7 perguntas para...

Miriam Bettina Paulina Oelsner

Nasceu em 1945 em São Paulo-SP

1969 Formada em Ciêrncias Econômicas, USP.

2002 Mestrado em Literatura Alemã, defendido em 2002, sob orientação do Prof. Dr. Georg Bernard Sperber, USP.

2013 Doutoranda da Faculdade de História, sob orientação da Profa. Dra. Anita Waingort Novinsky, USP.

https://www.facebook.com/miriambettinapaulina.oelsner

oelsner@usp.br ; oelsner@uol.com.br


Bolsas e premiações

2010 Primeiro lugar do Prêmio União Latina de Linguagem Especializada, pela tradução de LTI : A linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer.


Como você chegou à tradução?
Comecei a traduzir, quando eu trabalhava na Cia. do Metrô de São Paulo. Meu trabalho era outro, mas como eu sabia alemão me pediram para traduzir uns textos, o que me agradou muito. Tratava-se do transporte público urbano de passageiros, bem como da União das Empresas de Transporte Alemãs. Isto aconteceu em 1976. Logo em seguida chegaram muitos prospectos da cidade de Hamburgo. Mais tarde, em 1978, quando comecei a trabalhar na empresa municipal de ônibus urbanos, a CMTC recebi prospectos para traduzir sobre os trólebus suíços e austríacos. Foi um trabalho interessante e que trazia satisfação [eu era Assessora da Diretoria de Trólebus].

Sob quais critérios você busca um texto para traduzir?
Até hoje não fui eu quem escolheu os textos que eu traduzi, pois fui chamada para fazê-lo. Como venho estudando a temática do Holocausto já há alguns anos, recebi livros para traduzir sobre este tema. De tempos em tempos sobreviventes do Holocausto, ou seus descendentes me procuraram para traduzir para o português seus escritos ou suas recordações.

Para você, o contato com o autor da obra é importante? Justifique.
Até o momento ainda não passei por essa experiência. Como acabei de traduzir Capesius, o farmacêutico de Auschwitz de Dieter Schlesak vou procurar entrar em contato com ele. Imagino que esse contato possa ser muita ajuda para a tradução, e de qualquer forma deverá ser uma experiência pessoal muito enriquecedora.

Qual obra traduzida por você se distanciou mais da cultura brasileira?
Na tradução de LTI encontrei um distanciamento cultural mais acentuado, pois o livro trata de um tema absolutamente desconhecido do público brasileiro. Esta foi uma das principais razões de eu ter escrito a introdução do livro, para que o leitor pudesse ter uma compreensão das condições históricas a partir das quais o livro surgiu.

Em uma tradução, qual dificuldade linguística já levou você ao desespero?
Isto aconteceu diversas vezes durante a tradução do LTI A linguagem do Terceiro Reich, pois considerando que o livro trata da perversão da linguagem, das suas formas de expressão, e da criação de novos termos e de conceitos, que são praticamente intraduzíveis, porque são tipicamente alemães. Foi de grande importância a ajuda do Herr Keller, que era nosso professor de tradução, no Goethe-Institut São Paulo.
Também passei por dificuldades no caso do Capesius. Tive de pesquisar bastante, e conversar com outras pessoas, que conhecem a história da Romênia, onde o autor nasceu.

Autor(a) ou livro alemão preferido:
Tenho diversos nomes: Sebastian Haffner, Victor Klemperer, Barbara Gehrts, Saul Friedländer, Thomas Mann, Sigmund Freud, Norbert Elias, Max Weber, Axel Honneth, Rainer Forster.

Qual livro gostaria de traduzir e por quê?
Existem alguns livros que me agradaria poder traduzi-los, como por exemplo: Barbara Gehrts - Nie wieder ein Wort davon?, Alexander e Margarete Mitscherlich - Die Unfähigkeit zu Trauern, Sebastian Haffner - Erinnerungen eines Deutschen, e Victor Klemperer - Und so ist alles schwankend. Trata-se de livros de que gostei muito. Por isso sinto pena que eles não estejam disponíveis para o público brasileiro. Eu gostaria muito de que uma editora me procurasse incumbindo-me de uma dessas traduções, ou de todas elas.

  ©
Obras traduzidas do alemão para o português:

Schlesak, Dieter
Capesius : o farmacêutico de
Auschwitz
/ Dieter Schlesak.
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil
(no prelo).
Título original: Capesius : der Auschwitzapotheker


Klemperer, Victor
LTI : a linguagem do Terceiro Reich / Victor Klemperer. Rio de
Janeiro: Contraponto, 2009 - 428 p.
ISBN 978-85-7866-016-1
Título original: LTI : Notizbuch eines Philologen


Gradl, Felix
Israel e seu Deus : guia para o antigo testamento / Felix Gradl e Franz Josef Stendenbach. Tradução
realizada com a colaboração de
Milton Camargo Mota. São Paulo:
Loyola, 2001 - 213 p.
ISBN 978-85-15-02163-3
Título original: Israel und sein Gott : Einleitung in das Alte Testament