-Ansichten des Kater Murr, de E. T. A. Hoffmann. Gosto muito do livro, um romance que se poderia colocar na tradição do Tristram Shandy de Laurence Sterne, e creio que seria um grande desafio vertê-lo para outra língua.

  ©
Obras traduzidas do alemão para o português:

Fontane, Theodor
Effi Briest / Theodor Fontane.
São Paulo: Estação Liberdade, 2013 - 419 p.
ISBN 978-85-7448-222-4
Título original: Effi Briest


Roth, Joseph
A lenda do santo beberrão / Joseph Roth. São Paulo: Estação Liberdade,
2013 - 74 p.
ISBN 978-85-7448-228-6
Título original: Die Legende vom heiligen Trinker


Luxemburg, Rosa
Cartas / Rosa Luxemburgo.
Tradução do alemão Mario Luiz Frungillo. Traduções do polonês por Grazyna Maria Asenko da Costa e
Pedro Leão da Costa Neto. São Paulo:
Ed. UNESP, 2011 - 397 p.
ISBN 978-85-3930-161-4
Título original: Ausgewählte Briefe


Orths, Markus
A camareira / Markus Orths.
Porto Alegre: L&PM, 2010 - 133 p.
ISBN 978-85-2542-097-8
Título original: Das Zimmermädchen


Grimmelshausen, Hans Jacob
Christoffel von
O aventuroso Simplicissimus / Hans Jacob Grimmelshausen. Curitiba:
Ed. UFPR, 2008, 664 p.
ISBN 978-85-7335-227-6
Título original: Der abenteuerliche Simplicissimus Teutsch


Schiller, Friedrich
Intriga e amor / Friedrich Schiller.
Curitiba: Ed. UFPR, 2005, 154 p.
ISBN 978-85-7335-129-2
Título original: Kabale und Liebe